Esquizofrenia - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Esquizofrenia

Informação sobre Esquizofrenia

O que é esquizofrenia?

A esquizofrenia é uma doença mental grave, em que o paciente perde o contato com a realidade, altera o pensamento (idéias), percepção (ver, ouvir e sentir o mundo que nos rodeia de uma forma distorcida) e emoções.

O comportamento daqueles que sofrem esta doença torna-se estranho, como sua língua, provocando uma deterioração das relações com os outros na vida familiar, profissional e social. Sua evolução pode ser longa e complicada, em muitos casos, as situações ficam difíceis.

Que sofre de esquizofrenia?

Um em cada cem pessoas desenvolve esquizofrenia durante a vida (estamos falando de quase 400 mil espanhóis). Ela não escolhe raça ou o sexo,, embora a idade, geralmente ocorra entre 15 e 30 anos de idade.

Quais são suas causas?

Não se sabe com certeza as suas causas. No entanto, é provável que certos fatores biológicos, psicológicos e ambientais predisponham para sua ocorrência.

Influência hereditária parece clara. Quando uma pessoa é neta ou filha de um esquizofrênico é mais propenso a desenvolver a doença. No entanto, existem muitos esquizofrênicos sem histórico de família afetada por esta doença. Sabemos que as complicações durante a gravidez ou parto são predisponentes a história, bem como eventos de vida estressantes (como a morte de um ente querido, a perda do emprego, abuso sexual, o abuso de drogas, etc) ..

O que parece claro é que no cérebro do esquizofrênico há um excesso de neurotransmissores (substâncias químicas como a dopamina ea serotonina). Neurotransmissores são responsáveis ??por transmitir as informações no cérebro para que, quando elevadas causam uma série de sintomas descritos abaixo.

Quais são os seus sintomas?

Os sintomas podem aparecer de repente ou lentamente e geralmente são classificados em sintomas positivos (causado pela doença) e negativo (mostrado como um resultado do acima exposto).

Sintomas positivos

 

Alucinações:

Os esquizofrênicos interpretam erroneamente as mensagensque vêm através dos seus sentidos. Assim, "ouvir" as vozes e os comentários, "ver" as pessoas ou objetos e perceber cheiros e sabores que não são reais (mesmo que o próprio paciente perceba como real).

 

 

Delírios:

pensamentos e crenças falsas, sem qualquer fundamento real (embora o paciente viva o real). Por exemplo, acredita que tem o controle, que pode dar ordens ou são estrangeiros , ou que está sendo perseguido e assim por diante.

 

 

Distúrbios de pensamento:

Os pensamentos são desorganizados e não tem lógica. O paciente, conversando, passa de um assunto para outro sem ligação ou relacionamento. Você pode até mesmo fazer sons estranhos ou de ter um bloco de linguagem (ficar "branco").

 

 

Sentido alterado de sua própria identidade:

O paciente sente como se ele tivesse mudado, e às vezes tem a sensação de que seu ser está separado do corpo.

 

Sintomas negativos

 

Apatia e falta de motivação:

  Apessoa afetada mostra desrespeito pela vida e é menos motivada para fazer coisas que gostava  (falar, jogar cartas, ver televisão, ler, sair com amigos, etc) ..

 

 

Planos que afetam:

  O esquizofrênico não mostra suas emoções através de gestos ou palavras (não ri de situações engraçadas, não sorri quando todos sorriem, não choram ou expressam dor).

 

 

Outros sintomas:

O paciente muitas vezes se sente deprimido e ansioso, pode perder o apetite ou ter insônia, o que pioram a sua situação.

 

Como vai a vida de uma pessoa com esquizofrenia?

Em alguns casos, o paciente recebe tratamento e os sintomas descritos acima não desaparecer. Infelizmente, é comum os ataques de repetição. Se isso acontecer, são mais intensos e freqüentes, e mais devastadores serão os efeitos de uma doença que tende a se tornar crônica. Nestes casos, o sofrimento causado pela doença em si é acompanhado por uma quebra de vida pessoal, familiar, social e trabalhista. Pode ser necessário tratamento hospitalar em situações de crise. Normalmente, a assistência de uma forma ou de outra, deve ser mantida para a vida toda. Felizmente, há cada vez menos casos que exigem longo prazo de internação.

Como é diagnosticada?

É importante que a pessoa em causa seja corretamente diagnosticada e tratada precocemente. O médico fez um diagnóstico baseado em sintomas. Para fazer isso, vai se reunir com os pacientes e suas famílias,  realizar  um histórico médico e avaliar sua situação atual. Ao longo do tempo, a certeza do diagnóstico será maior.

