HIV e AIDS - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre HIV e AIDS

Informação sobre HIV e AIDS

O que é HIV?

HIV significa "vírus da imunodeficiência humana." Como qualquer outro vírus, o HIV não tem um metabolismo que se deixa de viver, por isso é necessário que as células sobrevivam e se reproduzam. HIV ataca seletivamente certas células que são essenciais para o bom funcionamento do sistema imunológico, as células entre os quais os chamados linfócitos T CD4 ou. Este tipo de glóbulos brancos conhecidos popularmente como "defesas".

Entre uma e seis semanas após a ocorrência da infecção pelo HIV ocorre um processo semelhante à gripe. No entanto, em muitos casos, estes sintomas podem não aparecer, apesar de ter havido infecção pelo HIV. É importante notar que essas pessoas, embora a infecção seja completamente assintomática em si mesmas, podem transmitir o HIV.

Seis a doze semanas após a infecção ocorrer, as células brancas do sangue produzem anticorpos suficientes contra o HIV, que pode detectar no sangue. Pessoas que têm esses anticorpos são freqüentemente chamados de HIV-positivos ou HIV +.

Uma vez passados os sintomas semelhantes aos da gripe, se ocorreu, pacientes infectados pelo HIV são completamente assintomáticos e permanecem assim por muitos anos. No entanto, o vírus está constantemente agindo sobre o corpo e está destruindo lentamente os linfócitos CD4. Quando o número destas células são bastante reduzido manifestações começam a aparecer que caracterizam a AIDS.

Na pós-infecção com HIV, se o paciente não recebeu nenhum tratamento, a Aids demora cerca de nove anos para se desenvolver.

O que é AIDS?

SIDA significa "síndrome da imunodeficiência adquirida." Este é um processo que ocorre quando o HIV destruiu linfócitos CD4 suficientes para o mau funcionamento do sistema imunológico, e não ser capaz de defender o organismo contra germes àqueles regularmente expostos ao se executar tarefas diárias. HIV também pode atacar diretamente o sistema nervoso.

Aqui estão as principais manifestações clínicas que caracterizam a AIDS:

  • Astenia (fraqueza, fadiga)
  • Perda de peso inexplicada
  • Infecções pulmonares de repetição e da pele, que respondem mal ao tratamento
  • Febre
  • Linfadenopatia (gânglios linfáticos)
  • Diarréia
  • lesões de pele vesiculares e ulcerativas
  • Suores noturnos
  • Reativação de infecções que foram atenuados (infectados com o vírus do herpes simplex, toxoplasmose, herpes zoster e outros).
  • "Infecções oportunistas", que são infecções graves causadas por germes que normalmente são inofensivos, quando o sistema imunológico funciona bem. Estas infecções, por sua vez, podem levar a outras doenças como o câncer ou demência.
  • Finalmente, a SIDA pode causar a morte.

Como é a infecção pelo HIV?

  • Através de relação sexual desprotegida, ou seja, sem preservativo.
  • Através do sangue, especialmente através da partilha de agulhas e seringas contaminadas. Através de uma transfusão de sangue também é possível, mas com exames de saúde realizados atualmente, a propagação do HIV dessa forma é quase impossível.
  • Da mulher grávida para o filho, que pode ser infectado durante a gravidez, parto e amamentação.
  • O HIV não é transmitido através de atividades sociais ou familiares, como apertos de mão, compartilhamento de utensílios de cozinha, etc.

Quem está em risco de contrair o HIV?

  • Aqueles que praticam sexo sem proteção com pessoas que estão infectadas.
  • Homens homossexuais ou bissexuais que praticam sexo sem proteção, especialmente se eles são promíscuos.
  • Mulheres que praticam sexo sem proteção com outros homens, especialmente se eles são promíscuos ou fazem sexo com homens bissexuais.
  • Homens heterossexuais que praticam sexo sem proteção, especialmente se eles são promíscuos.
  • Prostitutas, seus clientes e seus parceiros sexuais.
  • Pessoas viciadas em drogas parenteral (injetável) que compartilham agulhas e seringas.
  • Pessoal médico, que pode tornar-se presos ou feridos com instrumentos de pacientes infectados com HIV.
  • Os filhos de mães com infecção pelo HIV.
  • Pessoas que receberam transfusões de sangue ou foram tratados com produtos derivados de sangue antes de 1985.

Como prevenir a transmissão do HIV?

  • Usando um preservativo. O uso deste tipo de proteção não oferece garantia absoluta contra a infecção, mas reduz o risco de uma forma muito importante.
  • Evitando o uso de drogas injetáveis. No caso, não é recomendado, para ser consumido não devem compartilhar agulhas, seringas ou outro material utilizado para a preparação e uso de drogas injetáveis.
  • Evitar transfusão de sangue ou derivados contaminados do mesmo. Esta recomendação refere-se principalmente para os países onde a regulamentação está pendente de controle sanitário do sangue.
  • Pessoas já infectadas ou que pertencem a grupos em risco de infecção pelo HIV devem abster-se de doar sangue, sêmen ou órgãos para transplante.
  • Embora em uma só pessoa, a análise para ver se ele está infectado com HIV é negativa, há uma pequena chance de realmente estar infectado. Isso geralmente é devido ao fato de que a pessoa, tendo sido recentemente infectado, a análise pode ter feito antes de seu corpo ter tido tempo de desenvolver anticorpos para detectar a presença de infecção.

O que ele deveria suspeitos de estarem infectados com o HIV?

Qualquer um que tenha sido exposta ao HIV deve consultar o seu médico o mais rapidamente possível, para que ele irá informar o verdadeiro risco colocados pela exposição que você teve, e, eventualmente, realizar o tratamento prescrito.

Se a exposição foi realmente em risco, o médico irá recomendar a implementação imediata de uma análise para ver se o paciente já tem anticorpos, que vêm de uma infecção adquirida previamente. Se o resultado for negativo, a análise deve ser repetida em três e seis meses e se ainda negativo que você pode ter certeza que não houve infecção.

Se o paciente tem sintomas sugestivos de infecção recente por HIV, ou se a exposição é um alto risco de infecção, além de anticorpos geralmente determinada vírus, o HIV, ou a sua RNA (ácido ribonucléico), pode ser diagnosticada rapidamente a infecção. Às vezes você começa o tratamento do HIV nesses estágios iniciais.

Em caso de exposição acidental, por exemplo depois de uma punção com uma agulha contaminada ou ter tido uma relação sexual de alto risco, o tratamento pode ser prescrito para tentar impedir a infecção pelo HIV. Este tratamento deve ser iniciado mais cedo, se possível nas primeiras horas após a exposição.

Note-se que os medicamentos usados ??para prevenir a infecção pelo HIV têm efeitos colaterais que às vezes são desagradáveis. Portanto, seu uso é recomendado apenas se a exposição estava realmente em risco. A decisão de levar este tratamento ou não deve ser compartilhada entre o médico ea pessoa em causa.

Quando a análise é feita para ver se a infecção pelo HIV?

A análise para determinar se a infecção pelo HIV pode ocorrer a qualquer médico ou qualquer especialista no sistema de saúde pública espanhola, e é livre para todos. Você também pode realizar esta análise em laboratórios particulares.

Pessoas que são objecto desta análise têm direito a confidencialidade.

A conclusão desta análise não é obrigatório para ninguém, mas é devido às pessoas que estão nas seguintes situações:

  • Os doadores de sangue
  • Doadores de órgãos para transplante
  • Sêmen do doador para inseminação artificial
  • Doadores de ovo

Qual é o tratamento da infecção pelo HIV?

Hoje há drogas, e estão desenvolvendo novas, uma luta contra o HIV, e praticamente eliminado do sangue.

