Cálculos na vesícula biliar - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Cálculos na vesícula biliar

Informação sobre Cálculos na vesícula biliar

O que e onde está a vesícula biliar?

A vesícula biliar é um órgão em forma de saco localizado abaixo do fígado no abdome superior direito. Está ligado ao tubo que transporta a bile do fígado para o intestino. A bile é produzida no fígado e armazenada na vesícula biliar até ser necessária a digestão das gorduras.

Quais são os cálculos biliares?

Os cálculos biliares são pedras na vesícula formadas pela deposição de componentes da bile (colesterol, sais biliares e cálcio). Seu tamanho e consistência são variáveis, pode até ser "lama biliar".

Por que são os cálculos biliares?

Quando a bile contém muito colesterol engrossa e endurece para formar pequenos cristais e posteriormente pedras.

Quem está em risco de formação de cálculos biliares?

Embora possam ocorrer em qualquer idade, são mais comuns em pessoas mais velhas. São mais considerados grupos de risco:

  • Pessoas que têm parentes com cálculos biliares
  • Pessoas obesas
  • Pessoas com colesterol alto ou gorduras do sangue
  • Mulheres que tomam estrogênio contendo medicamentos (anticoncepcionais)
  • Pessoas com inflamação intestinal crônica (doença de Crohn e colite ulcerativa)

Quais são os sintomas de cálculos biliares?

Apenas um em cada três pessoas com cálculos biliares têm sintomas em algum momento de suas vidas. Os sintomas variam, mas podem ser divididos em quatro grupos:

Repita os cálculos biliares (colecistite crônica):

Eles são caracterizados por:

  • Dor abdominal (dor é profunda, permanente e intermitente que acompanha sintomas vegetativos como sudorese e náuseas), localizado no abdome superior direito, sob a borda das costelas. Você pode estender o ombro direito ou nas costas.
  • Ele geralmente ocorre após uma refeição gordurosa (ovos, chocolate, queijo).
  • A dor piora progressivamente ao longo de uma hora e se torna constante.
  • Pode ser acompanhada de náuseas e vômitos amargo.
  • Cólica pode durar de alguns minutos a várias horas.
  • A freqüência e a intensidade das cólicas varia, mas geralmente aumentam com o tempo.
  • A dor da cólica biliar pode ser difícil de distinguir de que é causada por outras doenças, como úlcera péptica, cólica renal, dor nas costas, pneumonia, angina de peito.
  • Colecistite aguda (infecção e inflamação aguda da vesícula biliar).

Os sintomas são:

  • Dor semelhante à cólica biliar, mas mais intensa e mais duradoura (mais de 12 horas).
  • O abdômen superior direito é bem macio e doloroso à pressão.
  • É acompanhada de febre e calafrios.
  • A dor piora com o movimento ou tosse.
  • Pacientes com colecistite aguda tem cálculos biliares muitas vezes, mas nem sempre.
  • O tratamento requer hospitalização e duas alternativas são aceitáveis: o tratamento inicial conservador (antibióticos e repouso do intestino) ou cirurgia imediata (remoção da vesícula biliar). A primeira opção é recomendada para remover a vesícula biliar, depois de superar a fase aguda, para prevenir a recorrência de problemas biliares

Icterícia (amarelamento da pele e conjuntiva dos olhos):

Ela ocorre quando um cálculo biliar bloqueia o tubo que transporta a bile do fígado para o intestino (coledocolitíase), e bile para o sangue. Icterícia nem sempre é causada por cálculos biliares. Caracteriza-se por:

  • Progressivo amarelecimento da pele e conjuntiva e urina escura (como o conhaque)
  • Comichão na pele que obriga coçar
  • Fezes descoloridas e esbranquiçadas
  • Dor semelhante à cólica biliar

O tratamento envolve a desobstrução do ducto biliar (por cirurgia ou endoscopia), e remoção da vesícula biliar para evitar a repetição dessas condições.

Acompanhada de febre e calafrios, indica a infecção biliar obstruída, na condição muito grave requer tratamento imediato com hospitalização (antibióticos e aliviar a obstrução do ducto biliar).

Pancreatite aguda:

O ducto pancreático com o ducto biliar esvazia no intestino. Quando um cálculo biliar bloqueia o duto, o pâncreas se torna inflamado (pancreatite biliar aguda). Seus sintomas são:

  • Dor intensa na metade superior do abdome, estendendo-se em ambos os lados das costas como "cinturão".
  • Náuseas e vômitos.
  • Inchaço ou inchaço do abdômen.
  • Acompanha icterícia as vezes.