Em alguns casos, testes psicológicos podem ser utilizados para complementar as informações obtidas através de outros métodos.

Qual é o tratamento da esquizofrenia?

Começamos por lembrar que há uma porcentagem de casos (cerca de 25%), cujo tratamento devido evolui para cura completa ou quase completa. No entanto, na maioria dos casos, o tratamento será a longo prazo e permanente. Atualmente em uso:

Antipsicóticos (ou neurolépticos)

Eles são a base do tratamento. Além de controlar os sintomas da doença durante os episódios (ou surtos), previnem o aparecimento de novos episódios e permitem a reabilitação do paciente. Estas drogas agem bloqueando a ação da dopamina e outros neurotransmissores. São dadas em forma de pílula, apesar de existirem preparações injetáveis, cujo efeito é de maior duração. Alguns de seus nomes que podem ser familiares, como o haloperidol ou clorpromazina, são antipsicóticos tradicionais. O problema é que estes medicamentos têm efeitos secundários adversos, tais como sonolência, boca seca, constipação, visão turva, agitação, tonturas e tremores. Por esta razão, às vezes acrescentando-se outras drogas que reduzem os efeitos colaterais descritos.

Nos últimos anos, têm sido utilizados novos antipsicóticos (olanzapina e risperidona), que melhoram os sintomas da esquizofrenia de forma eficaz, causando menos efeitos colaterais. Portanto, ele é usado com freqüência crescente. Eles também são a melhor prevenção de recaída.

Psicoterapia

Através de psicoterapia, o paciente vai perceber que está doente e, por isso deve continuar o tratamento. O paciente vai aprender a identificar e lidar melhor com situações estressantes que favorecem o aparecimento dos surtos de forma a tentar evitá-los. Também serão ensinados a pedir ajuda quando sentirem que terão uma crise. Estes são chamados de psicoterapia cognitivo-comportamental.

Terapia familiar

Tem sido demonstrado que educar as famílias, com o objetivo de tolerar melhor os sintomas do paciente e aprender a compreender e apoiar, reduz a freqüência de recidivas nestes pacientes.

Reabilitação psicossocial

Através da reabilitação, o paciente vai tentar manter as suas competências  perdidas e aprender algumas novas (são competências sociais, tais como comunicações de todos os tipos, o uso de transporte, utilização de serviços públicos, relações interpessoais, o uso de lazer e recreação, etc.)

Onde deve ficar o esquizofrênico?

Se possível, mantê-lo em sua casa e ambiente familiar. Você tem direito a centro de saúde mental periodicamente para rastrear. Se o paciente requer mais atenção, você pode ir a um hospital-dia ou creche.

Se a gravidade do evento exige, requer uma hospitalização breve. Em casos graves, pode ser realizada sobre a renda média ou longa permanência.

Possui uma dúvida concreta sobre Esquizofrenia? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Esquizofrenia

A doença surge geralmente no inicio da idade adulta – entre os 18 e 35 anos, sendo o isolamento social, delírios (ideias de perseguição, de grandiosidade e poder ou místicos-religiosos), alucinações auditivas (escutar vozes não reais) os sintomas mais comuns. Os surtos podem ser mais freqüentes e com maior duração quando o tratamento não ocorre ou não é correto. Os sintomas podem aparecer sem nenhum desencadeante, mas nos últimos anos tem sido desencadeados principalmente pelo consumo de drogas (maconha é um importante desencadeador). O tratamento nem sempre necessita internação, pode ser controlado com o uso de antipsicóticos e a presença de familares é fundamental.
Dra. Vivian Machado
Dra. Vivian Machado Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Rio de Janeiro

A esquizofrenia é um quadro que envolve sintomas como alucinações, delírios e sintomas negativos (alterações do afeto, da linguagem e do pensamento). O tratamento evoluiu muito nas últimas décadas com o advento de novas medicações como os antipsicóticos atípicos com melhor perfil de efeitos colaterais. É importante oferecer um tratamento adequado com atenção às necessidades do paciente, com uso de medicação de modo correto e apoio de profissionais de outras áreas em caso de necessidade, como terapeuta ocupacional e psicólogo.
Dr. Caio Magno Matos de Almeida
Dr. Caio Magno Matos de Almeida Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