Mas o HIV é um vírus muito difícil de combater. Isto é principalmente porque apresenta muitas mutações, ou mudanças em sua estrutura, que determina que o sistema imunológico não pode remover facilmente. Algumas dessas mutações estão ocorrendo variantes do vírus resistentes ao tratamento. Para evitar o aparecimento dessa resistência, a infecção pelo HIV devm ser tratada com vários medicamentos ao mesmo tempo.

Esses medicamentos antivirais não conseguem curar a infecção, mas apenas atenuá-la, para que pacientes que fazem o tratamento sintam-se melhor, mas ainda têm a infecção e pode transmitir o HIV para outras pessoas.

Esses medicamentos antivirais são capazes de melhorar parcialmente a deterioração do sistema imunológico que produz o HIV, mas é desconhecido por agora a sua eficácia a longo prazo.

Além dos antivirais, os pacientes com infecção pelo HIV, muitas vezes tem que tomar outros tratamentos, entre os quais:

  • As drogas necessárias para prevenir e tratar infecções oportunistas que podem surgirem.
  • Vacinas contra a gripe, infecções pneumocócicas e hepatite.
  • Medicamentos para tratar alguns sintomas que muitas vezes acompanham a infecção pelo HIV, tais como perda de apetite, náuseas e assim por diante.

O que pode fazer uma pessoa que está infectada com o HIV?

Quem está infectado com o HIV muitas vezes sofre traumas psicológicos significativos, por isso é aconselhável consultar um médico, um especialista em HIV infecção ou um psicólogo, para obter a melhor informação possível sobre a infecção e para combater os problemas psíquicos.

Pessoas que sofrem de infecções oportunistas e outras complicações associadas ao HIV devem receber tratamento adequado, e muitas vezes é necessário entrar no hospital.

É importante para o diagnóstico rápido da infecção pelo HIV e o tratamento, quanto mais cedo começa, mais eficaz.

Em caso de exposição a certas infecções como a tuberculose, estudos apropriados devem ser realizados para ver se houve disseminação por eles.

É muito aconselhável apoiar organizações de pacientes com infecção pelo HIV.

É aconselhável ter uma dieta variada e saudável, e que o HIV comumente afeta o sistema digestivo.

Complicações

É possível que os pacientes com infecção pelo HIV sofrem de doenças graves. Entre eles estão algumas infecções que afetam principalmente pessoas com danos no sistema imunológico e alguns tipos de câncer. O quadro abaixo resume alguns desses processos:

  • Tuberculose
  • Pneumonia por Pneumocystis carinii
  • A toxoplasmose cerebral
  • Infecções por citomegalovírus
  • Infecção pelo fungo Candida albicans
  • Câncer de pele
  • O câncer dos gânglios linfáticos
  • Meningite
  • HIV encefalopatia, uma doença do cérebro que causa demência.

Estas doenças podem causar a morte.

Prognóstico da infecção pelo HIV

AIDS se desenvolve normalmente 5-15 anos após a ocorrência de infecção por HIV. Atualmente, a infecção pelo HIV é incurável, mas a maioria das doenças que ocorrem em pacientes HIV-positivos são efetivamente tratadas e curadas.

Até recentemente, as pessoas que desenvolviam AIDS viviam apenas cerca de dois anos. No entanto, atualmente, com os tratamentos disponíveis, a sobrevivência é muito maior e pacientes que tomam medicamentos corretamente podem levar uma vida normal.

