Câncer de pulmão - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Câncer de pulmão

Informação sobre Câncer de pulmão

O que é câncer de pulmão?

As células de todos os organismos vivos costumam dividir e crescer de uma maneira controlada. O câncer é o resultado de perda de controle deste processo. Um tumor pode crescer localmente (no lugar original) e depois se espalhar para outras áreas, causando tumores secundários em qualquer lugar do corpo. Este processo de propagação é chamado de metástase.

Câncer de pulmão é um dos mais freqüentes no mundo.

Quais são as causas de câncer de pulmão?

O tabagismo é a principal causa de câncer de pulmão. Apesar de não-fumantes também poderem desenvolver este tipo de câncer, mas o risco em fumantes é estimado em dez vezes mais do que em não fumantes, e esse risco é ainda maior dependendo do número de cigarros fumados por dia.

Considera-se que o cigarro é responsável por 80-90% das mortes por câncer de pulmão. O risco do fumante passivo é de cerca de 25-35%.

Se você é um fumante pesado (20 cigarros por dia), o risco de desenvolver câncer de pulmão é de 30 a 40 vezes do que se você não fumar.

A principal razão para esta doença ter aumentado nos últimos 50 anos tem sido o aumento do número de pessoas que fumam cigarros.

O risco de desenvolver câncer de pulmão de um ex-fumante diminui no mesmo nível que o de um não-fumante, após 15 anos desde que se pare de fumar.

Embora o cigarro seja a principal causa de câncer de pulmão, não devemos esquecer que a exposição prolongada a várias substâncias ou situações, como o amianto, metais, radiação. também pode causar esta doença. Isto é especialmente importante no seu local de trabalho a protecção que devem fazer aqueles que trabalham nesses ambientes pois pode haver desenvolvimento de doenças profissionais.

Quais são os sintomas de câncer de pulmão?

Os sintomas são devidos ao tumor original que se desenvolve no pulmão ou aos efeitos da extensão deste tumor do pulmão para outros órgãos. Os mais comuns são:

  • Tosse crônica
  • Falta de ar (dispnéia)
  • Perda de peso
  • Fadiga persistente
  • Dor persistente, que pode ser localizada na região do peito ou de outras áreas do corpo, devido à disseminação do tumor.

Um dos sintomas mais importantes ou significativos de câncer de pulmão é cuspir sangue ou verificar sangue fresco na tosse. Estes episódios são geralmente um sinal de alerta do câncer de pulmão, embora nem sempre devido a ele - existem doenças, algumas benignas que podem produzir câncer. Diante disso, qualquer fumante, geralmente mais de 40 anos de idade que apresentam esses sangramento com tosse, deve ir a revisão por seu GP, que irá definir a sua causa.

Outros sintomas, geralmente devido à expansão ou crescimento do tumor primário em si, podem incluir: mudanças na voz ou tom de voz, dificuldade ou dor ao engolir, inchaço das veias da parte superior do tronco e do pescoço (que é conhecida como a síndrome da veia cava).

Sintomas devido a metástases: Dor de cabeça e distúrbios visuais (em metástases cerebrais), insuficiência hepática, dor (no osso) com icterícia no fígado, etc.

Como é diagnosticado o cancro do pulmão?

Infelizmente, a maioria dos casos é diagnosticado tarde demais para a implementação de uma cura cem por cento. O diagnóstico precoce é difícil porque muitos dos sintomas que temos visto são os mesmos ou similares aos de outras doenças de pulmão desenvolvidos, como bronquite crônica, pneumonia, etc.

Além disso, pacientes com câncer de pulmão também tendem a ter bronquite crônica, também causada por cigarro. No entanto, apenas 1-2% irá desenvolver bronquite crônica de câncer de pulmão.

O primeiro teste é normalmente realizado quando há suspeita de câncer de pulmão é a radiografia de tórax. Se o tumor estiver presente, precisa ter um tamanho mínimo de um centímetro de diâmetro para ser detectada por este teste. No entanto, quando um tumor atingiu este tamanho, as células cancerosas já foram divididas até 36 vezes. Como demonstrado, o câncer de pulmão é uma doença que geralmente é diagnosticada tarde demais.

Geralmente também são realizados rotineiramente exames de sangue.

O TAC ou scanner fornece mais informações do que a radiografia, e também serve para determinar a extensão ou a propagação de tumor para outros órgãos.

A broncoscopia é a inspeção direta do interior dos brônquios (os "tubos" do sistema respiratório), e geralmente é feito com um tubo de fibra óptica fina que permite a visualização, mesmo em uma tela. A anestesia local é utilizada e é o melhor teste para tumores localizados em brônquios principais (maiores).

Dependendo da localização do tumor, obtemos uma biópsia da mesma, quer através do broncoscópio em si ou através de uma punção com agulha de fora. Esta agulha é melhor para tumores perto da periferia dos pulmões (mais perto das costelas no peito), e não pode ser acessível por broncoscopia. Esta biópsia nos dará o diagnóstico definitivo de câncer de pulmão.

Às vezes, uma amostra de escarro (material ejetado pela tosse do trato respiratório), pode ser examinado sob o microscópio e detectado as células cancerosas.

De acordo com a sua aparência ao microscópio, podemos distinguir três tipos principais de tumores de pulmão (embora haja mais):

O mais freqüente, está associada com carcinoma de células escamosas.

É importante saber que tipo de tumor está presente, porque, por exemplo, tumores de células pequenas mostram boa resposta à quimioterapia, enquanto outros tipos são melhor tratadas com cirurgia e / ou radioterapia.

Qual é o tratamento de câncer de pulmão?

A cirurgia pode ser uma cura para o câncer de pulmão, mas apenas um em cada cinco pacientes podem se beneficiar com este tratamento. Se o tumor não se espalhou para fora do peito e não afetou estruturas vitais como o fígado, a intervenção cirúrgica pode ser possível, mas somente se o paciente não tem outras doenças que impedem que isso seja feito, como a bronquite grave, doença cardíaca ou outras.

Tumores de células pequenas são bem tratados com quimioterapia. Esta é dada na forma de "ciclos" a cada três semanas. Este quimioterapia prolonga o tempo de sobrevida dos pacientes e melhora a sua qualidade de vida. O número total de ciclos vai depender de fatores como a condição geral do indivíduo, a extensão do tumor, e resposta individual do doente ao tratamento.

Atualmente existem melhorias significativas nos resultados da quimioterapia, e está se realizando estudos em profundidade para este tratamento. Para este último, alguns pacientes são selecionados para participar em ensaios clínicos, que não deve assustá-los, porque não é testar drogas que não são conhecidos, mas sim para ver alguns efeitos já conhecidas aplicados de outras formas. Como resultado, muitos pacientes podem obter benefícios significativos a partir desses estudos.

O tumor de células não-pequenas (adenocarcinoma escamoso) pode ser tratado com radioterapia, quimioterapia ou medidas paliativas de apoio. A radioterapia pode ser aplicada de forma "radical" ou "paliativos". Meios radicais são usados no tumor com intenção curativa, e é usado com alta dose de radiação em pacientes selecionados para este tipo de tratamento, geralmente aqueles que não podem submeter a cirurgia ou que se espera um lucro aceitável.

Radioterapia paliativa é geralmente administrado em doses menores. Tem grande eficácia no alívio de sintomas como sangramento das vias aéreas (hemoptise), dor óssea, ou obstrução das vias aéreas pelo próprio tumor.

Qual é o prognóstico de câncer de pulmão?

Aproximadamente 10% dos pacientes podem ser curados ou mantidos vivos cinco anos após o diagnóstico, sem evidência de recorrência do tumor. No entanto, todos os pacientes podem se beneficiar de tratamentos paliativos que melhorem sua qualidade de vida e sintomas.

Os fatores mais importantes para prognósticos são o tamanho do tumor, quando diagnosticado, verificar se ele invadiu outros tecidos ou se espalhou para outros órgãos e impressões microscópicas da agressividade do tumor.

Possui uma dúvida concreta sobre Câncer de pulmão? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Câncer de pulmão

O principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão é o hábito de fumar. Geralmente o câncer de pulmão se manifesta por dor torácica, tosse persistente, emagrecimento e por vezes catarro com sangue. O diagnóstico é sugerido por um exame de imagem, raio x de tórax ou tomografia de tórax, e confirmado pela biópsia da lesão. O tratamento cirúrgico para a retirada do tumor é o tratamento de escolha. Mas em alguns casos é necessário a realização de quimioterapia e radioterapia.
Dra. Roberta Fittipaldi
Dra. Roberta Fittipaldi Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Pneumologista

|

São Paulo

O câncer de pulmão é o segundo tipo de tumor mais frequente em homens e o quarto mais frequente em mulheres. Entretanto, é a principal cauda de morte por câncer no mundo. Cerca de 85 a 90% dos casos é causado pelo cigarro. Porém, cada vez mais observamos o surgimento deste tumor em pessoas que nunca fumaram. Esses casos não relacionados ao hábito de fumar costumam ser causados por mutações genéticas específicas, e com frequência são tratados com medicamentos especiais chamados de drogas alvo-moleculares, que atuam diretamente na célula portadora da mutação genética, e não em todas as células do organismo, como ocorre com a quimioterapia.
Dra. Fernanda Cacciatore Bes Scartezini