São Paulo

A Esquizofrenia inclui um conjunto de transtornos nos quais o paciente vivencia uma percepção alterada da realidade, com prejuízos no pensamento, no comportamento, no afeto e na motivação. É uma doença séria, com grande impacto na vida daquele que dela sofre e seus familiares, uma vez que interfere na produtividade e realização do paciente. Hoje em dia, é possível levar uma vida sem internações ou novas crises, pois existem artifícios na Psiquiatria que permitem o tratamento, normalmente, por tempo indeterminado. São utilizados medicamentos antipsicóticos, responsáveis por diminuir ou acabar com as alucinações e os delírios.
Dr. Pedro Henrique Costa Meneses
Dr. Pedro Henrique Costa Meneses Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Vitoria

Os transtornos esquizofrênicos se caracterizam em geral por distorções fundamentais e características do pensamento e da percepção, e por afetos inapropriados ou embotados. Usualmente mantém-se clara a consciência e a capacidade intelectual, embora certos déficits cognitivos possam evoluir no curso do tempo. Os fenômenos psicopatológicos mais importantes incluem o eco do pensamento, a imposição ou o roubo do pensamento, a divulgação do pensamento, a percepção delirante, idéias delirantes de controle, de influência ou de passividade, vozes alucinatórias que comentam ou discutem com o paciente na terceira pessoa, transtornos do pensamento e sintomas negativos.
Dr. Fabio José Beites
Dr. Fabio José Beites Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

São Paulo

A esquizofrenia é um transtorno mental grave, com evolução crônica. Tem episódios de surtos e períodos de abrandamento. Se inicia no final da adolescência ou no começo da vida adulta. Se apresenta com delírios e alucinações, resultando em perda do contato com a realidade. Delírios são falsos julgamentos do que é ou não real, como um pensamento de que se está sendo perseguido. Alucinações são percepções de algo que não existe, como ouvir vozes ameaçadoras. Há uma modificação na personalidade do indivíduo, que pode ficar mais isolado, com prejuízos no raciocínio, na atenção e na vivência os afetos. O diagnóstico é feito pelo um médico e o tratamento inclui medicamentos e psicoterapia.
Dr. Dennison Carreiro Monteiro
Dr. Dennison Carreiro Monteiro Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Recife

Ver mais

Tem perguntas sobre Esquizofrenia?

Nossos especialistas responderam 110 perguntas sobre Esquizofrenia.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Esquizofrenia é uma doença crônica. Não há cura, mas há um controle da doença assim como, por exemplo a diabetes, será necessário alguns cuidados. Mas isso não significa que a pessoa ficará com sintomas para sempre, muitos casos com a medicação associado a outros tratamentos como psicoterapia, terapia ocupacional e outros é possível ter um bom controle da doença.

  • 106
  • 301
  • 192
Dr. Douglas Motta Calderoni Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

São Paulo

Ouvir vozes pode não ser esquizofrenia. Outros transtornos também produz esse sintoma. O mais importante é o diagnóstico correto e uma medicação correta. A conscientização do paciente é muito importante. Deve entender a importância do tratamento medicamentoso e a terapia. Evitando sabotar o tratamento. Isso é adquirido com equipes multidisciplinar formada por psicólogos, assistentes sociais, psiquiatras,etc. A família também é muito importante nesse processo. Boa sorte ao amigo. Sugiro apoiá-lo, pois está num momento difícil.

  • 151
  • 60
  • 94
Roberly Vaz Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Goiânia

Todos os sinais ou sintomas observados na esquizofrenia, como a sonorização do pensamento, podem ocorrer em outros transtornos psiquiátricos ou neurológicos. Além disso, devem ser excluídas causas infecciosas, metabólicas, endocrinológicas, abuso de substâncias ou intoxicações medicamentosas. A esquizofrenia é um transtorno heterogêneo e complexo, a ocorrência de um único sintoma isolado não permite seu diagnóstico. Somente a anamnese (entrevista médica) completa, incluindo diversos dados da sua história de vida, bem como as características do sintoma citado, realizada por um médico especialista, poderá levar a um esclarecimento diagnóstico. Sugiro que agende uma avaliação. Boa sorte!

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
  • 9
  • 3
  • 7
Fernando Toledo Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Belo Horizonte

Marcar consulta

Prezada Paciente, Isto não é motivo para preocupar-se tanto, pois além da genética, outros fatores estão fortemente envolvidos no aparecimento da doença. Se pensarmos assim, grandes gênios da humanidade que padeciam de transtornos mentais não teriam dado a sua contribuição, tais como Schumann, Rembrandt, Camille Claudel, Hemingway, Van Gogh, Dalí, Picasso, etc. Procure o Psiquiatra de seu esposo para que possam discutir abertamente sobre essa questão. Um abraço da Dra. Andrea Fávera.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 127
  • 103
  • 418
Dra. Andrea Della Favera Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 110 perguntas sobre Esquizofrenia