Requer tratamento urgente com hospitalização, e na maioria dos casos sua evolução é benigna e desaparece dentro de alguns dias. Excepcionalmente evolui para uma pancreatite hemorrágica muito grave. Uma vez passada a fase aguda, será necessário agendar a remoção da vesícula biliar para evitar mais crises de pancreatites.

O que você pode fazer em casa?

A freqüência de cálculos biliares podem ser reduzidos com uma dieta baixa em gordura. Se a cólica biliar é de intensidade moderada, pode ser tratada em casa com medicação para dor e espasmolítica e descanso intestinal.

Como são os cálculos biliares diagnosticados?

  • Ultra-sonografia abdominal detecta com precisão pedras na vesícula biliar. Esta técnica é rápida e indolor.
  • Você precisa de exames de sangue para verificar o funcionamento do fígado e vias biliares (bilirrubina e enzimas hepáticas) e pâncreas (a amilase no sangue e urina).
  • Para diagnosticar a presença de pedras biliares são mais úteis ressonância cholangio pancreatografia e endoscopia retrógrada cholangio pancreatografia (CPRE). Colangiografia por ressonância magnética obtem uma imagem aceitável da árvore biliar, e é uma técnica com poucas complicações, o conforto do paciente. Cholangio pancreatografia retrógrada (CPRE) é canalizar a boca da bile e ductos pancreáticos no intestino através de um endoscópio introduzido pela boca, sob sedação, obtidos por contraste injetáveis ??e raios-x. Ao contrário do anterior, é um procedimento invasivo e pode ter complicações, mas é muito preciso e permite a extração dos cálculos dos dutos.

Como são os cálculos biliares?

Pedras na vesícula biliar que não causam sintomas não necessitam de tratamento. Caso contrário, o tratamento mais eficaz é a cirurgia. No entanto, existem alternativas para pacientes com alto risco para a cirurgia:

Dissolução de alguns tipos de cálculos usando drogas:

Ocasionalmente, é possível, mas exige tempo de tratamento longo e cálculos reaparecer para interromper a medicação.

Litotripsia biliar:

Ruptura dos cálculos usando ultra-som. As pedras precisam ser evacuados por colangiopancreatografia retrógrada endoscópica pancreatografia (CPRE) ou dissolvidas, e pode causar complicações por obstrução do ducto biliar ou pâncreas.

Tratamento cirúrgico de cálculos biliares

Remoção da vesícula biliar com pedras é chamado de colecistectomia. Ele requer anestesia geral. Atualmente mais de 90% dessas intervenções é feito por laparoscopia, deixando a cirurgia aberta convencional em casos de especial dificuldade (colecistite aguda avançados, a perfuração da vesícula biliar ou abcesso de pus, cirurgia prévia na parte superior do abdómen).

  • Colecistectomia aberta convencional: através de uma incisão 15-20 cm na linha média do abdome ou sob o rebordo costal direito. Internação varia de 5 a 7 dias, e retornar às atividades normais ocorre entre 6 e 8 semanas.
  • Colecistectomia laparoscópica:  4 incisões 0,5-1 cm cada na parte superior do abdómen, introduziu uma câmara de vídeo e instrumentos. Dor pós-operatória é muito menor do que na cirurgia aberta. A permanência hospitalar pós-operatória é de 24-48 horas, e retorno às atividades normais ocorre entre 2 e 4 semanas.

Quais são os efeitos da colecistectomia?

Uma vez removida, a cólica biliar desaparecem e as gorduras são geralmente bem tolerado. Colecistectomia tem uma baixa incidência de complicações, e se referem à existência de colecistite avançada. A ausência de vesícula biliar não tem efeitos indesejáveis ??sobre o sistema digestivo, embora alguns pacientes podem se queixar de inchaço da bexiga ou diarréia.

Possui uma dúvida concreta sobre Cálculos na vesícula biliar? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Cálculos na vesícula biliar

A colelitíase (cálculos na vesícula) pode ser sintomática (dor em lado direito do abdome que vai para as costas, dor na região do estomago, náuseas, e vômitos) ou assintomática (sem nenhuma queixa). Os cálculos são formados dentre outros motivos por acumulo de substancias produzidas no figado e armazenadas na vesícula, por isso a necessidade de retirá la.
Prof. Henrique Neubarth Phillips
Prof. Henrique Neubarth Phillips Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral

|

Rio de Janeiro

A colelitíase (ou cálculos na vesícula biliar) é uma afecção bastante comum, vista diariamente no consultório. Seu tratamento, especialmente para os casos sintomáticos, é eminentemente cirúrgico. Hoje em dia, a cirurgia por vídeo com remoção da vesícula biliar constitui-se no tratamento padrão-ouro e oferece baixos índices de complicação para os pacientes, bem como retorno precoce as suas atividades profissionais.
Dr. Daniel Mariano de Andrade
Dr. Daniel Mariano de Andrade Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

