Especialistas em Depressão

Depressão e relacionamento

A depressão provoca efeitos prejudiciais em diferentes áreas da vida da pessoa. Seus sintomas (incluindo tristeza, falta de interesse nas coisas, fadiga e irritabilidade) logicamente afetam o relacionamento. Em muitos casos, essa relação é crucial para o curso de depressão. Um bom relacionamento com o seu parceiro é essencial para uma pessoa deprimida, porque quando o nosso humor está ruim, precisamos de mais apoio, amor e compreensão do que nunca, embora nem sempre percebam isso.

Pessoas com depressão tendem a se retirar em si mesmos. Além disso, se sentem impotentes para realizar o seu trabalho ou tarefas diárias e não querem interagir com as pessoas. O casal pode começar a pensar que é chato ou não está indo bem no relacionamento. Muitas vezes, a pessoa deprimida se frustra porque acha que o  seu parceiro está de mau humor, esquece a sua aparência, tem problemas com  abuso de drogas ou álcool ou come demais. Isso torna difícil passar pelo dia. A estrada é difícil para ambos.

Assim, mesmo se você está prestes a ir embora, porque a pessoa que você ama não é mais capaz de se concentrar para ouvir o que você está dizendo, ou sorrir, ou desfrutar os bons momentos da vida, tente aceitar tudo como sendo apenas uma parte da doença. Tente lembrar-se, também, que é pouco provável que a depressão do seu parceiro não tem nada a ver com você.

Sexo

A alteração de sexo ocorre em muitas doenças e depressão entre elas. 75% dos deprimidos reconhecem problemas sexuais. Pacientes com depressão apresentam uma diminuição no humor de modo que não quer falar sobre o tema sexual. Um sintoma da depressão é anedonia (incapacidade ou dificuldade em apreciar as coisas e do prazer) e isso inclui, em geral, perda de interesse sexual. De fato, alguns ficam deprimidos mas sua vida sexual continua normal, mesmo algumas pessoas acham que o sexo pode alivia-los e conforta-los.

No homem, a desaceleração geral da atividade do cérebro provoca uma sensação de cansaço e desesperança, que pode ser acompanhada pela diminuição da libido (desejo sexual) e dificuldades com a ereção. Nas mulheres, esta diminuição na atividade cerebral tende a ser acompanhada pela falta de interesse em sexo e dificuldade ou incapacidade de atingir o orgasmo. Estes problemas vão desaparecer quando a depressão melhorar. Na verdade, quando um paciente torna-se interessado em sexo como nós identificamos como um sinal de recuperação.

Influência dos antidepressivos sobre a sexualidade

Estudos mostram que as drogas mais comumente usadas como ??antidepressivos (tricíclicos e inibidores da recaptação de serotonina) causam alterações na função sexual, como diminuição da libido e dificuldade em atingir o orgasmo (atrasado ou não ocorrer) . Para resolver esses problemas, podemos fazer o seguinte:

  • Esperar por soluções para si.
  • Reduzir a dose de antidepressivo.
  • Suprimir temporariamente a medicação (um fim de semana, por exemplo).
  • Adicionar medicamentos para melhorar a situação (como Viagra).
  • Mudança de antidepressivo.

Provavelmente a melhor coisa é, desde o início do tratamento, escolher um antidepressivo que é eficaz e não prejudicial a atividade sexual (como mirtazapina).

O que podem aqueles com depressão fazer para ajudar a si mesmos e melhorar o seu relacionamento?

  • Tente dar uma caminhada todos os dias, de preferência com seu parceiro. Andar a pé não só tomar o ar, o que elevará o seu espírito, mas, como qualquer forma de exercício, libera endorfinas no cérebro. As endorfinas são substâncias químicas "felicidade" que produzem bem-estar. Um passeio é um bom momento para se comunicar.
  • Alguns dias parecem melhores do que outros. Em seu dia bom, tente fazer um esforço para mostrar seus amor e interesse para o seu parceiro.
  • Você pode ter dificuldade de concentração, mas tente assistir a um programa de entretenimento na TV, junto com seu parceiro, pelo menos meia hora por dia. Qualquer coisa que quebra a melancolia e possa proporcionar alívio para a depressão.
  • Ouça a música que você gosta.
  • Acredite que a depressão não vai acontecer de novo e aproveite a vida.