Possui uma dúvida concreta sobre HIV e AIDS? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a HIV e AIDS

HIV, do inglês "vírus da imunodeficiência humana". Ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4. Ele os invade para se multiplicar e as mata no processo acabando com o sistema de defesa evoluindo para a AIDS se não tratada. a pessoa pode não apresentar nenhum sintomas mesmo com a doença avançada. Além disso o HIV causa um processo de inflamação crônico causando demências, doenças cardíacas, enfraquecimento dos ossos, perda de músculo, etc. Por isso é importante tratar o vírus assim que se diagnostica mesmo se a imunidade estiver boa. Em pacientes que tratam a doença não se desenvolve.
Dra. Keilla Mara Freitas
Dra. Keilla Mara Freitas Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

|

São Paulo

Se você recebeu a notícia de que é portador do vírus HIV, em primeiro lugar, respire, tenha calma! Se você me procurar, eu poderei avaliar seus exames realizados, e fazer uma avaliação clinica (história e exame físico) e solicitar os exames mais específicos para ver como você está, como sua imunidade está. Há 2 anos o Ministério da Saúde indica que todas as pessoas diagnosticadas com HIV sejam tratadas com os antirretrovirais, independente de estarem com imunidade baixa, pois verificou-se em trabalhos científicos que é melhor para o paciente e para prevenir a transmissão do vírus. E você que teve situação de risco, faça o teste, não fique na dúvida!
Dra. Silvia Regina Julian
Dra. Silvia Regina Julian Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

|

São Paulo

A AIDS atualmente se tornou uma doença crônica, em que os pacientes conseguem ter uma longa sobrevida. Isto, graças à alta eficácia do tratamento anti-retroviral de que dispomos nos dias de hoje. A doença ainda não tem cura, mas pode ser bem controlada com o tratamento. O HIV é transmitido através da relação sexual sem uso de preservativo e por contato com sangue ou outros fluidos biológicos contaminados. Uma vez no organismo humano, o vírus infecta células do sistema imunológico, especialmente linfócitos T CD4, destruindo-os e deixando o sistema imune muito vulnerável, dando surgimento a doenças oportunistas, como infecções e neoplasias, típicas deste tipo de imunodeficiência.
Dra. Diana Galvão Ventura
Dra. Diana Galvão Ventura Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

|

Niterói

Ver mais

Tem perguntas sobre HIV e AIDS?

Nossos especialistas responderam 1058 perguntas sobre HIV e AIDS.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Qualquer remédio (até mesmo analgésicos usados no dia a dia como dipirona ou paracetamol) podem causar hepatite medicamentosa (lesão ao fígado causada por medicamentos). Com os ARV não é diferente. Inclusive com os usados no esquema de profilaxia por exposição - PEP. O problemas está que muitas vezes a hepatite medicamentosa não causa sintomas, sendo detectado apenas por exames de sangue onde pode se avaliar especificamente o fígado. Dependendo da lesão e da cada caso o sintoma que mais chama a atenção para lesão do fígado é icterícia (pele amarelada que ocorre por causa do aumento da bilirrubina) assim como colúria (urina escura) e acolia (fezes claras)

  • Obrigado 8
  • 1 especialista está de acordo
  • 996
  • 225
  • 3050
Dra. Keilla Mara Freitas Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

São Paulo

Marcar consulta

Não anula. Continue com a PEP.

  • 316
  • 85
  • 3162
Dr. Irineu Umberto Librenza Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Médico clínico geral

Paranavaí

Quanto mais cedo começar, maior sua eficácia.

  • 996
  • 225
  • 3050
Dra. Keilla Mara Freitas Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

São Paulo

Marcar consulta

Olá! Existem outros vírus que à semelhança do HIV fazem infecções crônicas em nosso organismo, ou seja, permanecem por toda a vida em nosso corpo, não são eliminados pelo sistema imunológico. Não diria que eles também formam reservatórios, pois este é um mecanismo específico e próprio do HIV, mas eles ficam para sempre em nosso organismo, produzindo doença ou não. Exemplo deles são: os vírus da família herpes, que ficam latentes por períodos longos e podem ser reativados várias vezes, e o HTLV, que também não tem cura e faz uma infecção crônica. Espero ter ajudado!

  • 109
  • 25
  • 103
Dra. Diana Galvão Ventura Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

Niterói

Marcar consulta

Ver as 1058 perguntas sobre HIV e AIDS