Perguntas sobre Terapia Familiar

Tem perguntas sobre Terapia Familiar?

Nossos especialistas responderam 11 perguntas sobre Terapia Familiar.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Perguntas sobre Terapia Familiar

11Perguntas

134Respostas

123Especialistas de acordo

109Pacientes agradecidos

Olá! A terapia de casal pode ajudá-los a compreender melhor esse momento do relacionamento e a buscar alternativas para melhorar a convivência de vocês. Boa sorte!

  • 19
  • 46
  • 10
Bruna Paschoalini Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 27 respostas

Sem sombra de dúvidas. Uma família que vive uma situação desta tem a sua estrutura abalada, se torna indispensável que está família tenha um acompanhamento para entender o que está acontecendo e entender também as melhores formas de agir. A participação da família é fundamental no tratamento e acelera o processo de recuperação. Recomendo a terapia familiar com toda certeza.

  • 24
  • 35
  • 102
Diego Leiras de Araujo

Psicólogo

Rio de Janeiro

Ver as 17 respostas

Não existem receitas prontas para lidar com relacionamentos interpessoais. Como fazer? Vai depender das pessoas envolvidas, do contexto, da oportunidade, do momento de vida de cada um. Como não conheço especificamente a pessoa que pergunta, nem o seu filho de 20 anos, posso dar orientações gerais, que podem ajudar qualquer pessoa buscando reaproximação. Uma reaproximação precisa basear-se na sinceridade de sentimentos e no respeito ao direito da partes de aceitarem ou não essa reaproximação. Uma reaproximação precisa ser gradual, sem invasões, no ritmo dos sentimentos. Ela pode ser deliberada no início, mas a sua evolução precisa ser espontânea. Pode partir de um lado no início, mas precisa ser bilateral a longo prazo, isto é, os dois lados precisam querer a continuidade.

  • 70
  • 153
  • 393
Marcos Ferreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Santa Maria

Ver as 16 respostas

O psicólogo pode atuar como terapeuta familiar, não existe obrigatoriedade de formação nessa área, porque a licença do psicólogo para atendimento terapêutico lhe permite atender casal e família. Contudo, é um conhecimento que na prática se faz necessário e muito importante. Então, se não houver uma indicação que de alguma forma garanta essa habilidade do profissional, procure um psicólogo que seja também terapeuta familiar por formação para terapia desse tipo. As chances de dar certo aumentam por causa da formação, como em qq outra área. No entanto, existem profissionais de outras áreas que atendem como terapeutas familiares por que tem essa formação técnica. Particularmente, vejo que são complementares e fundamentais a formação em psicologia e em terapia familiar no atendimento à famílias.

  • 53
  • 82
  • 85
Naira Caroline Teixeira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Vitoria

Ver as 13 respostas

A Terapia de Casal vai ajudar os conjugues a visualizarem os seus problemas e o que realmente o que querem como casal e como indivíduos, não podemos dizer ao certo que irá resolver, muitos conseguem resolver suas pendencias e dar continuidade ao seu casamento.

  • 16
  • 25
  • 15
Dra. Flavia Tavares Perna Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Curitiba

Marcar consulta

Ver as 12 respostas

Após a gravidez, em função das condições hormonais e/ou outras condições adversas a mulher pode ser acometida de alguns transtornos como a depressão puerperal e a psicose puerperal, quadros que podem ser passageiros ou ter outras evoluções mais comprometedoras. Indico a avaliação de um profissional ( psiquiatra, psicologo) para não apenas entender de fato qual seu quadro, mas acompanhar sua evolução, minimizando ao máximo a evolução do quadro.

  • 39
  • 74
  • 25
Fernanda Soares Gonçalves Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicóloga

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Ver as 10 respostas

Olá! Infelizmente, não há como obrigar alguém a procurar ajuda e fica difícil sugerir algo sem conhecer a situação um pouco mais a fundo. Pela sua pergunta, parece que você está muito angustiada porque, de algum modo, está envolvida com os problemas da sua irmã. Talvez você seja a porta de entrada para um tratamento, na medida que você busque um profissional para falar sobre tudo isso e como você se sente diante da situação. Coloco-me à disposição, Míriam Félix Caruso

  • 10
  • 18
  • 10
Míriam Félix Caruso

Psicanalista, Psicóloga

São Paulo

Ver as 10 respostas

Acredito que você mesma já tem a resposta para sua pergunta. Como você mesma falou, está passando por um momento difícil e está sofrendo com isso. Com certeza procurar um profissional poderá te ajudar a lidar melhor com tais questões e dificuldades. O importante é você reconhecer que precisa de ajuda e ir atrás. Espero que você consiga encontrar um profissional que lhe ajude!

  • 57
  • 179
  • 62
Camilla Monti Oliveira

Psicóloga

Ribeirão Preto

Ver as 9 respostas

Prezada mãe! O importante é que seu filho cresça em um ambiente saudável e afetuoso independente da figura paterna. A sua ansiedade não deverá ser transferida para ele. Continue dando o amor para ele e quando questionar fale do pai com transparência e amor. Procure por um processo psicoterápico para conduzi-la neste processo. Abraços! Monica Araujo

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 425
  • 205
  • 221
Dra. Monica Araujo Rodrigues Elisiario Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Belo Horizonte

Marcar consulta

Ver as 8 respostas

Não ficou claro para mim quem está fazendo esta pergunta já que a mãe e o pai são citados na terceira pessoal! De qualquer forma a criança é descrita como se estivesse sofrendo muito.Neste caso, recomendo que procurem um psicólogo/psicanalista para uma avaliação. Boa sorte!

  • 49
  • 36
  • 34
Fabiana Hueb Abdala

São Paulo

Ver as 7 respostas

Perguntas relacionadas

Outras perguntas respondidas por especialistas da Doctoralia: