Doença de parkinson - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é a Doença de Parkinson?

Baseado em 6 casos examinados em Londres, em 1817, James Parkinson descreveu as características clínicas de uma doença que ele chamou de paralisia agitante. Charcot, neurologista francês famoso, sugeriu um novo nome para esta alteração, a Doença de Parkinson (DP). Desde então, a descrição original caracterizada por tremor e postura comprometida e curso clínico permanece inalterado, mas atualmente incluem rigidez  e bradicinesia (lentidão dos movimentos),  paralisia como critérios diagnósticos.

A doença de Parkinson ocorre como resultado da perda progressiva de células produtoras de dopamina em uma parte do cérebro chamada substância negra e tem um papel importante no controle de movimento. A falta desta substância mata as células, levando a uma desordem progressiva do movimento e equilíbrio, e acaba afetando gravemente as atividades da vida diária.

Quem sofre da doença de Parkinson?

PD afeta 1 a 2 pessoas por 100.000 da população. O principal fator de risco para esta doença é a idade. Poucos pacientes desenvolvem a doença de Parkinson antes dos 20 anos, ainda muito rara em crianças menores de 40 anos, com apenas uma incidência de 5%, na Europa. O risco aumenta com a idade, para que, aos 80 anos, 2 pessoas em 100 têm qualquer um dos sinais da doença. A incidência de sexo é aproximadamente igual, e a prevalência (total casos cumulativos na população) do EP é similar em todo o mundo e em todas as raças. Alguns autores sugerem uma menor incidência na população da China e da África e maior no étnica indiana, Africano e do Caribe, mas por ser um curso de doença insidiosa é difícil obter dados precisos. Além disso, nos estágios iniciais da doença podem ser confundidos com certos distúrbios neuropsiquiátricos e problemas comuns. Existem também fatores genéticos, mas pode-se dizer que o PE é hereditária em apenas uma minoria dos pacientes. Essas pessoas geralmente desenvolvem a doença antes dos 50 anos e já e outros membros da família doentes, geralmente.

Outros fatores de risco foram sugeridos são também o seguinte:

  • Exposição a pesticidas e herbicidas
  • Ambientes rurais
  • Traumatismo craniano anterior
  • Alterações no sentido do olfato
  • Personalidade obsessiva
  • Trauma emocional severo.
  • Estresse

No entanto, evidências que sustentam a associação desses fatores com o PE é muito baixa para mantê-los em mente.

Quais são os sintomas da DP?

Os principais sintomas da DP são:

  • Tremor, especialmente em repouso, com gestos típicos como passar moedas.
  • Rigidez dos membros.
  • Falta de iniciativa na hora de falar, gesticular ou andar, e lentidão dos movimentos (bradicinesia).
  • Instabilidade da marcha (inclinada para frente, dificuldade na mudança de posições e lapsos ocasionais).

Outros sintomas incluem  diminuição da destreza manual, escrita com dificuldades, distúrbios do sono, enurese, depressão, ansiedade, vazamento de saliva. São freqüentes constipação, pele seca e dificuldade em mudar de posição na cama, e virando esquinas, andando.

Os sintomas são de apresentação, muito lenta e insidiosa é claro, e muitas vezes passam despercebidas à primeira vista. Inicialmente, os dois primeiros anos, afetando um dos lados do corpo, e, eventualmente, o progresso envolvendo o outro lado. O sintoma inicial é o tremor e é a principal causa de visitas ao médico, embora 30% dos pacientes não apresentam-lo. Nestes casos é mais difícil para chegar ao diagnóstico.

Como o médico faz o diagnóstico de PE?

Para fazer o diagnóstico é suficiente observar os sintomas típicos e realizar um exame físico e neurológico completo. Sinais clínicos, tais como a rigidez dos dedos da mão ou ombro, ou perda de movimento de balanço dos braços ao caminhar pode ser uma forma sutil de início da doença.

Ao contrário de outras doenças, não há nenhum exame de imagem para fazer um diagnóstico definitivo. No entanto, exames como SPECT ou PET (Positron Emission Tomography) pode ser usado em alguns casos, para apoiar o diagnóstico. Estes procedimentos podem detectar uma deficiência de dopamina no cérebro, mas são sofisticados e não utilizados rotineiramente.

Existem doenças EP-como outros?

Sim, existem. Algumas doenças, como atrofia de múltiplos sistemas, degeneração corticobasal, o parkinsonismo pseudo-vascular e paralisia supranuclear progressiva pode ser semelhante à EP. A existência de outros sintomas e sinais diferenciar essas doenças.

Parkinsonismo também pode ocorrer ( sinais e sintomas semelhantes aos do PE) como resultado de tratamentos de determinado medicamento (por efeito colateral da medicação) e sedativos principais, anti-psicóticos e alguns medicamentos para vertigem e náuseas. Felizmente, estes sintomas são geralmente reversíveis com a descontinuação da medicação.

Qual é o tratamento da DP?

Droga

Não existe tratamento padrão, mas que atende às necessidades e resposta de cada paciente. Você pode usar qualquer combinação para alcançar o melhor resultado possível.

Os sintomas podem ser controlados de forma eficaz por vários anos com tratamento médico e cirúrgico, embora o EP, infelizmente, não pode ser curado. A droga mais importante para o tratamento do mal de Parkinson é a levodopa, substância precursora da dopamina, que substitui essa perda pela degeneração das células nigroestriatal. A conversão de levodopa em dopamina é produzida no cérebro e mediação periférica de uma enzima chamada dopa-decarboxilase.

A resposta em pacientes com EP típico é quase imediata. Os benefícios do tratamento geralmente pode ser observada já após a primeira dose.

Os efeitos colaterais são a curto prazo, náuseas, alucinações, sonolência e cefaléia do tipo tensional leve, embora não freqüente. A longo prazo (5 a 10 anos de administração de drogas) podem aparecer a continuidade de movimentos anormais, sem controle por parte do paciente, chamada de discinesias. Eles são produzidos por Levodopa e muitas vezes o paciente nem sequer percebida. Inicialmente flutua, mas com o avanço da doença tornar-se permanente e difícil de classificar.

Eles estão associados a uma variedade de sintomas não motores, tais como dor, distúrbios do humor, de comportamento e alterações cognitivas. Com maior perda de peso e produção de deterioração da qualidade de vida. Diminuição da dose de medicamentos dopaminérgicos reduzir a discinesia, mas aumenta o quadro clínico da PD. Estes movimentos são causados ??pelo curso progressivo da doença e levodopa. Discinesias são entre 50% e 75% dos pacientes tratados com levodopa após 5 a 10 anos.

No entanto, levodopa não é a única droga que temos para o tratamento da DP. Existem outros, tais como:

Agonistas da dopamina:

são substâncias que executar uma ação similar de neurônios de dopamina, agindo nos mesmos receptores sendo estimulada.

Teoricamente, existem algumas vantagens dos agonistas da dopamina em comparação com levodopa. A especificidade meia-vida maior e maior sobre os destinatários dessas substâncias parece produzir um efeito mais sustentada e seletiva em função de motor, com menos efeitos colaterais que o uso de levodopa e menos provável, portanto, para desenvolver discinesias.

Existem vários medicamentos agonistas disponíveis. O agonista da dopamina disponível pela primeira vez há vários anos é a bromocriptina. Outros são lisuride aparição mais recente, pergolida, cabergolina, ropinirol, pramipexol e apomorfina. Em todos os efeitos colaterais são descritos como náuseas, alucinações e hipotensão postural. Portanto, é aconselhável associar pelo menos durante as primeiras 2 semanas de tratamento, outros medicamentos para prevenir náuseas e tonturas.

Escolha de iniciar o tratamento com agonistas da levodopa ou dopamina pode ser um dilema especial para muitos médicos. Nós tendemos a recomendar o uso de agonistas da dopamina ou de certos medicamentos como a selegilina ou amantadina antes da administração de levodopa nas fases iniciais da DP. A verdade é que pacientes jovens deve ser considerado como uma estratégia dos agonistas da dopamina em primeiro lugar, e mais velhos levodopa adultos, evitando, no segundo, os efeitos colaterais dos agonistas da dopamina, tais como náuseas, alucinações ou hipotensão postural.

Inibidores da COMT:

catecol-O-metil-transferase (COMT) é uma enzima que degrada tanto dopamina como levodopa em dois compostos inativos. Inibidores da COMT prolongar o efeito benéfico da levodopa, impedindo a enzima COMT destruí-lo. Inibidores da COMT, aumentando assim a meia-vida plasmática da levodopa, aumentando a concentração de levodopa e dopamina no cérebro. Há dois inibidores da COMT, tolcapone e entacapone. Tolcapone foi retirado em muitos países, por produzir alguns casos de toxicidade hepática grave. Não tenha sido informado deste efeito com entacapone. Os efeitos colaterais mais comuns são urina vermelha, hipotensão, sedação, cefaléia e discinesia.

Outras drogas

Selegilina:

(Mg Dose 10/05 ou 1,25 mg) de selegilina tem uma ação similar à dos inibidores da COMT acima, mas não, mas na MAO-B, uma outra enzima inativa distintas dopamina também .. Os efeitos colaterais incluem alucinações, distúrbios do sono, agitação, hipotensão postural e problemas após a interrupção da administração.

Amantadina:

(Doses de 100 - 400mg por dia) Amantadina é um agente antiviral com ação antiparkinsonianos. O mecanismo de ação é (1) aumenta a síntese de dopamina, (2) uma ação estimulante semelhante à anfetamina e (3) bloqueando a recaptação de dopamina e noradrenalina (tornando-as passar mais tempo exercer os seus ação sobre o neurônio). Sua ação é antiparkinsonianos leve e é usado em pacientes jovens a adiar a hora de início do tratamento com levodopa. A influência de longo prazo a deterioração ocorrendo em pacientes quando parado. Em altas doses, a amantadina produz alucinações visuais, confusão e agitação.

Anticolinérgicos:

são mais comumente usados ??anticolinérgicos benzhexol, prociclidina, benztropina, orfenadrina e biperideno. Anticolinérgicos são úteis como um tratamento ajuda de levodopa, sua principal ação é para diminuir o tremor e distonia. Recomenda-se precaução em pacientes idosos para induzir estados de confusão e agravar a demência. Os efeitos colaterais anticolinérgicos são a retenção urinária, constipação, visão turva (para acionar um ângulo agudo glaucoma), boca seca e mucosa oral, problemas de memória e confusão.

Tratamento não farmacológico

Tratamentos não farmacológicos também são necessários na gestão do PD. Eles se concentram em oferecer todo o apoio possível aos pacientes, em muitos aspectos de seus sintomas da doença e interferência que produz o mesmo em seus relacionamentos sociais e familiares.

Como e quando iniciar o tratamento?

Tratamento da DP é um desafio para dar ao paciente e sua família a melhor qualidade de vida possível. A decisão da medicação é específica para cada caso e depende de:

  • Idade
  • Prejuízo funcional (tais como a deficiência afeta a vida cotidiana)
  • Envolvimento lado dominante (por exemplo, perturbações do braço direito em uma pessoa destra)
  • Situação Social
  • Problemas neurológicos associados (memória, por exemplo)
  • Desejo do paciente a experimentar com agentes neuroprotetores provável, mas não comprovada (drogas que, teoricamente, poderiam retardar o curso da evolução do PE).

Um jovem, lado direito, com tremor e bradicinesia do braço direito podem necessitar de tratamento precoce e eficaz com a levodopa, pois depende de uma rápida recuperação para manter a capacidade de trabalho adequado. Outro paciente adulto, jovem ou de meia leve com rigidez e bradicinesia mínima pode preferir um agonista da dopamina ou neuroprotetor. A tendência para não realizar o tratamento até que haja comprometimento significativo da função motora não é recomendado. Estudos retrospectivos mostraram nenhuma vantagem deste tratamento não, em comparação com a monoterapia com levodopa. Mesmo pode haver algumas complicações motoras com a levodopa para mudanças adaptativas na sensibilidade dos receptores pós-sinápticos, devido à falta de estimulação dopaminérgica. A fim de evitar as complicações da terapia com levodopa cedo, tentei usar novos padrões de tratamento por selegilina, amantadina, agonistas dopaminérgicos, levodopa apresentações de liberação lenta e sustentada, e anticolinérgicos.

Tratamento Cirúrgico

Quando todos os tratamentos falharam e a DP é muito avançada pode ser pensado de cirurgia. Existem várias técnicas, tais como palidotomia, estimulação profunda do núcleo subtalâmico ou núcleo palidum, etc. O objectivo destas intervenções é geralmente tentar controlar os sintomas da intensidade da doença. Transplantes também foram feitos de dopamina, utilizando células fetais humanas contendo dopamina no estriado de pacientes com DP, procurando retardar a progressão dos sintomas e melhora parcial de muitos deles.