O que podem parceiros das pessoas deprimidas fazer para ajudar a si mesmos e melhorar o seu relacionamento?

  • Pare de dizer o seu parceiro que você não entende o que está acontecendo. Tente se colocar no lugar dele para entender e passar você quer ajudar e que você está lá.
  • Deixe que ela saiba que você quer  tentar identificar as coisas que levantam o seu espírito para incentivá-los.
  • Seja paciente, ouça e eleve sua auto-estima. Fale sobre isso.
  • Saiba mais sobre a depressão. Sabendo o que você sabe sobre esta doença, o seu parceiro possa entender e fazer as coisas melhor orientação.
  • Não se desespere. Alguns dias vão pensar que seu parceiro lhe dá exatamente como você quer ou não. Mas deve continuar a insistir. Seu amor e apoio constantes têm uma grande influência.
  • Encorage o seu parceiro a obter ajuda profissional e tratamento e siga as instruções dadas.
  • Lembre-se: é como se o seu parceiro estava se recuperando de uma grave doença física ou operação. Dar todo seu amor e carinho, e encorajá-lo a descansar e se recuperar. Não espere que a melhoria seja rápido.
  • Passe algum tempo do seu dia fazendo o que você gosta. Tenha em mãos uma pessoa deprimida é desgastante, por isso é importante também cuidar de si mesmo. Passe algum tempo sozinho, vá ao cabeleireiro ou assista filmes ou saia com amigos. As pessoas deprimidas tendem a querer ficar em casa sem fazer nada, mas se você fizer o mesmo, eventualmente, não ajudará. Se necessário, procurar ajuda de amigos ou associações profissionais.
  • Lembre-se que esta fase da sua vida passará, e o seu parceiro, basicamente, continua a mesma pessoa.
Encontre um especialista em Depressão na sua cidade:

  • Angela Campo

    Angela Campo

    Psiquiatra
    • Rua Dom Jaime Câmara,179, sala 1001, Centro Florianópolis , Florianópolis

      Consultório particular

    Disponível em: sex 25 jan
    Marcar uma consulta
  • Lesly Guimarães De Oliveira

    Lesly Guimarães de Oliveira

    Psicólogo
    • SGAS 910 Sul Mix Park bloco D, Brasília

      Consultório particular

      Solar de Brasília, Brasília

      Consultório particular

    Pontos positivos Tudo Pontos de melhoria Acho que não precisa. Está tudo ótimo.
    Disponível em: qui 24 jan
    Marcar uma consulta
  • Carla Regina Andrade Carvalho

    Carla Regina Andrade Carvalho

    Psicólogo
    • Rua Republica do Peru, 56, Santos

      Consultório particular

    Pontos positivos Altamentente qualificada,sempre disponível,comunicação clara ,acertiva,atualizada. Pontos de melhoria Tudo perfeito,não tem o que me...
    Disponível amanhã
    Marcar uma consulta
  • Silvia Maria Rodrigues Gomes

    Silvia Maria Rodrigues Gomes

    Psicólogo
    • SCN Qd. 01 Bloco F Sala 213 Ed. América Office Tower, Brasília

      Centro de Psiquiatria E Psicologia Van Gogh

    Pontos positivos Dra Sílvia é uma grande profissional: atenciosa, muito capacitada e sensível às demandas do paciente. Sou muito grata à diferença que...
    Disponível em: ter 22 jan
    Marcar uma consulta
  • Lívia Moreira Paulsen

    Lívia Moreira Paulsen

    Psicólogo
    • Santos Dumont 172 sala 404 ( Edifício Santa Casa Doctors), Pelotas

      Consultório particular

    Pontos positivos Logo na primeira sessão me senti confortável para me abrir, mesmo essa sendo a segunda consulta, me sinto muito melhor e mais leve.
    Disponível em: ter 22 jan
    Marcar uma consulta
  • Luiz Carlos Cantanhede Fernandes Junior

    Luiz Carlos Cantanhede Fernandes Junior

    Psiquiatra
    • Avenida Madre Leonia Milito, 1377, sala 1306, Londrina

      Consultório particular

    Pontos positivos Ótimo atendimento você se sente acolhido desde a recepção até o consultório.
    Disponível em: seg 28 jan
    Marcar uma consulta