Especialistas em Retinopatia diabética

Qual é a retinopatia diabética?

A retinopatia diabética é uma complicação crônica do diabetes. Praticamente 100% dos pacientes com diabetes de longa duração, tem algum grau de retinopatia diabética. Desde a descoberta da insulina em 1921, a sobrevida de pacientes diabéticos aumentou, aumentando assim o número de pacientes que vivem, mas  também tem aumentado o número e a gravidade das complicações associadas a esta doença, incluindo retinopatia diabética. A freqüência e gravidade deste sistema em relação à duração da doença e o controle bom ou ruim dele.

Atualmente, a única medida eficaz para prevenir a ocorrência de retinopatia diabética é manter o controle adequado dos números de açúcar no sangue e cumprir rigorosamente o tratamento prescrito pelo seu médico. A retinopatia diabética é atualmente uma das principais causas de perda visual e cegueira nos países desenvolvidos.

Qual é a causa da retinopatia diabética?

Como mencionado, os dois principais fatores que predispõem ao desenvolvimento da retinopatia diabética são a duração do diabetes e mau controle do mesmo. O aumento nos níveis de açúcar no sangue por muitos anos sem controle adequado é prejudicial aos vasos sanguíneos da retina, alterando as suas paredes e levando-os a mostrar na retina os restos de gordura e sangue. Esta alteração dos vasos da retina começa nos menores vasos e, progressivamente, afeta os maiores, até mesmo causando obstrução, e os que não são afetados recebem oxigênio suficiente para a retina. Isso faz com que a retina forme novos vasos ainda mais alterados (neovascularização), muito mais frágeis, eles vão ser a fonte de uma série de complicações que vamos ver. Um bom controle do diabetes, ou seja, um bom controle de açúcar no sangue, ajuda a reduzir as chances de chegar a ter retinopatia.

Quais são os diferentes tipos de retinopatia diabética?

Dependendo das alterações que ocorrem no fundo, retinopatia diabética pode ser dividida em dois tipos:

Retinopatia diabética proliferativa

É um envolvimento mais suave do fundo, geralmente pacientes que tem menos anos de diabetes, ou em que a diabete é mais ou menos bem controlada. As mudanças que ocorrem são sangramento, principalmente pequenos e vazamento de gordura dos vasos sanguíneos. Dependendo da gravidade dessas alterações, a retinopatia diabética proliferativa pode ser classificada como leve, moderada, grave ou muito grave.

Retinopatia proliferativa

Retinopatia diabética proliferativa é um estágio mais avançado de envolvimento da retina. Neovasos parecem que são a fonte principal das complicações mais graves da retinopatia diabética. Como mencionado, esses vasos são mais frágeis do que o normal, e podem romper e causar sangramento dentro do olho que é chamado hemovitreous. Além disso,  novos problemas podem aparecer em outras localidades dentro do olho além daqueles na retina e podem causar elevações significativas da pressão intra-ocular, glaucoma é que ele é difícil de tratar. A proliferação de novos vasos podem puxar a retina, causando até mesmo um descolamento da mesma.

Em qualquer um destes dois tipos de retinopatia, podem ser afetadas na região central da retina, uma área chamada mácula, que é responsável pela visão central, ou seja,  maior nitidez, o que pode discriminar pequenos detalhes, muda de cor, etc. O envolvimento desta área é chamado maculopatia, e quando aparece, a visão do paciente pode ser afetada de forma significativa.

Como é a retinopatia diabética é diagnosticada?

Como a visão não é geralmente afetada na retinopatia diabética, até um estágio avançado, é importante que todos os diabéticos sejam revistos em uma visão regular. O diagnóstico de retinopatia é feito pelo exame do fundo. Este teste deve ser realizado de tempos em tempos, pois a detecção precoce de qualquer problema pode ser tratado de uma fase anterior, se necessário.

Quantas vezes deve ser revisto?

Todos os diabéticos devem ser revistos uma vez por ano. Essa revisão pode ser feita pelo médico que é responsável pelo tratamento de diabetes, ou médico de família. Se houver qualquer sinal de retinopatia, o paciente será enviado para um departamento de oftalmologia, onde irá acompanhar com mais freqüência se necessário. A freqüência dessa monitorização depende de quão avançada é a retinopatia.

Como é tratada a retinopatia diabética?

O melhor tratamento para a retinopatia diabética é a prevenção. Esta não é uma doença que pode ser totalmente evitada, mas é claro que um bom controle do diabetes, a longo prazo ajuda a reduzir o grau de retinopatia. Também é muito importante não fumar e controlar a pressão arterial e colesterol regularmente.

A retinopatia proliferativa

Não requer tratamento, mas é essencial fazer revisões nos olhos de vez em quando.

Retinopatia proliferativa

Quando há novos vasos sanguíneos, é indicado o tratamento a laser. O laser não aborda diretamente os vasos sanguíneos, mas aplica-se espalhado por toda a retina (fotocoagulação) para destruir a mesma área que fica a menos de oxigênio e está causando aparecimento de novos vasos.