TeraPI genética

Terapia genética na DP é baseada na perspectiva da produção de proteínas no cérebro que poderia restaurar a capacidade de síntese biológica de dopamina na DP. Isso pode ser feito através do transplante de células geneticamente modificados (linhagens de células imortalizadas) ou a liberação de genes de vírus por alguns preparados especialmente para esta finalidade.

Fatores neurotróficos

A engenharia genética pode produzir moléculas que estimulam o crescimento das células nervosas e desenvolvimento de redes neurais no estriado e substantia nigra. O fator neurotrófico glial-derivado (GDNF, desenvolvido pela Amgen) pode ser útil na DP. GDNF pode restaurar a atividade funcional de neurônios dopaminérgicos feridos.

O que pode o paciente fazer?

Educação

O diagnóstico de PE é um evento chave na vida do paciente. O paciente deve ser informado da doença. É muito importante ter a confiança de um bom especialista, um neurologista.

Nutrição

A dieta deve ser rica em fibras para reduzir a constipação, freqüentes na DP. Isso ocorre tanto pela doença e pelas drogas. Evitar grandes refeições, especialmente aqueles ricos em proteínas, especialmente se a medicação deve ser tomada depois. Idealmente deve esperar cerca de 60 minutos entre tomar o medicamento e alimento.

Exercício

Para manter uma mobilidade aceitável deve fazer exercícios de forma leve a moderada. Quando a doença é tratamentos de fisioterapia avançada são benéficos, especialmente como um guia para os exercícios para fazer. Para muitos, ele é útil para nadar, caminhar e dançar, especialmente se feita regularmente.

Que problemas posso esperar para o paciente com Parkinson?

É impossível prever o que pode desenvolver problemas de um paciente com DP. Pode afetar qualquer aspecto de sua vida cotidiana, por isso é importante para obter informação adequada sobre sua própria doença. Em algum momento, vai ver uma diminuição na ação da droga, isso pode acontecer muito variável, em breve, para os primeiros 2 anos ou mais tarde, cerca de 8 a 10 anos de tratamento. Atualmente, com tratamentos medicamentosos e não-farmacológicas de apoio, a maioria dos pacientes pode ter uma qualidade de vida aceitável. Deve haver uma estreita colaboração entre o paciente, médico de família, enfermeiro especialista, e o hospital, a fim de ter sucesso e ser um tratamento bem sucedido.

Especialistas em doença de parkinson

Encontre um especialista em Doença De Parkinson na sua cidade:
Gustavo Veloso Lages

Gustavo Veloso Lages

Especialista em dor, Neurocirurgião

Montes Claros

Nadja Tiellet

Nadja Tiellet

Neurologista

Blumenau

Rodrigo Modena Bassi

Rodrigo Modena Bassi

Médico clínico geral, Geriatra, Homeopata

Sorocaba

Paulo Diniz da Gama

Paulo Diniz da Gama

Neurofisiologista, Neurologista

Sorocaba

Samir Wali Nunes Souki

Samir Wali Nunes Souki

Neurologista

Brasília

Perguntas sobre Doença de parkinson

Nossos especialistas responderam a 109 perguntas sobre Doença de parkinson

Boa tarde, a ingesta de cerveja não é contraindicada para os
portadores da doença de Parkinson . A cerveja não faz parte de tratamento de nenhuma doença neurológica.
Se ingerir cerveja,…
1 respostas

Sandra, quando um familiar adoece, esse processo compromete todo núcleo da família, principalmente em sua situação, por ser a esposa e ter um vínculo muito forte com ele.
Me parece que…
6 respostas

Dr. Diego de Castro dos Santos
Dr. Diego de Castro dos Santos
Neurofisiologista, Neurologista
São Paulo
Olá! Alterações da fala são comuns na Doença de Parkinson e podem estar presentes em até 80% dos pacientes. Os pacientes podem apresentar uma fala dificil de entender, com dificuldade de articular…
1 respostas

Especialistas falam sobre Doença De Parkinson

O tremor do Parkinson geralmente inicia nos membros superiores, de uma lado só, pela mão. Este tremor costuma ser mais evidente quando a pessoa repousa a mão no colo ou deixa o braço parado (tremor de repouso). É um tremor bem característico pois dá a impressão de que a pessoa está "contando dinheiro ". Porém nem todos tremem. Dificuldade para levantar-se de uma cadeira, lentidão ao se mover, andar como se estivesse com o braço "preso", esquecimento, quedas frequentes, dificuldade para dormir, intestino preso, são outros sintomas dessa doença que , apesar de incurável, tem tratamento que alivia os sintomas e melhora muito a qualidade de vida.