|

Rio de Janeiro

As "pedras na vesícula" podem causar transtornos graves. Apesar de a maioria dos pacientes portadores da doença, os cálculos biliares podem causar inflamação aguda (colecistite) até a migração para as vias biliares, causando doenças mais graves, como colangite ou pancreatite. Independente do tratamento proposto, um especialista deverá ser consultado para esclarecer dúvidas e explicar possíveis complicações.
Dr. Tiago Riuji Ijichi
Dr. Tiago Riuji Ijichi Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

|

São Paulo

O principal componente da bile é a água, mas vale a pena destacar também o colesterol, os sais biliares e os bilirrubinatos. Essa solução, como todas as outras, quando fica saturada, se precipita. Se colocarmos um pouquinho de açúcar num copo com água e misturarmos bem, ele se dissolve completamente. Porém, se adicionarmos mais açúcar, ele acabará se sedimentando no fundo do copo. A mesma coisa acontece com a bile hipersaturada com sais biliares e colesterol, cujos cristais se precipitam e vão compor os cálculos biliares. Dados indicam que aproximadamente 10% da população irá formar pedras na vesícula. Essa incidência, porém, é variável.
Daniel Cesar
Daniel Cesar Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral, Oncologista

|

Rio de Janeiro

OS CALCULOS NA VESICULA BILIAR CHAMADOS DE COLELITIASE SÃO UMA DAS MAIS FREQUENTES PATOLOGIAS CIRURGICAS DA VESICULA BILIAR, ESSAS PEQUENAS FORMAÇÕES CALCULOSAS PODEM SER RESPONSAVEIS POR QUADRO DE MÁ DIGESTÃO, DOR ABDOMINAL INFLAMAÇÃO , BEM COMO COMPLICAÇÕES MAIS GRAVES COMO INFLAMAÇÃO NO PANCREAS E OBSTRUÇÃO DAS VIAS BILIARES. A CIRURGIA DE VIDEOCOLECISTECTOMIA TRATA A COLELITIASE COM SEGURANÇA E EFICACIA GARANTINDO RETORNO RAPIDO AS SUAS ATIVIDADES HABITUAIS E DIMINUINDO O RISCO D ECOMPLICAÇÕES DESSA PATOLOGIA.
Renato Costa Sousa
Renato Costa Sousa Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

|

Brasília

Ver mais

Tem perguntas sobre Cálculos na vesícula biliar?

Nossos especialistas responderam 275 perguntas sobre Cálculos na vesícula biliar.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Os sintomas da cólica biliar são variáveis, eventualmente o paciente pode se confundir achando que é gases. Se há alteração da Gama-GT, isso certamente tem relação com as pedras da vesícula, sendo bem provável que alguma delas tenha escapado da vesícula e seguido para o ducto biliar principal (coledoco), tendo assim um risco maior de pancreatite. Seu pai precisa ser operado p/ retirada da vesícula, mas antes seria importante avaliar se há necessidade de fazer uma desobstrução do ducto biliar por endoscopia (CPRE), previamente à cirurgia. À disposição!

  • 142
  • 31
  • 201
Dra. Fabiana Orozco Corrêa Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgiã do aparelho digestivo, Coloproctologista

São Paulo

Marcar consulta

O procedimento para resolver é a cirurgia para retirada da vesícula biliar, e idealmente feita po Videolaparoscopia, por ser uma técnica minimamente invasiva e menos agressiva. Ela precisa marcar uma consulta para ser avaliada e iniciado o pré-operatório. Boa sorte.

  • 37
  • 6
  • 81
Dr. Leonardo Rodriguez Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Sim, é possível o aumento do número de cálculos e tamanho dos mesmos, em caso de sintomas estaria indicada a cirurgia. Agende um especialista.

  • 113
  • 22
  • 53
Dra. Danielle Menezes Cesconetto Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgiã do aparelho digestivo, Cirurgiã oncológica

São Paulo

Marcar consulta

Este resultado mostra um cálculo/pedra grande, que pode provocar alguma obstrução na vesícula, gerando dores, inflamação e/ou infecção. Se você fez o exame pois tem sintomas como dor e náuseas, essa pode ser a origem. A avaliação deve ser feita individualmente para o melhor tratamento ser indicado. Procure um cirurgião digestivo. Um abraço.

  • 5
  • 6
  • 5
Dr. Bruno De Lucia Hernani Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 275 perguntas sobre Cálculos na vesícula biliar