Transtorno De Pânico - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Transtorno De Pânico

Informação sobre Transtorno De Pânico

O que é?

O transtorno de pânico ou síndrome do pânico, como o evento é mais conhecido, se caracteriza pela ocorrência frequente de crises similares a ataques cardíacos. Essas crises ocorrem sem que sejam deflagradas por motivos físicos. São períodos de intensa ansiedade que geram na pessoa o medo de morrer. O quadro é considerado uma das formas de transtorno de ansiedade.

Qual é a causa?

Não há consenso em relação às causas que disparam o transtorno de pânico. Três são as hipóteses principais levantadas como motivadoras desse quadro:

- Alteração nos sistemas neurotransmissores do cérebro: sua disfunção ou hiperatividade causaria o aumento na sensação de medo. A ansiedade excessiva dispararia as crises de pânico.

- Os fatores hereditários também são apontados como causadores do transtorno de pânico.

- Um terceiro motivador dessas crises seria a utilização de substâncias químicas como anfetaminas (utilizadas em tratamentos para emagrecer) ou drogas como cocaína, êxtase, crack e maconha.

Quais os sintomas?

As crises de pânico começam com um sentimento de medo e desconforto que vai crescendo. Seu ápice é atingido após cerca de dez minutos quando a pessoa passa a sentir que sua vida está em risco e uma catástrofe prestes a acontecer. Durante esse período, o organismo gera uma série de sintomas físicos. Entre eles estão:

- sudorese

- palpitações e taquicardia

- tremores

- sensação de falta de ar ou sufocamento

- sensação de asfixia

- náusea ou dores no estômago

- sensação de instabilidade, tontura ou desmaio -

 sensação de estar fora do mundo real ou fora de si mesmo

- medo de morrer

- medo de enlouquecer

- formigamento nos membros

- calafrios ou ondas de calor

Os ataques duram em média de 20 a 30 minutos. Alguns podem se prolongar por horas, porém isso não ocorre com grande frequência. Na grande maioria das vezes as crises não passam de uma hora. Normalmente o transtorno de pânico se inicia após os 20 anos. Geralmente a primeira crise ocorre até os 24 anos, mas o período de maior propensão aos ataques vai até 40 anos. As crises ocorrem mais em mulheres que em homens. Estima-se que de 2% a 4% da população já tenha passado pelas crises de pânico. Esses ataques são capazes de gerar na pessoa um grande medo de que voltem acontecer a qualquer momento fazendo-a desenvolver outros transtornos de ansiedade.

Como fazer o diagnóstico?

A Associação Psiquiátrica Norte-Americana desenvolveu um Manual de Diagnósticos e Estatísticas para Doenças Mentais. Segundo o manual, se paciente apresentar quatro ou mais dos sintomas descritos acima, sua crise poderá ser classificada como síndrome ou transtorno de pânico.

Qual o tratamento?

Psicoterapia e medicamentos são indicados para evitar as crises de pânico. Os medicamentos normalmente só começam a apresentar resultados após quatro semanas. Entre os mais utilizados estão os antidepressivos e os ansiolíticos. Seu uso deve ser prolongado. O período de tratamento pode variar de seis meses até dois anos de acordo com os resultados. Em algumas situações, a duração pode ser prolongada.

Possui uma dúvida concreta sobre Transtorno De Pânico? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Transtorno De Pânico

A síndrome do pânico é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem crises inesperadas de desespero e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente. Quem sofre do transtorno de pânico sofre crises de medo agudo de modo recorrente e inesperado. Além disso, as crises são seguidas de preocupação persistente com a possibilidade de ter novos ataques e com as consequências desses ataques, seja dificultando a rotina do dia a dia, seja por medo de perder o controle, enlouquecer ou ter um ataque no coração.
Maria Teresa Barbosa Lopes Lauar
Maria Teresa Barbosa Lopes Lauar Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Belo Horizonte

Ataque de pânico não é um transtorno mental, mas pode ocorrer em um contexto de transtorno de ansiedade ou condição médica. Os principais sintomas são taquicardia, sensação de asfixia, tremores, sudorese, medo de morrer, medo de perder o controle e outros. Psicoterapia é necessário para promover uma melhor qualidade de vida, e na avaliação do caso, o profissional poderá encaminhar para um médico psiquiatra.
Ana Paula Nunes
Ana Paula Nunes Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Salvador