Denise Leal

Neurologista

Florianópolis


Hoje o assunto é NEUROTOXIDADE. Poucos sabem que a exposição continuada a agrotóxicos tem efeitos nocivos ao sistema nervoso. Mas já existem evidências de que os agrotóxicos geram alterações bioquímicas no cérebro que estão relacionas à causa da doença de Parkinson. O maneb, a rotenona, os inseticidas organoclorados e o herbicida paraquat são capazes de alterar o funcionamento celular, enzimático e dos neurotransmissores dopaminérgicos. Para pessoas com predisposição genética à doenças neurodegenerativas, os agrotóxicos sozinhos ou combinados com outras toxinas podem ser considerados fatores de risco. No caso do Mal de Parkinson, estudos revelam um aumento do risco entre 1,5 e 7 vezes!

Ana Luiza S. Goes

Especialista em medicina física e reabilitação, Neurologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

A doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa com evolução lenta, caracterizada principalmente pela lentidão dos movimentos e tremores. Requer tratamento e acompanhamento por longo prazo, associada a algumas mudanças na rotina diária do paciente.

Nina Rosa Aparecida Felisardo Murta

Neurologista

Belo Horizonte


Você sabia que nem todo paciente com Doença de Parkinson tem tremor? E que nem todo tremor é Doença de Parkinson? Apesar de muito comum, a Doença de Parkinson é de difícil diagnóstico, pois demanda um diagnóstico clínico muito cuidadoso, pois é baseado na anamnese e exame neurológico minuciosos. Existem diversas outras condições que podem causas sintomas e sinais muito semelhantes a Doença de Parkinson.

Doença de parkinson é uma patologia neurológica progressiva, que acomete estruturas específicas no cérebro, chamadas de gânglios da base. É responsável pelo surgimento de vários sintomas, tais como, tremor em repouso, lentificação motora, diminuição dos movimentos, rigidez do corpo e alterações na marcha, dentre outros. Ocorre, em geral, entre os 40 a 70 anos de idade. O tratamento é sintomático, ou seja, atua amenizando os sintomas e melhorando a qualidade de vida. Deve haver o acompanhamento médico regular, para o melhor controle da doença.

A doença de Parkinson necessita de um tratamento personalizado aos sintomas e ao quadro clinico do paciente. O remédio adequado aquele paciente, torna sua qualidade de vida melhor. Novos tratamentos medicamentosos estão aparecendo a cada ano, com excelente perspectiva para o futuro do tratamento desta patologia.

Carlos Frederico Lima

Neurofisiologista, Neurologista

Recife

Agendar uma visita

Parkinson é um doença neurológica, progressiva, sem etiologia definida. Com o decorrer do tempo traz limitação física importante com rigidez e lentidão dos movimentos, com tremores de um lado do corpo prejudicando as atividades da vida diária. A Doença de Parkinson quando diagnosticada cedo, com medicação adequada, orientação quanto a atividade física evolui com mais qualidade de vida e com menos restrição as atividades de vida diária. Há necessidade do acompanhamento médico (neurologista, geriatra) regular para diminuir as complicações advindas da doença e proporcionar melhor qualidade de vida.

Espedito Rocha De Carvalho Junior

Especialista em dor, Geriatra

Niterói

Agendar uma visita

Com o envelhecimento da nossa população, as doenças neurodegenerativas estão aumentando em sua frequência. A doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais frequente no mundo. Elaboramos aqui perguntas frequentes feitas por pacientes e familiares com o diagnóstico de doença de Parkinson. 1. O que é doença de Parkinson ? A doença de Parkinson é uma doença crônica degenerativa progressiva que envolve a morte de neurônios.Os principais neurônios envolvidos nesse processo são os produtores de dopamina. A dopamina é importante para o controle dos movimentos e da coordenação. A doença então acaba por afetar os movimentos e equilíbrio do corpo devido a falta de dopamina.

A Doença de Parkinson é uma condição comum que afeta a capacidade do cérebro de controlar os movimentos. Tem evolução lentamente progressiva, apresentando sintomas como a bradicinesia (lentidão nos movimentos), o tremor de repouso, a rigidez muscular e a instabilidade postural, além de alterações cognitivas, do humor, do olfato e do sono. O diagnóstico é feito com base na história clínica, no exame físico, na boa resposta ao tratamento medicamentoso (levodopa ou agonistas dopaminérgicos) e na exclusão de outros diagnósticos. Embora não haja cura, o tratamento medicamentoso, multidisciplinar e as vezes cirúrgico traz grande alívio nos sintomas e melhoria na qualidade de vida dos pacientes.

A Doença de Parkinson é lembrada principalmente pelo tremor, mas ela é muito mais que o tremor e digo mais! 40% dos pacientes que tem Parkinson não tremem e podem nunca tremer. Para se ter o diagnóstico precisa-se obrigatoriamente a Bradicinesia (lentidão) mais pelo menos 1 dos 3 rigidez (braços e pernas duras) , tremor de repouso (em oposição ao tremor de ação) ou instabilidade postural (a tendencia para cair, principalmente para trás). Também tem características muito típicas de Parkinson como a facies em mascara (pouca expressão facial que lembra cara de bravo), micrografia (letra pequena), anosmia (perda do olfato), muita movimentação a noite, intestino preso e depressão.

Oferece tratamento individualizado para pacientes com diagnóstico de Doença de Parkinson, incluindo prescrição de novos medicamentos disponíveis no Brasil, treinamento multidisciplinar especializado (equipe de fonoaudiologia, fisioterapia e neuropsicóloga), e indicação se necessário da cirurgia de implante do Estimulador Cerebral Profundo (DBS), tendo também especialização em ajuste do aparelho em pós operatório.

Com o passar do anos, o tratamento medicamentoso para Doença de Parkinson pode ficar cada vez mais complicado e difícil, principalmente no manejo de complicações que podem estar relacionadas ao próprio uso de remédios para a doença. Pode ser que seja a hora de uma consulta com especialista para avaliação e possibilidade de tratamento cirúrgico da Doença de Parkinson. A cirurgia para Doença de Parkinson é feita com a colocação de eletrodos cerebrais e um gerador no tórax, como um marcapasso cardíaco, que gera estímulos cerebrais auxiliando no controle dos sintomas, com ênfase no tremor, na rigidez e lenificação dos movimentos.

Pablo Nascimento

Especialista em dor, Neurocirurgião

Campinas

Agendar uma visita

Doença de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, crônica e progressiva. É causada por uma diminuição intensa da produção de dopamina, que é um neurotransmissor (substância química que ajuda na transmissão de mensagens entre as células nervosas). O quadro clínico basicamente é composto de quatro sinais principais: tremores; acinesia ou bradicinesia (lentidão e diminuição dos movimentos voluntários); rigidez (enrijecimento dos músculos, principalmente no nível das articulações); instabilidade postural (dificuldades relacionadas ao equilíbrio, com quedas freqüentes).

Gilmar De Oliveira Dornelas Junior

Neurologista

Campo Grande


A doença de Parkinson é uma condição degenerativa, que combina tremores, rigidez, bradicinesia e desequilibrio. O tratamento é feito com medicações e cirurgia. A cirurgia para tratamento da doença de parkinson é um tratamento bem estabelecido que melhor muito a qualidade de vida destes pacientes.

Thiago Rodrigues

Especialista em dor, Neurocirurgião

São Paulo

Agendar uma visita

A Doença de Parkinson foi descrita por James Parkinson em 1817 sob o nome de Paralisia Agitante. É principal causa de Parkinsonismo, isto é, tremor de repouso, lentidão de movimentos, rigidez e, em fases mais avançadas, instabilidade postural. Geralmente inicia-se como tremor unilateral ema uma das mãos, do tipo contar moedas. Trata-se de doença neurodegenerativa complexa que afeta também, a cognição, o humor, o sono e o sistema nervoso autônomo comprometendo significativamente a qualidade de vida e funcionalidade do paciente. O diagnóstico é clínico e não depende de exames complementares. O tratamento proporciona melhora sintomática mas não retarda a progressão da doença.

Rodrigo Vasconcellos Vilela

Neurologista

Belo Horizonte


Nos casos de dificuldades motoras, associadas com rigidez, alterações de fala, tremores e distúrbios de movimentos, são aplicados testes para avaliação de Parkinsonismo e em caso de diagnósticos positivos, os tratamentos são embasados em conhecimentos científicos atualizados, com emprego de terapêuticas auxiliares, como fisioterápicas e uso de medicações, além da análise de casos que possam se beneficiar de tratamento cirurgico.