Cirurgia

Em casos raros é necessário operar o olho. Por exemplo, se houve hemorragia vítrea (vasos sanguíneos anormais têm sangramento dentro do olho). Pode também ser necessário se a retinopatia é bem avançada, se houve um descolamento de retina, ou tratamento a laser não foi eficaz. Este tipo de cirurgia é chamada vitrectomia, e consiste em remover a substância gelatinosa encontrada no fundo do olho para remover ao mesmo tempo, o tecido fibroso ou sangue na área. O tratamento a laser pode ser aplicado enquanto a operação é feita.

Como é o tratamento a laser?

O laser é um tipo especial de luz que pode ser aplicado no fundo, para produzir pequenas queimaduras que destroem pequenas áreas da retina.

O tratamento a laser é realizado em nível ambulatorial. Geralmente é realizada sob anestesia, na forma de gotas, mas às vezes é necessário injetar anestésico ao redor do olho. Você deve usar uma lente que atribui ao olho anterior para ver melhor o olho do paciente. O tratamento a laser é geralmente indolor.

Há efeitos colaterais no tratamento a laser ?

Geralmente não há efeitos colaterais, mas às vezes é necessário aplicar o laser para remover muitos vasos sanguíneos, e a visão periférica (lateral) pode ser afetada. Às vezes isso pode causar problemas de visão noturna ou dirigir problemas, embora isso seja raro. Após o tratamento a laser, a visão pode ser reduzida ligeiramente. Esta perda visual é geralmente reversível, embora haja momentos em que manteve-se ao longo do tempo. O objetivo do tratamento é estabilizar a visão que você tem e evitar complicações no curto, médio ou longo prazo que poderia significar uma maior perda de visão.

Previsões a longo prazo

Se a retinopatia diabética foi diagnosticada, enquanto não é muito avançada, bom controle glicêmico impede um maior desenvolvimento.

Controle da retinopatia diabética

Manter seus níveis de glicose o mais próximo possível do normal. Um hospital especializado em diabetes ou centro de saúde, e um oftalmologista é o profissional para fazer revisões pelo menos anualmente, a fim de controlar o desenvolvimento da retinopatia e tratar as complicações o mais cedo possível.

Encontre um especialista em Retinopatia diabética na sua cidade:

  • Caroline Campos Martins Pires

    Caroline Campos Martins Pires

    Oftalmologista
    • Rua Piauí, 2007. Bairro Funcionários., Belo Horizonte

      CMH Medicina Hospitalar

      Av. Bernardo Monteiro, 1299. Bairro Funcionários, Belo Horizonte

      Neo Núcleo de Excelência em Oftalmologia

    Levei minha mãe para consultar com a Dra. Caroline e ficamos encantadas em como ela é atenciosa e excelente profissional.
    Disponível em: sex 28 fev
    Marcar uma consulta
  • Jovanni Gomes Alves

    Jovanni Gomes Alves

    Oftalmologista
    • Av. Santos Dumont, 5753 (Torre Saúde), Fortaleza

      Núcleo de Oftalmologia

      Avenida Treze de Maio, 1189 2º andar, Fortaleza

      Otomedica

    Um profissional maravilhoso, sempre muito atencioso, gosto bastante do atendimento. Super indico sempre
    Disponível em: qui 27 fev
    Marcar uma consulta
  • Jenniffer Laura Daltro Monteiro Da Silva

    Jenniffer Laura Daltro Monteiro Da Silva

    Oftalmologista, Médico de tráfego
    • Rua São Paulo, 893, sala907, Belo Horizonte

      Consultório particular

    Disponível amanhã
    Marcar uma consulta
  • Sergio Luiz Kniggendorf

    Sergio Luiz Kniggendorf

    Oftalmologista
    • Sgas, 607 - Bloco G Av. L2 Sul, Brasília

      Hob - Hospital Oftalmologico de Brasilia

    Disponível amanhã
    Marcar uma consulta
  • Rodrigo Canô Zorzeto

    Rodrigo Canô Zorzeto

    Oftalmologista
    • Avenida Luiz Jose Sereno 000755, sala 01 (pav. superior), Jundiaí

      Centro de Doenças Oculares de Jundiaí (CEDOJ)

    Excelente profissional. Consultório limpo e agradável, estou muito satisfeito com o atendimento! Recomendo a todos.
    Disponível em: qui 27 fev
    Marcar uma consulta
  • Ligia Pindanga

    Ligia Pindanga

    Oftalmologista
    • Rua Barão do Rio Branco - 63 - 1 andar - Centro, Curitiba

      IMOC - INSTITUTO DE MEDICINA E ODONTOLOGIA DE CURITIBA

    Uma querida, super atenciosa, respondeu todas as minhas dúvidas. Amei a consulta e a próxima com certeza será com ela.
    Disponível em: qui 27 fev
    Marcar uma consulta