Glioma - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Glioma

Os especialistas falam sobre a Glioma

Os Gliomas cerebrais, são os principais tumores que se originam das células do sistema nervoso. Costumas dar sintomas de dor de cabeça que não melhora com tratamento, dar convulsões, simular um derrame, fazendo o paciente ficar com um dos lados do corpo mais fraco. Por ser um tumor, principalmente por ser no cérebro, o diagnóstico deve ser feito o quanto antes, para que o tratamento possa ser realizado, minimizando seus riscos. O tratamento com um neurocirurgião oncológico visa sempre minimizar os riscos para o paciente, tendo o cuidado de empregar todas as técnicas de primeira linha, disponíveis para cada caso.
Luiz Paulo Alves
Luiz Paulo Alves Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

|

Santos

Os gliomas são tumores que nascem do próprio cérebro. As formas mais frequentes de manifestação são convulsões, deficiências e dores de cabeça, a depender do tamanho e da localização da lesão. O diagnóstico é feito através de exames de imagem, principalmente a Ressonância Magnética, e confirmado através do exame de biópsia, após a abordagem cirúrgica. O tratamento pode ir desde acompanhamento seriado até a ressecção ampla, seguida ou não de quimioterapia e/ou radioterapia, a depender do tipo e da extensão de retirada da lesão.
Denildo Veríssimo
Denildo Veríssimo Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

|

Curitiba

Tem perguntas sobre Glioma?

Nossos especialistas responderam 3 perguntas sobre Glioma.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

De uma forma geral não utilizamos o termo cura para os gliomas de baixo grau de malignidade, mas sim controle. Essas neoplasias possuem uma evolução mais indolente em relação aos gliomas de alto grau de malignidade. Há disponível em alguns centros a avaliação genética /molecular dessas lesões, o que pode possibilitar predizer a evolução e a resposta à determinada terapia complementar, como no caso da quimioterapia. Procure um profissional habilitado para maiores esclarecimentos.

  • 10
  • 5
  • 22
Dr. João Luiz Vitorino Araújo Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

São Paulo

Gliomas de vias ópticas e de regiões circunjacentes (hipotálamo) são frequentes nas crianças. É importante uma avaliação oftalmológica, hormonal e de outras condições sistêmicas, tendo em vista a localização da lesão e a associação com determinados padrões genéticos deste tipo de glioma. Atualmente, o tratamento depende de vários fatores, principalmente de como ela está clinicamente. São opções terapêuticas a quimioterapia, a radioterapia e mesmo a cirurgia para ressecção tumoral.

  • 11
  • 3
  • 9
Dr. Rodrigo Becco de Souza Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurocirurgião

Fortaleza

Olá. Gliomas de vias ópticas são tumores raros que acometem principalmente crianças, como a sua filha. Normalmente são tumores benignos porém a localização impede tratamento cirúrgico curativo. A quimioterapia costuma ser o tratamento de escolha. Em alguns casos radioterapia e cirurgia podem ser empregados. Pacientes com gliomas de vias ópticas tem que ser investigados para presença de Neurofibromatose tipo 1 (uma alteração genética que está associada a gliomas de nervo óptico). Como sua filha está fazendo quimio mostrado boa resposta a conduta costuma ser a realização de exames de ressonância seriados para acompanhar se a lesão vai crescer ou não, dependendo disso que nos guiamos para avaliar novas intervenções.

  • 1
  • 0
  • 0
João Tiago Alves Belo

Neurocirurgião

Belo Horizonte

Ver as 3 perguntas sobre Glioma