Muitas vezes negligenciada, a doença de Parkinson pode demorar anos para ser diagnosticada porque nem sempre os sintomas são tão aparentes. Nem todo tremor é doença de Parkinson e nem todo "Parkinson" treme.

Rafael De Souza Andrade

Neurologista

João Pessoa


A Doença de Parkinson é uma das doenças que acometem o sistema nervoso mais comuns. Apresenta caráter progressivo, com vários sintomas incapacitante dependendo da fase da doença. Além dos sintomas motores clássicos (tremor de repouso, rigidez, lentidão dos movimentos, desequilíbrio), o paciente pode apresentar sintomas como insônia, prisão de ventre, sudoestes, alterações da pressão arterial, depressão/ansiedade até quadro demencial. Felizmente, esses sintomas podem ser tratados com medicamentos específicos com melhora significativa da qualidade de vida dos pacientes e seus cuidadores. A orientação de um Neurologista capacitado faz toda a diferença no resultado do tratamento.

Luis Felipe Berchielli

Neurologista

São Paulo


A fisioterapia tem o objetivo geral de melhorar e manter a funcionalidade e independência dos pacientes por maior tempo possível, assim como diminuir os riscos de complicações secundárias. As principais metas para o tratamento fisioterapêutico no paciente com doença de Parkinson incluem a melhora das transferências, da postura, do alcance e preensão, do equilíbrio corporal, da marcha e da capacidade física, e redução do risco de quedas. Sendo assim, o programa de fisioterapia deve incluir exercícios de transferência postural, marcha, equilíbrio corporal, mobilidade articular, força muscular, em diferentes contextos ambientais com utilização de pistas sensoriais e estratégias cognitivas.

Flávia Doná

Fisioterapeuta

São Paulo


A doença de Parkinson é devido a perda de neurônios em região próxima ao cérebro mas que pode se disseminar para áreas cerebrais. Tem a característica de ser progressiva com diversos sintomas. Os mais frequentes são dificuldade para deambular, tremores, quedas etc. Apresenta boa resposta com tratamento em fases iniciais e há cada vez mais alternativas para o tratamento. Sempre deve ser diferenciada de outras doenças que apresentam sintomas semelhantes e, às vezes, tratamentos distintos.

Lucas Rampazzo Diniz

Médico clínico geral, Geriatra

Recife

Agendar uma visita

A Doença de Parkinson é doença progressiva que ocorre por perda de neurônios responsáveis pela produção de dopamina, uma substância produzida no cérebro que, em última instância, permite o movimento do músculo. A falta dessa substância provoca sintomas como tremor de repouso, rigidez, lentidão de movimento,  conhecida como bradicinesia e dificuldade para andar com tendência a quedas. O paciente com doença de Parkinson também pode apresentar alterações do sono, com despertares noturnos e pesadelos que comprometem a qualidade de vida desses pacientes assim como alteração do funcionamento do intestino, sintomas de depressão e, ao longo do tempo, esquecimentos e até mesmo demência.

Gustavo Franklin

Neurologista

Curitiba


Dia 11 de Abril comemora-se o dia mundial da Doença de Parkinson. Esta doença é mais comum em pessoas acima de 65 anos e pode ocorrer em jovens. É considerada uma doença neurodegenerativa e tem como sinais e sintomas mais comuns: tremor, rigidez, redução da velocidade dos movimentos e alteração da marcha/equilíbrio. Além disso, está associada a distúrbios do sono, depressão, alteração do olfato, dificuldade de deglutir, disfunção urinária e sexual, além de constipação intestinal. O tratamento inclui medicamentos para o controle dos sintomas motores e não motores, atividade física regular/fisioterapia e alimentação adequada.

Constituída por quatro sintomas bases (bradicinesia, tremor de repouso, alteração de reflexos posturais/marcha e rigidez) a Doença de Parkinson é conhecida popularmente pelo tremor, porém ele não está sempre presente. O sintoma principal e obrigatório para diagnóstico é a Bradicinesia, ou seja, lentificação na realização de movimentos. O médico neurologista é o especialista no diagnóstico e tratamento da doença. Ainda não existe cura, porém existem diversos medicamentos que ajudam no seu controle, trazendo qualidade de vida ao paciente

Quais profissionais tratam Doença de parkinson?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.