Perguntas sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis

Tem perguntas sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis?

Nossos especialistas responderam 121 perguntas sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Perguntas sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis

121Perguntas

313Respostas

161Especialistas de acordo

445Pacientes agradecidos

Quando nos correlacionamos com portadores do vírus HIV com carga viral alta, as secreções carrearam o vírus também. Se este líquido entrar em contato com sua região íntima e houver microfissuras há chance de contagio da doença! Por isso sempre fique atento e use preservativo antes de iniciar ato sexual . É provável que não tenha se contaminado mas o ideal é procurar profissional pessoalmente para retirar mais detalhes do q nos contou! Outros vírus também podem ser transmitidos do contagio de uma pessoa contaminada p outra Att

  • 68
  • 48
  • 160
Dra. Ana Carolina Lucio Pereira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista, Médica clínica geral , Médica de tráfego

São José dos Campos

Marcar consulta

Ver as 5 respostas

A única maneira de se proteger contra doenças sexualmente transmissíveis, como a gonorreia, é através do uso de preservativos e sempre que fizer desprotegido, estará suscetível a uma nova infecção. Lembrando ainda que algumas doenças, como o HIV, não tem cura. Cuida-se. Um abraço

  • 144
  • 43
  • 194
Dr. Marco Dionisio Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Urologista

Rio de Janeiro

Ver as 4 respostas

Existem diversos exames utilizados no diagnóstico, desde exames de sangue, secreções genitais, urina e até liquor cefalorraquidiano. A sorologia para hepatite B, por exemplo, possui diversos marcadores, e sugiro veementemente que procure um infectologista para interpretação, para não ter margens a diagnósticos errôneos ou preocupações sem fundamento quando estiver com os resultados na mão. Abraços!

  • 210
  • 63
  • 786
Dra. Naihma Salum Fontana Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

Sorocaba

Ver as 4 respostas

Sim! Pode! Embora comum, não é obrigatório ter corrimento! Att

  • 4236
  • 761
  • 5190
Dr. Prof. Ricardo Alexandre Fernandes Ferro Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oncologista, Urologista

Brasília

Marcar consulta

Ver as 4 respostas

Caríssimo, Primeiramente você deve ser avaliado por um profissional para que seu diagnóstico seja adequado e consequentemente faça o tratamento correto. O tratamento consiste em uso de cremes ou pomadas antifúngicas até medicamentos orais dependendo da extensão da doença e da fase da mesma (aguda ou crônica). Além do tratamento medicamentoso, é necessário mudanças de hábitos de higiene que evitem a proliferação do fungo, como no caso de candidíase genital, realizar trocas de roupas íntimas com frequência adequada principalmente quando o paciente transpira muito, enxugar bem o genital após o banho, evitar relações sexuais quando a parceira estiver com corrimento vaginal, sexo anal somente com camisinha. É sempre importante avaliar a glicemia, visto que diabéticos descompensados são mais propensos para este tipo de doença. Às vezes, se houver repetição do quadro fúngico pode ser necessário cirurgia de postectomia (retirada do prepúcio). Att.

  • 39
  • 14
  • 42
Dr. Charles Villacorta Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Urologista

Belém

Marcar consulta

Ver as 4 respostas

O controle de cura é feito através da realização do exame chamado VDRL, onde acompanhamos a queda na sua titulação. Geralmente, faz-se o exame 6, 12 e 24 meses após o final do tratamento. Em pessoas infectadas pelo HIV, faz-se o primeiro VDRL para controle de cura após 3 meses. Caso a pessoa com sífilis seja uma mulher e esteja gestante, costumamos fazê-lo após 1 mês do final do tratamento. O ideal é individualizar caso a caso pois, às vezes, os intervalos entre os exames costumam ser um pouco diferentes do citado acima.

  • 4
  • 6
  • 126
Dra. Isabella Nóbrega

Infectologista

Salvador

Ver as 3 respostas

A principal doença sexualmente transmissível que causa a lipodistrófica e o HIV - aids, porém existem outras causas não infecciosas que podem causar lipodistrófica como doenças genéticas e hereditárias, uso de medicações e até causas desconhecidas!

  • 192
  • 273
  • 190
Alyk Vargas Alcobia Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 3 respostas

As lesões tratadas diminuem a chance de transmissão. Geralmente não há prejuízo quando tratada. Bom parto.

  • 2686
  • 602
  • 4680
Dr. Daniel Luís Pinto Ferreira

Urologista

Rio de Janeiro

Ver as 3 respostas

Não há aplicabilidade clinica pratica na sorologia do Herpes pois não há como individualizar o labial do genital ! Att

  • 4236
  • 761
  • 5190
Dr. Prof. Ricardo Alexandre Fernandes Ferro Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oncologista, Urologista

Brasília

Marcar consulta

Ver as 3 respostas

Olá! A Gardnerella vaginalis é uma bactéria que causa a vaginose bacteriana, que é uma infecção ginecológica própria de mulheres em idade fértil, porém não é uma doença sexualmente transmissível (DST). Ela occorre geralmente por desequilíbrio na flora bacteriana da região vaginal ou maus hábitos de higiene. Mobilunus spp. é uma espécie bacteriana que pode acompanhar a Gardnerella nesta infecção, portanto também não é uma DST. A vaginose bacteriana deve ser tratada com antibiótico apropriado.

  • 230
  • 43
  • 411
Dra. Diana Galvão Ventura Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Infectologista

Niterói

Marcar consulta

Ver as 3 respostas

Perguntas relacionadas

Outras perguntas respondidas por especialistas da Doctoralia: