Doenças da glândula tireóide - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Doenças da glândula tireóide

Informação sobre Doenças da glândula tireóide

O que é?

A glândula tireoide é localizada no pescoço e tem o formato de uma borboleta. Sua função é produzir, armazenar e liberar dois hormônios (T3 e T4) na corrente sanguínea. Esses hormônios influenciam quase todas as células do corpo ajudando a controlar suas funções. A tireoide, dessa forma, controla o metabolismo corporal. A causa dos problemas da tireoide não é conhecida. Trata-se de uma doença autoimune. Ou seja, em determinado momento, sem que se saiba por qual razão, o organismo deixa de reconhecer os hormônios produzidos pela tireoide como parte do corpo humano e os percebe como um ataque externo. Com isso, produz anticorpos que passam a atacar a tireoide. Seu mau funcionamento é capaz de provocar uma série de doenças. As principais são:

Hipotireoidismo

Quando a tireoide não consegue produzir em quantidade suficiente os hormônios T3 e T4 surge o quadro de hipotireoidismo, que diminui metabolismo corporal causando fadiga, sonolência, aumento de peso, diminuição da frequência cardíaca, entre outros sintomas. Pode ser detectada através de exame de sangue e tratada com medicamentos.

Hipertireoidismo

Nesse caso, a tireoide produz em excesso seus hormônios e os libera causando o aumento do metabolismo corporal. Isso gera ansiedade, irritabilidade, insônia, perda de peso, taquicardia, tremores nas mãos, retração das pálpebras, calor excessivo, suor, perda de força muscular, diarreia, diminuição da menstruação (ou mesmo o fim dos períodos menstruais), entre outros sintomas. Também pode ser detectada através do exame de sangue e tratada com medicamentos. O diagnóstico tanto do hipertireoidismo como do hipotireoidismo passa pelo exame físico e por exame laboratorial para medir a quantidade de TSH no organismo. O TSH, da sigla em inglês para Hormônio Estimulador da Tireoide, quando está em excesso leva ao hipertireoidismo. Quando em falta, conduz ao hipotireoidismo.

Bócio

É o aumento do volume da tireoide. Geralmente provocado pela falta de iodo. Nódulos na região, benignos ou malignos, também são denominados de bócio mesmo que não aumentem o volume do pescoço. O diagnóstico é feito através de exame físico e os sintomas são variáveis. Normalmente há dificuldade para comer e respirar. Pequenos bócios podem ser tratados com medicamentos ou iodo radiativo. Os maiores precisam ser retirados de forma cirúrgica.

Tireoidite de Hashimoto

Doença descrita pela primeira vez pelo médico japonês Hakura Hashimoto em 1912 e, por isso, leva seu nome. Trata-se da destruição parcial da tireoide pelo próprio organismo da pessoa. Normalmente conduz ao hipotireoidismo, mas também pode causar quadro de hipertireoidismo. Não tem cura, mas os sintomas podem ser controlados com medicamentos. Pode ser detectada pelo exame físico. Um ultrassom da tireoide pode ser usado para confirmar o diagnóstico.

Cretinismo

É uma deficiência mental provocada por hipotireoidismo congênito. Ataca crianças e impede o crescimento normal do cérebro. Pode ser detectada através do teste do pezinho e não tem cura.

Mixedema

Desordem na pele e tecidos causada geralmente pelo hipotireoidismo prolongado e severo. Causa inchaço na face e nas pálpebras formando bolsas nos olhos. São sintomas reversíveis em boa parte dos casos através de tratamento de reposição hormonal.

Possui uma dúvida concreta sobre Doenças da glândula tireóide? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Doenças da glândula tireóide

Experiência no tratamento do hipertireoidismo, hipotireoidismo e câncer de tireóide, oferecendo um tratamento de acordo com as diretrizes.
Dr. Paulo de Tarso Freitas
Dr. Paulo de Tarso Freitas Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista

|

Florianópolis

A tireoide ou tiroide é uma glândula em forma de borboleta (com dois lobos), que fica localizada na parte anterior pescoço. É uma das maiores glândulas do corpo humano e tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas (no adulto). Ela age na função de órgãos importantes como o coração, cérebro, fígado e rins. Interfere, também, no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes; na regulação dos ciclos menstruais; na fertilidade; no peso; na memória; na concentração; no humor; e no controle emocional. Quando a tireoide não está funcionando adequadamente pode liberar hormônios em excesso (hipertiroidismo) ou em quantidade insuficiente (hipotireoidismo), ou até desenvolver nódulos.
Dr. Antonio Glauber Teofilo Rocha

Endocrinologista, Médico clínico geral

|

Fortaleza

A Glândula tireoidiana fica localizada na região cervical anterior ( Pescoço) sendo responsável por produzir o hormonio tireoidiano que é responsável por diversas funções no nosso organismo como o sono, trânsito intestinal, textura da pele , humor, controle do colesterol, controle do metabolismo podendo levar a ganho ou perda de peso. O tratamento depende se há excesso ou falta de Hormonios. Além disso, existe uma condição que é a doença nodular da tireoide em que muitas vezes a paciente pode ter uma sensação de “bolo na garganta”. Neste caso, o tratamento pode ser cirúrgico.
Amanda de Araujo Laudier
Amanda de Araujo Laudier Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista

|

Rio de Janeiro

Nódulos tireoidianas são bastante frequentes na população em geral. Uma vez encontrado nódulos no exame físico ou ao ultrassom suas características devem ser valorizadas e avaliada a necessidade de uma punção biópsia aspirativa. Felizmente neoplasia na tireoide representa apenas 5-10% dos casos.
Nathalie Lobo Figueiredo Feitosa
Nathalie Lobo Figueiredo Feitosa Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista

|

Ribeirão Preto

As principais doenças que dizem respeito a função da glândula tireoide são o hipotireoidismo e o hipertireoidismo, sendo a Tireoidite de Hashimoto, que causa o hipotireoidismo de origem auto-imune, a mais frequente. O hipotireoidismo pode levar a cansaço, sonolência, queda de cabelo, pele seca, dificuldade de perder peso, alteração do colesterol, alteração do fluxo menstrual e da função intestinal (podendo levar a constipação). Quando se inicia na fase infanto-juvenil, pode ainda levar a dificuldade de aprendizado e retardo do crescimento. Já o hipertireoidismo leva a um estado de aceleração, com aumento da fome e perda de peso, sudorese excessiva e taquicardia.
Dra. Paula Bruna Araujo
Dra. Paula Bruna Araujo Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista, Médica clínica geral

|

Rio de Janeiro

Ver mais

Tem perguntas sobre Doenças da glândula tireóide?

Nossos especialistas responderam 169 perguntas sobre Doenças da glândula tireóide.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Não sei te responder em porcentagem exatamente: pessoa que teve nódulo tireoidiano e após o tratamento com tireoidectomia e tora e iodoterapia qual a chance em porcento de estarmos diante de um novo tumor? Mas posso te dizer que a chance de ser um tumor de tireoide é pequeno, no entanto, existe uma chance de metástase Para linfonodos, entre outras outras causas que aumentam linfonodo, e que muitas vezes, não são cancerígenos! Nesse caso, que existem varias possibilidades, o ideal é seguir com o médico e o cirurgião que acompanha sua mãe. Espero ter ajudado. Beijos.

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
  • 98
  • 15
  • 35
Dra. Lia Lima Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista

São Paulo

Se o diagnóstico de benignidade já foi dado pela punção aspirativa por agulha fina (PAAF) do nodulo, a conduta é fazer acompanhamento com ultrassonografias para avaliar se não há mudança do tamanho ou das suas características. Se houver crescimento considerável ou aparecerem características suspeitas, nova PAAF pode ser solicitada. Baseado apenas no tamanho, algumas diretrizes consideram 4cm ou se houver sintomas de compressão de estruturas vizinhas ao nódulo.

  • 14
  • 22
  • 20
Dra. Suzana Vieira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista

São Paulo

Marcar consulta

Olá! São várias as causas, sendo as principais: -autoimune: com destruição do tecido normal por anticorpos; -radioterapia(teleradioterapia ou por radioiodo): também com destruição do tecido da tireoide por radiação. A radiofrequencia Estética, ou seja, externa, não ocasiona dano ao tecido tireodeano por nao ser radiação ionizante. A radiofrequencia para ablação de nodulos tireoideanos existe e é uma maneira de tratar os nódulos de tireoide, mas funciona como uma punção dentro da tireoide e a ablação é liberada somente dentro da tireoide. Espero ter ajudado!

  • 123
  • 61
  • 117
Dr. Giulianno Molina de Melo Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cirurgião de cabeça e pescoço

São Paulo

Marcar consulta

Olá. Nódulos espongiformes tendem a ser benignos. No entanto, a análise dos nódulos deve sempre levar em consideração os aspectos ultrassonográficos (tamanho, bordas, calcificação, vascularização, etc) E CASO NECESSÁRIO - punção aspirativa com agulha fina - a PAAF. Se os seus nódulos merecerem punção, e a mesma apresentar como resultado da PAAF uma classificação "Bethesda 2" - então não precisa de cirurgia. Caso o Bethesda seja diferente de 2, converse com o seu médico endocrinologista, pois dependendo do caso pode ser necessário cirurgia - como é o caso dos Bethesdas 4,5 e 6. Os casos de Bethesda 1 devem ser puncionados novamente - pois significa que a punção não foi efetiva. Os casos de Bethesda 3 e alguns 4 podem ser repetidos ou pode-se realizar uma análise molecular para tomar a decisão de operar ou não. Boa sorte - sucesso.

  • 81
  • 85
  • 51
Dr. Thiago Limoli Bueno Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Endocrinologista, Médico clínico geral

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 169 perguntas sobre Doenças da glândula tireóide