Glioblastoma - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Glioblastoma

Os especialistas falam sobre a Glioblastoma

Glioblastomas são tumores agressivos que geram muitas deficiências neurológicas e ameaçam a vida do paciente que recebe esse diagnóstico. A cirurgia tem um papel fundamental na sobrevida e na melhora dos sintomas neurológicos de muitos pacientes. A aquisição de experiência focada na ressecção máxima possível desse tipo de tumor é o fator que mais influencia no resultado do tratamento. Ressecções mais extensas podem ser alcançadas com o uso de equipamentos sofisticados como neuronavegação, aspiração ultrassônica e monitorização eletrofisiológica trans-operatória. Esses equipamentos já estão disponíveis em nosso meio e podem ser empregados na maioria dos casos para melhores resultados.
Bruno Loyola Godoy
Bruno Loyola Godoy Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

|

Rio de Janeiro

Gliomas ou astrocitomas são tumores das células estruturais do cérebro, conhecidas como células gliais. Esses tumores podem se apresentar com fraqueza, cefaléia ou crises convulsivas, ou alterações de personalidade. Alguns astrocitomas são considerados de baixo grau (low-grade) e podem ser benignos ou de crescimento lento. Astrocitomas mais agressivos, chamados glioblastoma multiforme, são geralmente rapidamente progressivos e malígnos. O objetivo da cirurgia é promover uma ressecção segura e, se possível, total, além de se estabelecer o tipo histológico do tumor. Quando apropriado, os pacientes podem ser candidatos a protocolos de quimioterapia e/ou radioterapia após a cirurgia.
Prof. Dr. Helder Tedeschi
Prof. Dr. Helder Tedeschi Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

|

São Paulo

Cirurgias oncológicas cerebrais são um dos nossos maiores desafios, pois estamos em constante reciclagem e aprimoramento por esta área da neurocirurgia que encontra-se em constante mudanças. Tudo isso com acolhimento do paciente e de sua família, que é ponto chave neste momento de fragilidade.
Luiz Antonio Araujo Dias Júnior

Neurocirurgião

|

Ribeirão Preto

O Glioblastoma é um tumor cerebral maligno, agressivo e de rápido crescimento. Trata-se de uma neoplasia originada do próprio tecido cerebral, sendo o tipo de tumor primário mais comum em pacientes adultos. A maioria dos pacientes com esse tipo de tumor são submetidos ao tratamento com uma combinação de cirurgia seguido de quimioterapia e radioterapia. O tratamento invariavelmente é longo e depende de uma equipe multidisciplinar especializada (neurocirurgião, oncologista, radioterapeuta, fisioterapêuta, nutricionista, enfermeiro, dentre outros). Quando realizado de forma adequada e por equipe adequadamente capacitada, o tratamento oferece melhoria da qualidade de vida do paciente.
Dr. Iuri Neville
Dr. Iuri Neville Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

|

São Paulo

Ver mais

Tem perguntas sobre Glioblastoma?

Nossos especialistas responderam 10 perguntas sobre Glioblastoma.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Concordo com a colega. Consulte o mais brevemente possível com um oncologista clínico e um radioterapeuta, levando todos os exames já realizados, a fim de iniciar o tratamento adjuvante.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 359
  • 88
  • 189
Dra. Patricia Moretto Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Internista, Oncologista

Porto Alegre

Marcar consulta

Por meio de avaliação neurocirúrgica criteriosa será possível determinar a indicação de reabordagem microcirúrgica e eventual utilização de quimioterápico local (carmustina wafer) além da manutenção da terapia quimioterápica sistêmica, mencionada pelo colega acima. Há diversos nuances no tratamento da recidiva dos gliomas malignos e algumas vezes a individualização do caso faz-se necessária. Consulte um Neurocirurgião com experiência em neuro-oncologia para maiores informações. À disposição.

  • 10
  • 4
  • 18
Dr. João Luiz Vitorino Araújo Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

São Paulo

Normalmente de 6 a 12 ciclos, cada ciclo durando 4 semanas. Na prática, em pacientes com boas condições clínicas e tolerando bem, vamos aos 12 ciclos até que esta pergunta ("o que é melhor? 6 ou 12 ciclos?") seja respondida na literatura médica.

  • 67
  • 18
  • 65
Allan Pereira

Oncologista

São Paulo

Os dois tipos de tumores são distintos, tanto nos exames de imagens de ressonância magnética (RM) e tomografia computadorizada (TC), como na histopatologia. Os glioblastomas são tumores mais agressivos, porém há subtipos de meningiomas mais agressivos também, como os anaplásicos. Com os exames de RM pré-operatório e durante o ato neurocirúrgico conseguimos ver as características tumorais que falam a favor de determinado tipo de lesão, porém a confirmação do tipo de tumor vem com a análise do exame histopatológico realizado por um Neuropatologista. O especialista em neurocirurgia deve esclarecer todas as dúvidas ao paciente e familiares.

  • 6
  • 0
  • 9
Dra. Adriana Libório Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgiã

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Ver as 10 perguntas sobre Glioblastoma