O transtorno de pânico caracteriza-se por crises de ansiedade com medo intenso de morrer ou perder o controle, formigamento de membros, palpitações, falta de ar, aperto no peito e sudorese. Os sintomas podem ou não estar associados a algum gatilho e costumam durar minutos. Do ponto de vista cognitivo, o pânico desenvolve-se a partir de uma interpretação catastrófica e distorcida, de alguma sensação física normal. Por exemplo, perceber coração acelerado, como indicativo de que está ocorrendo um infarto. A ansiedade gerada leva a pensamentos cada vez mais catastróficos e como resultado surge a crise. O tratamento envolve medicação e terapia cognitivo comportamental.
Dr. Caio Magno Matos de Almeida
Dr. Caio Magno Matos de Almeida Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

São Paulo

Ir ao Pronto Socorro com sensação de estar tendo um “infarto do coração” é comum em pessoas que experimentam o transtorno de pânico. Vivenciam períodos de intenso desconforto físico e mental, durante o qual experimentam falta de ar, sensação de sufocamento, tontura, formigamento, suor frio, dores, tremores, coração disparado e sensação de estar perdendo o controle de si. Ficam apavoradas diante da possibilidade de ter um novo ataque de pânico e passam a evitar situações que possam funcionar como gatilho. Podem ser usados medicamentos ansiolíticos, antidepressivos e terapias, como o treinamento do relaxamento, em que o indivíduo passa a ter controle sobre as reações corporais do pânico.
Dr. Pedro Henrique Costa Meneses
Dr. Pedro Henrique Costa Meneses Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Vitoria

A síndrome do pânico ou transtorno de pânico é um transtorno de ansiedade onde a pessoa apresenta ataques de pânico inesperados e recorrentes. O ataque de pânico é um surto de medo ou desconforto intenso, acompanhado de vários sintomas físicos e cognitivos. Na crise a pessoa pode apresentar: taquicardia (coração acelerado), tremores, falta de ar ou sensação de sufocamento, dor no peito, náuseas, tontura ou vertigem, formigamentos no corpo, sensação de desmaio, de perder o controle ou "enlouquecer", de morrer. A pessoa também pode desenvolver um forte medo de ter novas crises, evitando situações ou lugares que podem favorecer o mesmo. Contudo, há tratamento e melhora importante do quadro!
Dra. Fabiana Ribeiro Gonçalves
Dra. Fabiana Ribeiro Gonçalves Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurologista

|

Goiânia

Ver mais

Tem perguntas sobre Transtorno De Pânico?

Nossos especialistas responderam 62 perguntas sobre Transtorno De Pânico.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Os sintomas são sugestivos de um ataque de pânico, porém se faz necessário uma avaliação mais criteriosa para fechar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado. procure um profissional psicólogo.

  • 26
  • 47
  • 13
Dr. Enéas Cassiano dos Santos Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Nova Iguaçu

Olá, Os sintomas que você descreve, apesar de demonstrarem parte do seu sofrimento não são suficientes para caracterizar um síndrome ou dar um diagnóstico. Patologias diversas - de ansiosas a psicóticas - podem se apresentar dessa maneira. A depender de sua idade, sua história pessoal e outros sintomas associados que uma boa entrevista clínica pode encontrar, um diagnóstico poderá ser feito e um tratamento definido. Marque uma consulta com Profissional da Saúde Mental para que possa receber ajuda adequada. Grande abraço!

  • 17
  • 28
  • 28
Dr. Pedro Almeida Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Niterói

Marcar consulta

Olá, através de um processo de psicoterapia seria possível identificar diversos fatores envolvidos no medo de voar, o que contribuiria para entender o que desencadeia tal medo. Além disso, algumas técnicas poderiam ser utilizadas, como exercícios de respiração e exercícios de relaxamento que possibilitariam um enfrentamento gradativo às viagens de avião. Sugiro a busca por um profissional da psicologia que aplique estas técnicas.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 18
  • 3
  • 3
Danieli Zuanazzi Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Curitiba

Marcar consulta

Ambos transtornos são caracterizados pela presença da ansiedade intensa, contudo o transtorno de pânico tem uma duração menor, mas grande intensidade e percepções decorrentes dessa ansiedade como taquicardia, falta de ar, dores de cabeça e náuseas. Então a pessoa pode sofrer de ansiedade intensa, mas o ataque de pânico é caracterizado por crises agudas.

  • 114
  • 73
  • 40
Mariana Pavani Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicóloga

Campinas

Marcar consulta

Ver as 62 perguntas sobre Transtorno De Pânico