Câncer cervical (colo uterino) - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Câncer cervical (colo uterino)

Informação sobre Câncer cervical (colo uterino)

O que é o colo do útero?

O colo do útero é a parte inferior do útero e geralmente conhecido como "cervical". Podemos dizer que é a entrada para a cavidade do útero.

Seu papel é importante para manter uma gravidez normal. Em mulheres não grávidas, o colo do útero não tem nenhuma função caracterizada, mas também pode ser importante para o prazer sexual em algumas mulheres.

O que é o câncer do colo do útero?

O câncer cervical é um dos cânceres mais comuns do sexo feminino.

A Organização Mundial de Saúde recomenda que todas as mulheres em idade fértil façam o exame ginecológico pelo menos uma vez a cada dois anos, a fim de prevenir esta e outras doenças ginecológicas. Portanto, a maioria das mulheres ocidentais são regularmente submetidas a um teste de amostragem cervical, mais conhecido como exame de Papanicolau, ou também chamado de Papanicolau, e é usado para detectar alterações celulares que precedem o câncer. Importante, este teste pode fornecer informações sobre lesões cervicais que podem levar ao câncer,, sem ser câncer, por isso que é tão valioso para a prevenção e diagnóstico precoce desta doença em mulheres ainda estão saudáveis.

Estas lesões do colo do útero são geralmente as primeiras alterações celulares que levam anos para se tornar câncer e, em alguns casos, elas podem desaparecer por conta própria. Resultados de teste anormal não correspondem ao diagnóstico de câncer do colo do útero é, mas um alerta para a possibilidade de que o tecido pode degenerar a esse ponto nos próximos anos. Um potencial tão grande é que as mudanças pré-cancerosas chamado CIN (neoplasia intraepitelial cervical). Se o CIN não for tratada, muitas vezes leva ao câncer cervical.

Os dois tipos de câncer são os mais comuns de células escamosas do colo do útero (também chamado epidermóide) carcinoma e adenocarcinoma. O mais comum é o primeiro, o epidermóide.

O que provoca o cancro do colo do útero?

Não há uma causa única definida na maioria dos casos. Na maioria, é a infecção viral antecedente do colo do útero, geralmente causada por vírus do papiloma humano ou herpes simples genital, também chamado Herpes Tipo II (não deve ser confundida com herpes, Herpes Simplex também chamada de Tipo I) . Na maioria dos casos, estas infecções não são reconhecidos por mulheres e jovens e são adquiridos geralmente devido à atividade sexual normal. Por isso é claramente demonstrado que o câncer do colo do útero é mais comum em mulheres com maior número de relações sexuais, ou o início dessas relações em idades mais precoces. O cigarro parece aumentar o risco de desenvolver câncer cervical.

Câncer do colo do útero pode afectar todas as faixas etárias, ocorrendo geralmente após os 30 anos em estágios iniciais.

Uma das maneiras que as mulheres têm para reduzir o risco de desenvolver câncer cervical é fazer o teste de amostragem cervical regularmente. Geralmente, uma vez iniciada a atividade sexual é altamente desejável para todas as mulheres a passar por uma revisão adequada ginecológico a cada 1-3 anos, variando o intervalo de tempo, dependendo da sua idade, fatores de risco, e assim por diante.

Quais são os sintomas do câncer do colo do útero?

Alterações pré-cancerosas do colo do útero (CIN) não têm sintomas, por isso é importante a realização de exames de Papanicolau regular. Muitas vezes ainda que exista um câncer do colo do útero, os sintomas não se apresentam ainda. Em mulheres na menopausa, pode ocorrer sangramento como uma aparente menstruação. Outros sintomas que podem ocorrer são: corrimento vaginal com sangue, e em casos avançados, a dor, sangramento do ânus e sintomas do trato urinário.

Como é diagnosticado o cancro do colo do útero?

O diagnóstico de segurança é realizada através de uma biópsia do colo do útero. Normalmente realizada após uma análise e um exame interno chamado colposcopia um fundo vaginal. A biópsia é um exemplo de estudar o tecido doente com um microscópio.

Como é o tratamento do câncer do colo do útero?

Quando se trata de diagnóstico de câncer de colo do útero, os médicos devem discutir as diferentes opções de tratamento, uma vez que depende se o câncer se espalhar e afetar outros tecidos da pelve, ou se afetar apenas o colo do útero. As taxas de cura do câncer do colo do útero depende se ele se espalhou para além do colo do útero ou não, basicamente. Portanto, como mencionado, o diagnóstico precoce é crucial. Caso seja detectado em estágios iniciais, os números para a cura desta doença pode chegar a até 95-100%. O tratamento mais eficaz é através de cirurgia e / ou radioterapia.

O tratamento pode incluir uma histerectomia (remoção do útero), conhecida como histerectomia radical ou de Wertheim-Meigs, no qual o cirurgião remove o útero e os ovários.

A radioterapia é muitas vezes parte do tratamento, e seu objetivo é destruir as células cancerosas que o ginecologista não pode ver, e podem ter permanecido na área da cirurgia. Às vezes, ela também pode ser aplicada como um tratamento curativo, apenas, sem recorrer à cirurgia.

Possui uma dúvida concreta sobre Câncer cervical (colo uterino)? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Câncer cervical (colo uterino)

É um tipo de câncer que, no geral, demora muitos anos para se desenvolver. Os principais sintomas são sangramento vaginal, corrimento e dor. A principal causa é a infecção por alguns tipos de vírus chamados de HPV- Papiloma Vírus Humano. Fatores como o início precoce da atividade sexual, a promiscuidade, o fumo e a má higiene íntima podem facilitar a infecção. A melhor maneira de se prevenir é fazendo o exame preventivo (Papanicolaou). As lesões que precedem o câncer do colo do útero não têm sintomas, mas podem ser descobertas por meio do Papanicolaou. Quando diagnosticado na fase inicial, as chances de cura são de 100%. Vacinar-se contra o HPV é uma medida eficaz para a prevenção do câncer.
Dr. Marcelo Ponte Dias
Dr. Marcelo Ponte Dias Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

|

São Paulo

O câncer de colo uterino é extremamente frequente na região norte do Brasil. Por isso dedicamos atenção especial à essa cirurgia. Hoje a realizamos por vídeo cirurgia, permitindo tratar os cânceres iniciais de colo uterino com preservação dos ovários nas pacientes mais jovens e inclusive preservando a fertilidade, proporcionando a possibilidade de engravidar em casos selecionados. Hoje dependemos de um bom acompanhamento antes e após a cirurgia para bons resultados. Como a pesquisa de HPV (vírus relacionado com os tumores de colo uterino) e equipe de ginecologia que acrescente qualidade a esse acompanhamento, com os exames de colposcopia e conização.
Dr. Jeancarllo Silva
Dr. Jeancarllo Silva Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral, Oncologista

|

Manaus

É a mais frequente neoplasia genital feminina em países subdesenvolvidos. É terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e câncer colorretal. É caracterizado pela replicação desordenada do epitélio de revestimento do órgão, comprometendo o tecido subjacente e podendo invadir estruturas e órgãos contíguos ou a distância. É uma doença de desenvolvimento lento, que pode cursar sem sintomas em fase inicial e evoluir para quadros de sangramento vaginal intermitente ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada com queixas urinárias ou intestinais nos casos mais avançados.
Dra. Andréa Tatiane Oliveira da Silva
Dra. Andréa Tatiane Oliveira da Silva Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Médica clínica geral , Oncologista

|

Maceió

O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos (chamados oncogênicos) do Papilomavírus Humano - HPV. A infecção genital por este vírus é muito frequente e não causa doença na maioria das vezes. Entretanto, em alguns casos, podem ocorrer alterações celulares que poderão evoluir para o câncer, Estas alterações das células são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou), e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso é importante a realização periódica deste exame. É o terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e do colorretal, e a quarta causa de morte.
Eduardo Rodrigues Zarco da Câmara
Eduardo Rodrigues Zarco da Câmara Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral

|

Rio de Janeiro

Existem várias modalidades cirúrgicas para o tratamento do câncer do colo uterino, que variam de acordo com o estádio da doença e desejo da preservação da fertilidade. Para tumores muito iniciais, pode ser realizada a conização do colo uterino com ou sem linfadenectomia pélvica e histerectomia simples. Para tumores iniciais até 2cm com desejo de preservação da fertilidade, pode se realizar a traquelectomia radical com linfadenectomia pélvica. Para os demais tumores com indicação cirúrgica, realiza-se a histerectomia radical com anexectomia bilateral (retirada de ovários e tubas uterinas) e linfadenectomia pélvica. A via preferencial para esta cirurgia é a aberta (com corte).
Dra. Sibele Klitzke
Dra. Sibele Klitzke Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

|

Porto Alegre

Ver mais

Tem perguntas sobre Câncer cervical (colo uterino)?

Nossos especialistas responderam 110 perguntas sobre Câncer cervical (colo uterino).

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Olá O tratamento do NIC III se resume a conização (retirada de uma pequena camada do colo uterino em forma de cone). Se o procedimento ja foi realizado antes do material ser enviado para o histopatológico, segue apenas o acompanhamento com exame preventivo. Abraço

  • 24
  • 16
  • 78
Dr. Jefferson Correia de Souza Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Médico clínico geral, Oncologista

Recife

NIC 1 é uma lesão pré neoplásica de baixo grau. Na maioria das vezes é autolimitada, a lesão desaparece sem precisar fazer tratamento específico. A chance de esta lesão vir a se tornar um câncer de colo de útero invasivo é muito baixa. Em casos de NIC 1, o recomendado é acompanhar com exames periódicos. Tratamentos mais agressivos, como a histerectomia, são reservados a casos mais avançados. Não é indicado a histerectomia apenas por uma lesão NIC 1.

  • Obrigado 2
  • 1 especialista está de acordo
  • 8
  • 4
  • 9
Dr. Marco Aurelio Anginski Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral, Oncologista

Curitiba

Marcar consulta

Voce não deve se preocupar, todavia deve manter acompanhamento com seu médico. A presença do HPV pode levar a alterações no colo do utero que devem ser acompanhadas com preventivo. No seu caso com a colposcopia sem alterações o acompanhamento seria seguro. Porém, não deixe de seguir as orientações de forma correta. Uma boa opção tambem é a vacinação para HPV

  • 617
  • 131
  • 644
Eduardo Rodrigues Zarco da Câmara Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião geral

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Esclareça suas dúvidas. Você tem uma lesão de alto grau no colo uterino ou NIC 2. É uma lesão causada pelo HPV, um vírus sexualmente transmissível. Não é um câncer mas pode ser uma lesão precursora de câncer. Você deverá fazer uma conização ou cirurgia de alta frequência. Solicite ao seu médico exames para descartar as outras infecções sexualmente transmissíveis como HIV, hepatite B e C e sífilis. Os seus parceiros sexuais devem procurar atendimento médico. Eles podem ter o vírus e lesões pelo HPV. O HPV é causa de câncer de colo uterino, vagina, vulva, reto, ânus, pênis, orofaringe, etc. Faça o tratamento correto. O NIC2 possivelmente não é a causa do seu corrimento. Você pode estar com uma vulvovaginite. Como a senhora tem 60 anos e está na menopausa, as causas de sangramento pós-menopausal precisam ser descartadas como causa do corrimento amarronzado. Converse com o seu médico. Esclareça suas dúvidas.

  • 7062
  • 2738
  • 6644
Dr. Heitor Leandro Paiva Rodrigues Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

Ribeirão Preto

Ver as 110 perguntas sobre Câncer cervical (colo uterino)