Perguntas sobre Aneurisma

Tem perguntas sobre Aneurisma?

Nossos especialistas responderam 23 perguntas sobre Aneurisma.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Perguntas sobre Aneurisma

23Perguntas

51Respostas

22Especialistas de acordo

27Pacientes agradecidos

Avaliação de risco... antes do aneurisma crescer, o risco da cirurgia é maior do que o risco do aneurisma romper. Quando o aneurisma é grande, o risco de romper é maior que o a cirurgia. Só é indicado cirurgia quando o risco da cirurgia em si for menor que o risco de não fazer nada.

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato
  • 166
  • 70
  • 89

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 4 respostas

Inicialmente se faz necessário que confirme se é 1,5mm ou 1,5cm. 1,5 mm é pequeno e provavelmente não contra-indique atividades físicas. Mas consulta com cirurgião vascular é fundamental para avaliação de fatores de risco e se não há outros aneurismas em outras artérias.

Dr. Sergio Belczak
  • 12
  • 4
  • 18

Dr. Sergio Belczak

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 3 respostas

A indicação para tratamento endovascular do aneurisma de aorta infra renal depende de vários fatores , como por exemplo: maior diâmetro do aneurisma, velocidade de crescimento, anatomia (sacular ou fusiforme). Independente da indicação temos sempre que pesar o risco do procedimento e os benefícios , sempre considerando as comorbidades de cada paciente . Logicamente a técnica endovascular quando bem indicada apresenta menor taxa de complicações quando comparada a técnica convencional. Para maiores detalhes agende consulta com um cirurgião vascular e endovascular .

Dr. Robert Guimarães Nascimento
  • 12
  • 14
  • 16

Dr. Robert Guimarães Nascimento

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 3 respostas

Aneurismas são dilatações das artérias, são conseqüência de um problema maior, o defeito na resistencia da parede das artérias. Quando operado, por via tradicional ou endovascular, somente a artéria que apresentava doença no momento foi tratada. Outras artérias, ou outros segmentos da mesma artéria operada podem apresentar novas dilatações. É a evolução natural da doença. Quando tratado por meio endovascular, ainda há a possibilidade do endoleak, ou seja, vazamento, onde um vazamento persistente pode continuar aumentando o dano no vaso ou mesmo levando a ruptura. Apesar de tudo isso, a cirurgia só é indicada quando o risco de não fazer nada é maior que o risco da cirurgia. Ou seja, quando bem indicado, a possibilidade de novos aneurismas não devem influenciar negativamente a escolha cirurgica.

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato
  • 166
  • 70
  • 89

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 3 respostas

Sem dúvida nenhuma o maior risco é romper. O aneurisma roto é a maior causa de morte para os portadores de aneurisma de aorta, mas o infarto vem logo em seguida. Como os fatores de risco são semelhantes, as doenças podem co-existir. Existem outros riscos menores, como a embolização distal, compressão de outros órgãos, como intestino, ureter, bexiga, coluna, duodeno e outros, cada um causando sintomas diferentes.

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato
  • 166
  • 70
  • 89

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 3 respostas

A conduta vai depender de qual artéria acometida e de outros detalhes anatômicos do aneurisma. Consulte com seu médico para orientações adequadas.

Dr. Fernando Trés Silveira
  • 148
  • 50
  • 140

Dr. Fernando Trés Silveira

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Angiologista, Cirurgião vascular

Serra

Ver as 3 respostas

A principio sim, mas não esqueca de fazer sempre um acompanhamento

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato
  • 166
  • 70
  • 89

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 3 respostas

Quando necessário, o tratamento é sempre cirúrgico.

Dr. Henrique Lamego
  • 16
  • 8
  • 16

Dr. Henrique Lamego

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Angiologista, Cirurgião vascular, Radiologista

São Paulo

Ver as 3 respostas

O aneurisma é um aumento segmentar superior a 50% do diâmetro do vaso. Logo para ser classificado como aneurisma o tipo de vaso muda o tamanho. Se estivermos falando de aorta abdominal um tamanho de 14 mm não pode ser considerado aneurisma, já quando falamos da artéria ilíaca comum 14mm já pode ser considerado um aneurisma. Porém esse diâmetro considerando que este vaso apresenta até 0,8/0,9cm, ainda pode ser de tratamento conservador por meio de acompanhamento clínico e exames seriados, a depender de qual exame deu o diagnóstico , pois ultra-sonografias tem pior qualidade para determinar com certeza o tamanho de um aneurisma do que uma tomografia por exemplo. Consulte um cirurgião vascular e faça uma avaliação

Dr. Vicente Freire Gonçalves Junior
  • 80
  • 58
  • 89

Dr. Vicente Freire Gonçalves Junior

Cirurgião vascular

Fortaleza

Ver as 2 respostas

A cirurgia de aneurisma deve ter um risco menor do que de não fazer nada. Ou seja, se não operar, o risco de romper deve ser maior do que o risco da cirurgia de operar. O problema é que isso é muito teórico. Varia muito de paciente a paciente e principalmente com as comorbidades (ou seja, doenças associadas). A cirurgia endovascular trouxe uma alternativa menos invasiva, mas não é isenta de complicações. Existem casos onde a cirurgia aberta ainda é melhor. Resumindo, é preciso avaliar os exames e o paciente para estimar os riscos. À disposição.

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato
  • 166
  • 70
  • 89

Prof. Alexandre Campos Moraes Amato

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião vascular

São Paulo

Ver as 2 respostas

Perguntas relacionadas

Outras perguntas respondidas por especialistas da Doctoralia: