Bradicardia - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Bradicardia

Os especialistas falam sobre a Bradicardia

Trata-se dos batimentos cardíacos abaixo de 50 batimentos por minuto. Pode gerar sintomas ou não. Pode ser benigno como também pode ter consequências para a função cardíaca. Pode ser causada por medicamentos, ou ser fisiológica como no coração do atleta, ou ainda pode não ter uma causa conhecida. Todo paciente com bradicardia deve ser avaliado por um cardiologista.
Dra. Fernanda Brasiliense Ladeira
Dra. Fernanda Brasiliense Ladeira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista

|

Rio de Janeiro

A frequencia cardíaca descrita na literatura como normal varia de 50-100 batimentos por minuto (bpm). Frequencias abaixo de 50 bpm podem ser causados por determinadas medicações ou até mesmo ser normal em alguns perfis de pacientes, como atletas por exemplo. No entanto, algumas doenças cardíacas e não cardíacas podem ocasionar bradicardia e portanto, essa deve sempre ser investigada.
Arthur Rocha
Arthur Rocha Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista

|

Goiânia

Tem perguntas sobre Bradicardia?

Nossos especialistas responderam 23 perguntas sobre Bradicardia.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Ola! A frequência cardíaca normal varia na faixa entre 50 a 100 batimentos por minuto. Batimentos abaixo de 50 são denominados bradicardia e não necessariamente significam doença pois podem ser no ritmo normal do coração (bradicardia sinusal) sendo apenas a frequência mais baixa como em atletas, nesse caso não necessitam de tratamento, ou as vezes pelo uso de alguma medicação (como betabloqueadores). Em alguns casos podem ser arritmias (bradiarritmias), como bloqueios mais complexos que podem necessitar de marcapasso. Sempre é importante uma avaliação médica detalhada (história, exame fisico, Eletrocardiograma) e se necessário outros exames para investigação e definição do melhor tratamento.

  • 24
  • 31
  • 28
Dra. Bruna Henares Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Médica clínica geral

São Paulo

Marcar consulta

Muito provavelmente, sua pergunta é: "O que é bloqueio atrioventricular de segundo grau?". "Bloqueio atrioventricular de segundo grau" é uma arritmia (ou seja, uma anormalidade no ritmo do coração) na qual alguns impulsos elétricos (que fazem o coração bater) não são corretamente conduzidos do átrio para o ventrículo, porque são bloqueados no nó atrioventricular. Lembre-se: átrio é uma cavidade do coração; ventrículo é outra cavidade do coração; e nó atrioventricular é uma pequena parte do coração responsável por conduzir impulsos elétricos do átrio para o ventrículo. O bloqueio atrioventricular é de segundo grau quando alguns impulsos elétricos passam corretamente do átrio para o ventrículo, mas outros não; o que impede que o coração bata num ritmo normal.

  • Obrigado 2
  • 1 especialista está de acordo
  • 9
  • 10
  • 15
Dra. Silvia Leão Costa

Cardiologista

São Paulo

O propranolol é medicamento da classe dos beta-bloqueadores, que tem atuação direta na frequência dos batimentos cardíacos, repercutindo também na pressão arterial e, indiretamente, na dilatação dos vasos sanguíneos. A tolerância aos beta-bloqueadores e sua metabolização são extremamente variáveis. A bradicardia sinusal (ritmo cardíaco normal, mas batimentos abaixo de 50 por minuto) pode ser uma consequência do uso contínuo de beta-bloqueadores - entre eles, o propranolol. Dependendo de cada caso (supondo ausência de insuficiência cardíaca ou problemas pulmonares e metabólicos, por exemplo), as dores no peito mencionadas podem ser resultado de intolerância ao esforço físico, por um déficit cronotrópico (incapacidade do coração acelerar, quando solicitado) meio "forçado" pelo uso do propranolol. Cabe uma reavaliação cardiológica do seu caso, com um bom exame físico e exames complementares, principalmente HOLTER e teste ergométrico.

  • 48
  • 7
  • 21
Dr. Luciano Jannuzzi Carneiro Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Cirurgião cardiovascular

Santos

Primeiro é importante definir o que é Bradicardia. Atualmente define-se como Bradicardia a frequência cardíaca abaixo de 50 batimentos por minuto. Existem diversas causas de bradicardia, desde causas benignas até causas potencialmente fatais. Uma causa relativamente comum de bradicardia é a prática de atividade física regular. Muitos atletas apresentam frequência cardíaca abaixo de 50 bat/min e nem por isso apresentam alguma doença. Outras causa comum é o uso de medicamentos que reduzem a frequência cardíaca. É fundamental conversar com seu médico nesses casos para avaliar se não é decorrente de alguma medicação. Além disso existem as doenças do coração que podem levar a bradicardia como por exemplo: Doença do nó sinusal, Bloqueios do nó atrioventricular. Nesses casos o paciente muitas vezes apresenta sintomas como tontura, mal estar, pré-síncope ou síncope. É fundamental procurar seu cardiologista para orientação Batimento cardíaco baixo não é a mesma coisa q Insuficiencia cardíaca

  • 46
  • 31
  • 34
Alexandre de Loyola e Silva Avellar Fonseca Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Médico clínico geral

Curitiba

Marcar consulta

Ver as 23 perguntas sobre Bradicardia