Adriana Almeida Mendes Barroso, Alergista Três Rios

Dra.
Adriana Almeida Mendes Barroso

Alergista

Número de Identificação Profissional: 52647241

Consultório

Rua Presidente Vargas, 595, sala 303, Três Rios
Consultório particular (mapa)

Nesse endereço não é possível marcar consulta online

Pedir calendário de consultas
Não adicionou informações sobre seus serviços

Experiência

Sobre mim

Médica alergista e imunologista capacitada no atendimento de pacientes com doenças de alérgicas e imunológicas utilizando para isso uma história clíni...

Mostrar a descrição completa

Tratar condições médicas

  • Eczema e dermatite atópica
  • Alergias Alimentares
  • Alergia aos ácaros do pó
Mostrar mais doenças

Opiniões dos pacientes

Este especialista não tem nenhuma opinião dos pacientes da Doctoralia. Seja o primeiro em deixar uma!

Deixe aqui sua opinião

Preços

Sem informação sobre serviços e preços

Este especialista ainda não adicionou nenhuma informação sobre serviços

Opiniões

Sem opiniões dos pacientes

Este especialista não tem nenhuma opinião dos pacientes da Doctoralia. Seja o primeiro em deixar uma!

Deixe aqui sua opinião

Dúvidas respondidas

12 dúvidas de pacientes respondidas na Doctoralia


  • Pergunta sobre As picadas da vespa e do inseto

    o que quer dizer o veneno continua fluindo por capilaridade?

    As vespas e as abelhas usam o ferrão para autodefesa. Em um ataque, as vespas podem picar mais de uma vez pois seus ferrões continuam intactos mesmo após várias picadas antes de ficar preso a pele. Já as abelhas só picam uma vez porque seu ferrão fica preso na pele e morrem logo após porque perdem parte do intestino junto com o ferrão.
    O ferrão deve ser retirado rapidamente pois vai aprofundando e injetando o restante do veneno que consequentemente cai na corrente sanguínea causando efeitos sitêmicos mais graves. Retira-se o ferrão com uma lâmina de barbear ou bisturi ou até uma faca, rente à pele de baixo para cima e nunca com os dedos ou com pinça.

    Dra. Adriana Almeida Mendes Barroso

  • Pergunta sobre Conjuntivite Alérgica

    Venho tentando tratar meu filho de conjuntivite alérgica há quatro anos. Ele faz tratamento com oftalmologista ficou quase um ano usando o colírio Ster e Patanol S. O médico suspendeu o patanol e agora está tratando com colírio Lastacaft. Reparei que apareceu uma borda branca na iris. O que faço?

    Inicialmente procure um Oftalmologista para avaliar esse evento novo que apareceu. Procure um alergista para acompanhamento da conjuntivite alérgica.

    Dra. Adriana Almeida Mendes Barroso

Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.

Experiência

Sobre mim

Médica alergista e imunologista capacitada no atendimento de pacientes com doenças de alérgicas e imunológicas utilizando para isso uma história clíni...

Mostrar a descrição completa

Tratar condições médicas

  • Eczema e dermatite atópica
  • Alergias Alimentares
  • Alergia aos ácaros do pó
Mostrar mais doenças

Artigos

Rinite

O nariz é a porta de entrada para o ar e substâncias carregadas por ele e tem a função de filtrar as impurezas, além de umidificar e aquecer o ar que vai chegar aos pulmões. O indivíduo alérgico tem uma reação exagerada aos alérgenos. Seu sistema imunológico reage de forma intensa a estas substâncias estranhas na tentativa de defesa do organismo. Os sintomas da rinite são obstrução nasal, coriza, espirros e coceira no nariz. Uma investigação diagnóstica realizada por testes com aeroalérgicos específicos deve ser realizada para diferenciar a rinite alérgica da não alérgica. Esse passo é muito importante pois determina o tempo e qual o melhor tratamento para cada paciente individualmente.


Teste alérgico (Patch test)

O patch test ou teste de contato é considerado o exame padrão-ouro no diagnóstico da dermatite de contato alérgica. O teste de contato só pode ser feito por um alergologista e é realizado diretamente na pele do paciente sendo considerado uma prova biológica "in vivo". Consiste em colocar as substancias específicas em contato com a pele do paciente, provocando uma exposição do paciente ao alérgeno e produzindo áreas de dermatite. É realizado em três etapas: num primeiro momento, 48 horas depois e 96 horas depois. Ao término das 96 horas é possível fornecer um laudo. A bateria de testes de contato padrão brasileira é composta por 30 substâncias padronizadas.


Asma

A asma brônquica é uma inflamação crônica nos pulmões. Quando as vias aéreas são expostas a estímulos ou fatores desencadeantes tornam-se hiperreativas e obstruídas, limitando o fluxo de ar através de broncoconstrição, uma produção de muco aumentada causada pela inflamação. Entre os sintomas comuns estão a chieira recorrente, tosse com agravamento noturno, sensação de aperto no peito e dificuldade respiratória recorrente. O diagnóstico é geralmente realizado com base no padrão dos sintomas, na reversibilidade dos sintomas com broncodilatador, nos resultados da espirometria. Os testes cutâneos alérgicos são também importantes para avaliar asma com componente alérgico e nortear o tratamento.


Dermatite De Contato

A dermatite de contato é uma reação inflamatória na pele decorrente da exposição a um agente capaz de causar irritação ou alergia. Existem dois tipos de dermatite de contato a irritativa e a alérgica. As lesões da pele acometem o local de contato com a pele, podendo se estender à distância. O tratamento consiste no uso de antialérgicos, cremes ou pomadas de corticosteroides ou também imunomoduladores tópicos. Emolientes e hidratantes ajudam a manter a pele úmida e também auxiliam em sua reparação e proteção. Deve-se identificar o agente irritante ou alergênico que desencadeou a dermatite para evitá-lo. O exame padrão-ouro para diagnóstico da Dermatite de Contato é o Patch test.


Imunoterapia para alergias respiratorias

A imunoterapia com alérgenos, também chamada de vacina para alergia, é uma forma de tratamento utilizada há mais de 50 anos. O tratamento consiste na aplicação de alérgeno ao qual o paciente é sensível em doses crescentes por um período de tempo que é variável (1 a 5 anos). A imunoterapia reduz o grau de sensibilização do paciente e minimiza reações alérgicas imediatas graves (anafilaxia) além de diminuir e até suspender os sintomas da rinite alérgica e asma brônquica. Indicada para pessoas sensíveis aos ácaros da poeira doméstica, pólens, fungos e venenos de insetos. Lembrando que não há indicação de imunoterapia para alergia a alimentos e para os quadros de dermatite de contato.


Urticária

Urticária é uma erupção cutânea, pruriginosa, caracterizada por placas salientes, que se assemelham às produzidas pela urtiga que pode aparecer subitamente pelo contato direto com substâncias alérgicas, como resposta do sistema imunológico à ingestão de algumas comidas ou pelo estresse. A urticária também é comum em pessoas imunodeprimidas. A urticária pode ser aguda quando persiste por até 6 semanas ou crônica quando dura mais de 6 semanas. O tratamento adequado advêm após criteriosa anamnese e investigação diagnóstica através de exames laboratoriais, testes cutâneos. A avaliação dos exames irá nortear o melhor tratamento para cada caso individualmente.

Veja todos os artigos