Transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é?

O transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva ou anancástica é um transtorno caracterizado pela exacerbada busca pelo perfeccionismo, sentimento constante de dúvida, verificações imotivadas, preocupação com pequenos detalhes, obstinação, prudência e rigidez excessiva. Esse tipo de comportamento é desenvolvido na infância e segue até a vida adulta.

Qual é a causa?

A medicina não sabe qual é o fator causador desse transtorno. Ele é atribuído a fatores ambientais e biológicos.

Quais os sintomas?

As pessoas tornam-se escravas na perseguição de metas impossíveis de serem alcançadas. Desenvolvem obsessão por limpeza, pela a arrumação de objetos e são extremamente organizadas em seus deveres profissionais. Os portadores do transtorno da personalidade obsessivo-compulsivo apresentam dificuldade para expressar sentimentos de ternura, compaixão e compreensão ao comportamento das outras pessoas. Por isso, acabam reduzindo as possibilidades de sentir prazer. Mesmo quando decidem dedicar algum tempo ao lazer, essas pessoas impõem tantas regras que não aproveitam a oportunidade de descansar.

Como fazer o diagnóstico?

Para caracterizar-se o quadro de transtorno de personalidade obsessivo-compulsiva o paciente deve apresentar, ao menos, três comportamentos entre os relatados abaixo: - sentimentos de dúvida e cautela exagerados; - preocupação com detalhes, regras listas, ordem, organização e esquemas; - perfeccionismo que interfere na conclusão de tarefas; - escrupulosidade excessiva com a produtividade, concomitante à quase exclusão do prazer; - aderência excessiva a algumas convenções sociais; - inflexibilidade, rigidez e teimosia; - insistência para que os outros se submetam aos seus conceitos de valor em relação à maneira de fazer as coisas; - evitam tomar decisões acreditando haver sempre outras prioridades; - falta de generosidade e de sentimentos de compaixão e tolerância para com os outros; - dificuldade em descartar-se de objetos usados.

Qual o tratamento?

O tratamento pode ser feito com medicamentos e psicoterapia.

Não descuide da sua saúde

Escolha a consulta online para iniciar ou continuar o seu tratamento sem sair de casa. Se precisar, você também pode marcar uma consulta no consultório.

Mostrar especialistas Como funciona?

Especialistas - transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva

Encontre um especialista na sua cidade:
Nathália Ballock

Nathália Ballock

Psicólogo

Campo Grande

Luciana Marin

Luciana Marin

Psicólogo

Goiânia

Ana Paula Alves dos Santos

Ana Paula Alves dos Santos

Psicólogo

Caruaru

Geysa de Souza

Geysa de Souza

Psicólogo

Ribeirão Preto

Jéssica Caroline Souza

Jéssica Caroline Souza

Psicólogo

São Roque

Izabeli Frota

Izabeli Frota

Psicólogo

Fortaleza

Perguntas sobre Transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva

Nossos especialistas responderam a 47 perguntas sobre Transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva

Considerando que a saúde psíquica ou mental é um conjunto que envolve uma série de fatores (biológico, psicológico, social, familiar, trabalho, estudo, diversão, sono, alimentação, atividade…
2 respostas


Dependendo da gravidade do quadro, as pessoas conseguem trabalhar normalmente. Isto vai depender do quanto os pensamentos obsessivos e/ou rituais interferirem na atividade específica que vai…
2 respostas


Algumas pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) podem se tornar agressivas em função de algum pensamento obsessivo que tenham ou quando alguém os impede de realizar um ritual compulsivo.…
3 respostas

Especialistas falam sobre Transtorno Da Personalidade Obsessivo-compulsiva

O Transtorno Obsessivo-compulsivo se caracteriza por uma perturbação constante no pensamento do individuo, que é revivido constantemente ao longo de semanas (e até anos) sobre determinado fato ou reflexão. É muitas vezes atribuído a uma fixação em um elemento que muitas vezes prejudica a pessoa no seu dia a dia, e que muitas vezes não necessariamente faça um sentido lógico de ocorrer. Por exemplo, ligar e desligar 3 vezes a luz da casa antes de sair para o trabalho, e caso esse ritual não seja completado, gera angústia. Mas claro que esse quadro não se limita a isso. Por exemplo, podendo ocorrer mais frequentemente apenas no campo das ideias fixas (pensar todos os dias em uma mesma coisa).

Leandro Winter

Psicanalista, Psicólogo

Curitiba


O Transtorno de personalidade obsessivo-compulsivo (anancástica) é um transtorno de personalidade caracterizado por um constante sentimento de dúvida, perfeccionismo, escrupulosidade, verificações, e preocupação com pormenores, obstinação, prudência e rigidez excessivas com raizes na infância e que persiste na idade adulta. O transtorno pode ser acompanhado de pensamentos ou de impulsos repetitivos e intrusivos.

Entende-se por obsessão pensamentos, ideias e imagens que invadem a pessoa insistentemente, sem que ela queira. Como um disco riscado que se põe a repetir sempre o mesmo ponto da gravação, eles ficam patinando dentro da cabeça e o único jeito para livrar-se deles por algum tempo é realizar o ritual próprio da compulsão, seguindo regras e etapas rígidas e pré-estabelecidas, que ajudam a aliviar a ansiedade. Alguns portadores dessa desordem acham que, se não agirem assim, algo terrível pode acontecer-lhes. No entanto, a ocorrência dos pensamentos obsessivos tende a agravar-se à medida que são realizados os rituais e pode transformar-se num obstáculo para a rotina diária da pessoa.

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), é um distúrbio psiquiátrico/psicológico de ansiedade. Sua principal característica é a presença de crises recorrentes de pensamentos obsessivos, intrusivos e em alguns casos comportamentos compulsivos e repetitivos. Pessoas com este transtorno sofrem com imagens e pensamentos que os invadem insistentemente e, muitas vezes, sem que consiga controlá-los ou bloqueá-los. Para essas pessoas, a única forma de controlar esses pensamentos e aliviar ansiedade que eles provocam é por meio de rituais repetitivos, que podem muitas vezes ocupar o dia inteiro e trazer consequências negativas na vida social, profissional e pessoal. Esse ritual é chamado de compulsão.

Rúbia Helena De Matos

Psicanalista, Psicólogo

São Paulo

Agendar uma visita

O transtorno obsessivo compulsivo (TOC) caracteriza-se por dois tipos de manifestações: as obsessões ou idéias obsessivas e as compulsões ou rituais compulsivos. As obsessões são idéias ou imagens que vem à mente da pessoa independente de sua vontade repetidamente. Embora a pessoa saiba que são idéias suas, sem sentido, não sabem o que fazer são perturbadoras. As compulsões são atos ou rituais que o indivíduo se vê obrigado a executar para aliviar ou evitar as obsessões.O tratamento do transtorno obsessivo compulsivo envolve a combinação de medicamentos e psicoterapia, a terapia comportamental é a mais indicada, pois o paciente é estimulado a aceitar seus pensamentos e modifica-los.

Os sintomas do TPOC são: extrema preocupação com o perfeccionismo, necessidade inflexível de ordem e um rígido controle sobre as pessoas e as circunstâncias da vida da pessoa. Pessoas com TPOC têm dificuldade para expressar seus sentimentos e têm dificuldade para formar e manter relações próximas ou íntimas com outras pessoas; trabalham muito, mas sua obsessão com o perfeccionismo pode torná-las ineficientes.

O Transtorno Obsessivo Compulsivo, conhecido como TOC, caracteriza-se pela presença de obsessões ou compulsões recorrentes, causando desconforto ou comprometimento significantes na vida pessoal, no trabalho e nas atividades habituais da pessoa portadora. O TOC está incluído nos transtornos de ansiedade e seus sintomas envolvem alterações de comportamento (evitações, repetições, rituais ou compulsões), do pensamento (pensamentos de conteúdo ruim, obsessões sobre dúvidas, preocupações excessivas, etc.), e da emoção (culpa, depressão, medo, aflição). De acordo com Kaplan (1999) e Sadock (2007) o paciente pode ter a obsessão, a compulsão ou ambas.

As obsessões são definidas como pensamentos ego-distônicos recorrentes, enquanto as compulsões são ações que devem ser feitas para alívio da ansiedade. As queixas dos pacientes situam-se em cinco categorias: 1) rituais envolvendo checagem; 2) rituais envolvendo limpeza; 3) pensamentos obsessivos não acompanhados por compulsões; 4) lentidão obsessiva e 5) rituais mistos. O transtorno obsessivo-compulsivo é frequentemente complicado por depressão e sério prejuízo no funcionamento ocupacional e social, de forma que os membros da família e os que trabalham com estes pacientes podem também sofrer repercussão da doença. Responde bem à psicanálise e à psicoterapia orientada para o insight.

Na minha prática com clientes com transtorno obsessivo-compulsivo, parto do que o cliente traz (seus sintomas e sua história de vida) para entendê-lo em seu momento presente e, a partir disso, trabalho com as três dimensões humanas: emoção, motor e pensamento por meio da fala, do trabalho corporal e criativo para que o/a cliente percebe suas necessidades, reveja e reflita sobre seus conceitos, crenças, verdades e amplie seus recursos e seu auto-suporte, tornando-se capaz de fazer escolhas diferentes, assumindo uma atitude mais autônoma e integrativa no mundo.

Ana Paula Carlucci De Cunto

Psicólogo

Brasília


É uma principais causas de encaminhamento para o consultório e parece ter uma relação com a vida cada vez mais acelerada. Temos dois eixos para compreendê-lo: um deles se direciona ao pensamento que se torna adoecido e incontrolável, o aspecto obsessivo. Nele, os pacientes tentam se proteger de um incômodo criando uma rede de pensamentos que vão se encadeando ao exaustão. O outro lado é o compulsivo e se dirige a uma ação frenética que se impõe ao sujeito sem que ele consiga parar. Ambos estão relacionados a uma forma de lidar com angústia e constituem medidas protetoras fracassadas. Saber das causas da angústia e criar novas ações de enfrentamento(e não evitação)é a proposta analítica.

Quais profissionais tratam Transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva?

Pesquisas relacionadas


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.