Oncologista

|

São Paulo

O câncer de pulmão ainda é uma das maiores causas de morte por câncer. Muita pesquisa tem sido feita para entender melhor essa doença e desenvolver tratamentos inovadores. O Prof. Dr. Ramon De Mello fez o seu doutorado em câncer de pulmão. Ele tem um grande conhecimento nessa área, onde publica vários trabalhos científicos. Também tem experiência com quimioterapia, imunoterapia e terapias alvos contra esse tumor. O termo terapia alvo aplica-se também a medicamentos como anti-corpos monoclonais e inibidores da tirosina cinase. Esses medicamentos atuam em vias moleculares mais específicas do tumor, podendo proporcionar melhores resultados, quando comparados a quimioterapia padrão.
Ramon Andrade Bezerra de Mello
Ramon Andrade Bezerra de Mello Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oncologista

|

Bauru

O câncer de pulmão é o mais comum de todos os tumores malignos e, em muitos casos, está associado ao consumo de derivados de tabaco. Os sintomas mais comuns são a tosse, dor torácica e o sangramento pelas vias respiratórias. Em indivíduos fumantes, pode ocorrer mudança do tipo de tosse. Pneumonia também pode ser uma manifestação da doença. O câncer de pulmão é considerado como uma doença insidiosa, por não apresentar sintomas em suas fases iniciais. Consequentemente, o diagnóstico na maior parte das vezes é feito nos casos de doença avançada. A prevenção e diagnóstico precoce são possíveis com a cessação do tabagismo e exames de imagem (tomografia em pessoas de alto risco)
Prof. Dr. Ricardo Sales dos Santos
Prof. Dr. Ricardo Sales dos Santos Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião torácico

|

São Paulo

Câncer de pulmão refere-se a neoplasias malignas que se originam nas vias aéreas ou no parênquima pulmonar. A Organização mundial de saúde divide o câncer de pulmão em 2 grandes categorias: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células (CPNPC) e Câncer de Pulmão de Pequenas Células (CPPC). O CPNPC, que representa mais de 80% de todos os casos de câncer de pulmão, e composto por dois principais subtipos: Não-escamoso e Escamoso. Sabe-se atualmente que essa diferenciação e importante na escolha do melhor tratamento em pacientes com doença metastática. Com o desenvolvimento da chamadas “terapias-alvo”, essa subdivisão passou a ser ainda mais especifica.
Marcus Paulo F. Amarante
Marcus Paulo F. Amarante Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oncologista

|

Fortaleza

Ver mais

Tem perguntas sobre Câncer de pulmão?

Nossos especialistas responderam 72 perguntas sobre Câncer de pulmão.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

O prognóstico da doença vai variar de acordo com o tipo de células (adenocarcinoma, carcinoma epidermóide e carcinoma pequenas células) e o grau de diferenciação da célula (se multiplicam rápido tendem a ser mais agressivas). Estudos em pacientes com tumores não pequenas células que trataram com quimioterapia e radioterapia concomitante apresentaram uma sobrevida mediana de em torno de 17meses. O ideal é que converse com um médico oncologista que esteja ciente do caso. Estimar recidiva e sobrevida é muito complicado, depende muito da doença, de comorbidades, baseamos em dados populacionais que podem variar muito. Não se atenha a esse dado.

  • 27
  • 24
  • 522
Dra. Ana Carolina Nobre de Mello Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oncologista

Rio de Janeiro

Marcar consulta

De uma forma geral, pacientes que permanecem em remissão completa de doença por pelo menos 5 anos, ou seja sem sinal de câncer pelos exames físico e complementares por 5 anos, são considerados curados. Pacientes nos quais a doença fica "estacionada" após o tratamento apresentam doença estável.

  • 13
  • 13
  • 73
Dra. Elayne Bittencourt

Oncologista

Rio de Janeiro

Quando falamos em câncer de pulmão é extremamente importante o estadiamento que geralmente é feito com o PET/CT podendo ser complementado com métodos invasivos e assim definirmos a extensão da doença e definir a melhor abordagem terapêutica. A cirurgia não precipita metástase e até o presente momento, quando há possibilidade de cura, é o tratamento de escolha podendo ou não ser complementada com outras modalidades. Abraços.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 33
  • 9
  • 16
Dr. Caio Augusto Sterse da Mata Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião torácico

São Paulo

Marcar consulta

Todo nódulo pulmonar merece uma avaliação no contexto do paciente de acordo com história, comorbidades, fatores de risco, etc.. de maneira a garantir o diagnóstico mais preciso possível e adequado tratamento do paciente

  • 33
  • 9
  • 16
Dr. Caio Augusto Sterse da Mata Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião torácico

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 72 perguntas sobre Câncer de pulmão