Clínica Dieckmann

Marcação de consultas

Que dia e hora estão bem para você?

Borges Lagoa 971 (conjunto 54) (Vila Mariana) 04038-032 São Paulo, São Paulo SP | ver mapa

Atende: Pacientes particulares (sem convênios médicos)

Horário: segunda-feira - sexta-feira: 7:00 - 22:00

CNPJ: 15.650.529/0001-28

Equipe Médica:

Dr. Luiz Henrique Junqueira Dieckmann - CRM 133.853 - Área : Psiquiatria Clínica e Diagnósticos Diferenciais em Neurologia (Dos pacientes da Dra. Paula Dieckmann) - Contato direto pelo email: dieckmann@unifesp.br ou (011) 984421460

Dr. Fábio José Pereira da Silva  - CRM 119.730 - Área : Psiquiatria Clínica e Psicoterapia Cognitivo Comportamental/Hipnose - Contato direto pelo email: dr.fabiopq@gmail.com ou (011) 998354792

Dra. Paula Guedes Macedo Dieckmann - CRM 139.191 - Área : Neurologia Clínica e Diagnósticos Diferenciais em Psiquiatria- Contato direto pelo email: paula.natalie@unifesp.br ou (011) 969773127

Daniela Gonçalves Joca - CRN 42618/P - Área : Nutrição (Voltada para Área da Saúde Mental) - Contato direto pelo email : daniela@clinicadieckmann.com.br ou (11)992704095


 

Obs : Para eventuais solicitações de encaixe, favor ligar para (11)40639711 e/ou (11)39267266 e/ou
(11)992704095 (Daniela - 09h às 18h)

Especialidades e Profissionais

Equipe Médica

Experiência em

Opiniões para Clínica Dieckmann

5

Baseado em 123 opiniões

Pontualidade

Atenção

Instalações

Você foi atendido/a em Clínica Dieckmann?

Opinar

O melhor: "Meu filho não terminava nenhuma atividade e não dormia direito. Fui muito bem acolhida pela Dra Barbara, e agora entendo que o Gabriel se encontra numa idade em que a hiperatividade pode ser normal devido ao amadurecimento cerebral. Iniciamos uma terapia cognitivo comportamental já com resultados."

Poderia melhorar: "Nada"

Motivo da visita: Crianças de 2 anos desatenta e impulsiva

Paciente que marcou consulta com Dra. Barbara Arraes Guedes Macedo em Clínica Dieckmann

O melhor: "Excelente médico. Acertou na primeira consulta o diagnóstico."

Motivo da visita: TOC

Paciente que marcou consulta com Dr. Luiz Henrique Junqueira Dieckmann em Clínica Dieckmann

O melhor: "Médica muito simpática, conseguiu se aproximar do meu filho e em pouco tempo os 2 conversavam sobre a escola e amizades. Realizou alguns testes com ele e comigo e nos indicou complementar o estudo com uma avaliação neuropsicológica."

Motivo da visita: Não aprende na escola

Paciente que marcou consulta com Dra. Barbara Arraes Guedes Macedo em Clínica Dieckmann

O melhor: "Eu gosto de tudo! O Dr. Luiz salvou a minha vida!"

Poderia melhorar: "Acho que nada precisa ser melhorado. Ele nunca deixa a gente sem resposta, está sempre pronto pra orientar."

Motivo da visita: Síndrome do Pânico e Depressao profunda

Aline O. marcou consulta com Dr. Luiz Henrique Junqueira Dieckmann em Clínica Dieckmann

Ver as 123 opiniões sobre Clínica Dieckmann

Serviços

  • Acupuntura
  • Ventosaterapia
  • Nutrição
  • Primeira consulta Nutrição
  • Consulta domiciliar Nutrição
  • Psiquiatria

Respostas dos especialistas

4 Especialistas participando

463 Respostas

1490 Especialistas de acordo

5967 Pacientes agradecidos

Especialistas de Clínica Dieckmann estão respondendo perguntas que os usuários enviam a Doctoralia.
Descubra mais

As perguntas se enviam das páginas sobre doenças, exames médicos ou medicamentos.

Todos os especialistas da Doctoralia podem responder as perguntas que enviam os usuários.

Não é possível fazer uma pergunta a um médico em concreto.

O transtorno de Movimento Estereotipado é um transtorno estudado na Psiquiatria infantil em que existem movimentos repetitivos, sem objetivo específico (estereotipados), como balançar o corpo, as mãos, morder objetos ou se morder, etc. Estes movimentos causam disfunção na vida da crinaça e não são causados por medicações ou outras doenças, e também são diferentes da doença do TOC (Transtorno Obsessivo compulsivo) e da tricotilomania e da Sindrome de Tourette também, por exemplo. O transtorno normalmente até a adolescência atinge o máximo e pode persistir, mas normalmente com melhora depois desta fase. O tratamento vai depender da idade do paciente, dos tipos de suportes que estão disponíveis na cidade onde mora, da equipe multiprofissional. Usam-se protetores para as crianças não se machucarem, e existem alguns medicamentos estudados para o tratamento, você deve conversar com seu psiquiatra infantil sobre o tratamento ideal. Atenciosamente

  • Obrigado 196
  • 21 especialistas de acordo
Dr. Luiz Henrique Junqueira Dieckmann
  • 172
  • 772
  • 2370

Dr. Luiz Henrique Junqueira Dieckmann Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Sim, existe possibilidade das medicações psicoativas não fazerem efeitos em doses altas.

Isso se deve a variabilidade individual na resposta ao medicamento, que pode ser atribuída a múltiplos fatores tais como: idade, gênero, massa corpórea, funcionamento renal e hepático, interação medicamentosa, natureza da doença, fatores genéticos e ambientais.
Mas falando da questão genética, a variabilidade genética em um grupo de genes da família do Citocromo P450 (CYP450) pode ser o motivo. Enzimas codificadas por esses genes tem um papel fundamental no metabolismo de muitos medicamentos psicoativos. Esses genes podem ser expressos em vários fenótipos. Um desses fenótipos é chamado de "Metabolizadores Ultrarrápidos". Nessas pessoas, o medicamento é inativado e eliminado tão rapidamente que, em doses normais, praticamente não tem tempo de exercer o seu efeito completo. Nessa categoria estão muitos indivíduos que não melhoram com nenhum medicamento em doses convencionais.
Respeitosamente,

  • Obrigado 47
  • 21 especialistas de acordo
Dr. Fábio José Pereira da Silva
  • 208
  • 571
  • 2239

Dr. Fábio José Pereira da Silva Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Em primeiro lugar, é sempre importante descartar o que chamamos de causas orgânicas, ou seja, se há outros motivos para você estar sentindo estes sintomas. Ou seja, descartar causas cardiológicas (do coração), hormonais (como doenças de tireóide por exemplo), alteração no hemograma (por exemplo anemia), entre diversas outras causas que um clínico geral de sua confiança, por exemplo, pode descartar. Caso não seja encontrado nenhuma alteração que justifique os sintomas, ou mesmo que seja ao mesmo tempo, procure um psicólogo(a) ou médico(a) psiquiatra de sua confiança para tentar entender melhor os possíveis motivos que levaram ao problema. Um abraço!

  • Obrigado 32
  • 14 especialistas de acordo
Dra. Paula Guedes Macedo Dieckmann
  • 76
  • 141
  • 1279

Dra. Paula Guedes Macedo Dieckmann Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurologista

Ver as respostas de especialistas de Clínica Dieckmann.

Webs

{0}{1}