Fibrilação Atrial - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Fibrilação Atrial

Os especialistas falam sobre a Fibrilação Atrial

Fibrilação atrial é a arritmia mantida mais frequente. Muito comum entre idosos, acometendo até 10% das pessoas com 80 anos ou mais. Ela traz risco considerável de embolia para o cérebro, com consequências nefastas definitivas e até a morte. É imperativo entre as condutas adotadas, tratamento para reduzir a coagulação do sangue. Temos de identificar os pontos de gravidade em cada paciente, para melhor definir o tratamento, considerando os riscos e benefícios das medidas. Ao paciente é explicado em detalhes o que pode ocorrer de bom e ruim, com cada medicação empregada. Casos são encaminhados para reversão, outros, para controle dos batimentos cardíacos e, alguns para Ablação dos focos.
Dr. Joel Alves Pinho Filho
Dr. Joel Alves Pinho Filho Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Médico clínico geral

|

Salvador

A fibrilação atrial ou FA é a arritmia cardíaca mais comum na prática diária, acomete principalmente pessoas acima dos 60 anos e pode estar associada a uma série de condições clínicas como hipertensão, diabetes, abuso de álcool, doenças que afetam o músculo e as válvulas cardíacas, etc. Porém, não é incomum pessoas sem qualquer alteração cardíaca desenvolver a FA. Essa arritmia geralmente provoca uma aceleração e uma irregularidade no ritmo cardíaco e pode provocar uma série de sintomas como palpitações, cansaço, falta de ar, fadiga, etc. Além de ser responsável por um terço de todos os casos de acidente vascular cerebral (AVC ou derrame cerebral).
Dr. Acácio Fernandes Cardoso

Cardiologista

|

São Paulo

A Fibrilação Atrial (FA) é a arritmia mais comum no mundo. Nela os átrios passam a ter centenas de estímulos elétricos por minuto, deixando de haver uma contração eficaz dos átrios e levando os ventrículos a batimentos irregulares e com frequência elevada. Esses são os mecanismos para as duas principais complicações da FA: taquicardia com frequências muito altas e formação de trombos nos átrios capazes de provocar um Acidente Vascular Cerebral (AVC). São nesses dois pilares que o tratamento se baseará, o uso de antiarrítmicos para controle da frequência ou ritmo cardíaco, e o uso de anticoagulantes para prevenir um AVC.
Leonardo Fernando Ferrari Nogueira
Leonardo Fernando Ferrari Nogueira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Médico clínico geral

|

São Paulo

Considerada por muitos uma epidemia do novo século pelo envelhecimento da população, hoje tem prevalência de 1-4% da população em alguns países, se tornando mais prevalente nos mais velhos. Nos Estados Unidos já é responsável por 20% dos Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs). Além de AVCs pode provocar quadros embólicos graves com obstrução das principais artérias do corpo, levando a amputação de membros,isquemia mesentérica, etc. Seu diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais na redução dos danos causados por essa arritmia.
Fabio Martins Nardo Botelho
Fabio Martins Nardo Botelho Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista

|

Brasília

Arritmia de ocorrência mais comum principalmente em idosos. Pode levar a formação de coágulos no coração e estes podem embolizar para o cérebro causando acidente vascular encefálico. Seu tratamento pode ser invasivo - ablação por cateter - ou não invasivo - com medicamentos.
Filipe Rego
Filipe Rego Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista

|

Natal

Ver mais

Tem perguntas sobre Fibrilação Atrial?

Nossos especialistas responderam 12 perguntas sobre Fibrilação Atrial.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Sim existe fibrilação atrial com batimento entre 80-90. Pode ocorrer fibrilação atrial com batimentos mais baixos ou mais altos depende de cada paciente. Existem pacientes que tem essa arritmia associada a um bloqueio atrio ventricular total por exemplo e podem ter um batimento de 30. Como você pode perceber cada paciente precisa ser avaliado individualmente por um Cardiologista/arrritmologista.

  • 18
  • 17
  • 25
Dra. Bruna Costa Lemos Silva Di Nubila Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Médica clínica geral

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Pode sim, para controle da frequência cardíaca, mas não seria minha primeira escolha.

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
  • 160
  • 113
  • 449
Prof. Dr. Sergio Emanuel Kaiser Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Olá boa pergunta, Um episódio de FA de resposta ventricular rápida pode virar um caso de urgência e necessidade de ir ao pronto socorro enquanto que outros podem apresentar-se com sintomas frustros. É variável de acordo com cada paciente. Porém raramente é fatal apesar de sempre existir o risco. É importante um seguimento adequado com especialista.

  • 65
  • 2
  • 34
Carlos Alexandre Volponi Lovatto Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista

Vitória

Marcar consulta

Extrassístoles e fibrilação atrial são arritmias diferentes e requerem tratamento diferente, com destaque para a última que, em vários casos, pode ser necessário o uso de anticoagulantes. Vale a pena um holter 24h.

  • 50
  • 3
  • 16
Fabricio Pelucci Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Cardiologista, Médico do trabalho

Belo Horizonte

Marcar consulta

Ver as 12 perguntas sobre Fibrilação Atrial