Para que serve Cloroquina

Indicações de Cloroquina
Tratamento da artrite reumatóide, supressão do lúpus eritematoso e porfiria cutânea tardia, em todas as formas de malária (terçã benigna, terçã maligna e quartã). Indicado ainda no tratamento da giardíase e hepatite amebiana.


Contra-Indicações de Cloroquina
Insuficiência hepática avançada e casos de discrasias sangüíneas.


Princípios ativos Cloroquina

Composição
Cada comprimido contém: difosfato de cloroquina250,0 mg; excipientes: estearato de magnésio, lactose supertablete, P.V.P - K30, álcool etílico, amido de milho, goma arábica e talco. Cada ampola contém (3 ml): dicloridrato de cloroquina 150,0 mg; excipientes: citrato de sódio, metabissulfito de sódio e água para injeção.


Considerações Cloroquina

Como Usar (Posologia)
Comprimido: na artrite reumatóide ou no lúpus eritematoso: de ação cumulativa, só patenteia resultados terapêuticos após uso durante 3 a 4 semanas. Dose inicial: 1 a 2 comprimidos, de preferência às refeições durante 1 a 4 meses. Dose de manutenção: 1 comprimido por dia ou em dias alternados a juízo clínico. Na malária: adultos: dose inicial: 4 comprimidos: 6 a 8 horas depois, 2 comprimidos; no segundo e terceiro dias subseqüentes, 2 comprimidos. Crianças: 0 a 1 ano: 1 comprimido seguido de outro 6 horas depois. Total 0,50 g. De 2 a 5 anos: dose inicial: 2 comprimidos, outro comprimido 8 horas mais tarde. Total 0,75 g. De 6 a 10 anos: 2 comprimidos seguidos de 2 doses de 1 comprimido com intervalos de 8 horas. Total 1,0 g. De 11 a 15 anos: 3 comprimidos como dose inicial, seguidos de 1 comprimidos 8 horas depois, e outro mais nas subseqüentes 24 horas. Total: 1,25 g. Como tratamento supressivo: 2 comprimidos 1 vez por semana. Na giardíase: adultos: primeiro dia: 4 comprimidos, 1 de 4 em 4 horas; segundo dia: 3 comprimidos, 1 de 6 em 6 horas. Crianças até 1 ano: 1/2 comprimido durante 3 dias. De 1 a 3 anos: 1 comprimido durante 3 dias. De 3 a 6 anos: 1 1/2 comprimido durante 3 dias; de 6 a 8 anos: 2 comprimidos durante 3 dias; de 8 a 10 anos: 2 1/2 comprimidos durante 3 dias; de 11 em diante: a mesma dose de adultos. Na hepatite amebiana e no abscesso amebiano: adultos: 4 comprimidos nos 3 primeiros dias, seguidos de 2 comprimidos diários durante 2 a 3 semanas. Crianças: doses proporcionais à idade. Nas formas mais atenuadas de hepatite ou quando associado ao Wintodon, 2 comprimidos por via oral diariamente, durante 2 a 3 semanas. Injetável: deve ser administrado via intramuscular, para o tratamento de crises agudas de malária. Adultos: a dose é de 200 mg a cada 6 horas por 3 dias; crianças: 2 a 3 mg/kg inicialmente repetida, se necessário, a intervalos de 6 horas (máximo 5 mg/kg/24 horas). A via intramuscular somente deve ser usada em crianças quando absolutamente necessário; a injeção deve ser diluída e administrada muito lentamente. Esta via deve ser substituída, tanto em adultos quanto em crianças logo que possível pela via oral. - Superdosagem: o estômago deve ser esvaziado por vômito ou por aspiração e lavagem. A respiração pode requerer assistência e líquidos intravenosos e vasopressores podem ser dados para hipotensão. Cloreto de amônio em dose cerca de 12 gramas diariamente pela boca pode ser dado para a insuficiência da excreção renal. Injeção de lactato de sódio tem sido dado intravenosamente para combater o efeito depressor da cloroquina no coração.


Laboratório
Lab. Kinder S.A.


Precauções
Não deve ser usado durante a gravidez, exceto nos casos em que o tratamento justifiqe o risco. Em crianças a superdosagem pode ser fatal. Em tratamento prolongado é aconselhado a realização de minucioso exame de fundo-de-olho a cada 6 meses, evitando-se a instalação de retinopatia grave e irreversível. O uso em idosos (acima de 65 anos) requer rigoroso acompanhamento médico. - Interações medicamentosas: pode causar trombocitopenia aos tratados com heparina; álcool ou medicamentos hepatotóxicos podem aumentar a incidência de hepatotoxicidade; antiácidos à base de trissilicato de magnésio e produtos contendo caulim + pectina podem reduzir sua absorção; fenilbutazona ou ouro podem causar dermatite; penicilina pode aumentar o potencial para graves reações adversas hematológicas, renais ou epidérmicas.


Efeitos adversos Cloroquina

Efeitos Colaterais de Cloroquina
As reações adversas incluem cefaléia, vômitos, prurido, diarréia, urticária, erupções purpúricas na pele. Efeitos mais severos incluem raros episódios psicóticos, convulsões, hipertensão e colapso cardiovascular, depressão, arritmias, choque, distúrbios visuais, mudanças no ECG, visão dupla.


Apresentações de Cloroquina

Cloroquina Apresentação
Caixa com 60 e 200 comprimidos. Caixa contendo 50 ampolas de 3 ml.


Tem perguntas sobre Cloroquina?

  • Pergunte gratuitamente a milhares de especialistas registrados em Doctoralia.
  • Os profissionais especialistas em Cloroquina receberão sua pergunta e responderão.

A sua pergunta se publicará de forma anônima.

Nossos especialistas responderam 36 perguntas sobre Cloroquina. Estas são as mais populares:

A cloroquina pode depositar-se na córnea dos olhos ?

Resposta de Dr. Gustavo Gomes Resende: Sim, como em muitos outros tecidos. Mas o depósito...

Cloroquina faz engordar, o uso prolongado tem alguma reação?

Resposta de Dr. Gustavo Gomes Resende: Não cloroquina não aumenta o peso. Seu uso prolong...

Ver as 36 perguntas sobre Cloroquina

Últimas mensagens no fórum Cloroquina

Gostaria de compartir com outros usuários alguma experiência relacionada com Cloroquina? Visite fórum de Cloroquina ou inicie um novo tema