Incontinência urinária em mulheres - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Incontinência urinária em mulheres

Informação sobre Incontinência urinária em mulheres

O que é incontinência urinária?

A enurese é a perda involuntária de urina em um lugar inadequado e tempo que pode ser objetivada e demonstrada e isso cria um problema social e de higiene para a pessoa que o tem. Até agora não tem sido reconhecida como uma doença em si, mas como um sinal ou um sintoma comum a muitos outros transtornos ou doenças.

Quem é mais afetado?

Idade é o principal fator associado à incontinência, detectar uma frequência máxima de pico entre 50 e 60 anos. Eles identificaram um número de fatores de risco adicionais: obstétrico-ginecológicas (gravidez, parto, prolapso pélvico, histerectomia), doenças sistêmicas (obesidade, doenças cardíacas, hipertensão tratados com diuréticos, doenças do sistema nervoso) e fatores ambientais e ocupacionais, que podem predispor a esta desordem.

Tipos de Incontinência

Basicamente, existem os seguintes tipos de incontinência urinária:

  • Esforço: a perda ou perda involuntária de urina com um esforço diário como tossir, espirrar, rir, correr, caminhar, saltar, levantar um peso, incorporou um assento mais baixo, e assim por diante. É o tipo mais comum de incontinência urinária em mulheres.
  • Emergência: é a perda involuntária de urina associada com um forte desejo de urinar. Ela observa que está indo para urinar e não pode conter. Geralmente acompanhada por um aumento na micção diurna ou noturna.
  • Mista: quando existe a perda urinária involuntária associada com urgência e esforço.
  • Contínuo: a perda constante e contínua de urina.
  • Overflow: perda involuntária de urina que se manifesta na forma de gotejamento associada com retenção urinária. Ela pode se referir a sintomas de incontinência associada a sintomas de dificuldade de esvaziar a bexiga de urina.
  • Bexiga hiperativa: inclui aqueles pacientes com sintomas de aumento da frequência urinária e urgência, com ou sem incontinência de urgência, provavelmente produzido pelo mesmo mecanismo que a incontinência de urgência.

Como é diagnosticada?

A avaliação e estudo de um paciente com incontinência urinária começa com uma história correta e abrangente ou perguntas dirigidas e destinadas a fornecer abundante informação fornecida por mulheres, seguido por um exame clínico completo e estudos adicionais para estimar o especialista que estuda (análise, técnicas de imagem, especializada urológica estudos, etc) ...

procedimentos básicos de diagnóstico

incluída a história médica, fatores de risco predisponentes a uma análise de sangue e de urina, chamado de questionários de sintomas e qualidade de vida eo diário miccional (registro de todos os eventos relacionados com a micção e sintomas urinários durante um período determinada 2-7 dias). O exame físico será abrangente e incluir a geral, mas também uma pélvica neurológicas, urológicas e ginecológicas.

 

Procedimentos urológicos

Geralmente incluem um exame urodinâmico, ou seja, a medição de vazão, pressão e volume de urina do paciente. Este é composto por vários testes, tais como urofluxometria ou representação gráfica da cistometria miccional, ou medir o volume / pressão da bexiga urinária, o estudo de pressão / fluxo, estudando a fase de esvaziamento do ciclo de micção, e outros mais sofisticados estudos eletrofisiológicos da eletromiografia do esfíncter uretral, o viedocistografía e videoecocisto

 

Técnicas de imagem

são ultra-sonografia, radiografia abdominal simples cistografia, ou radiografia contrastada da bexiga urinária, a urografia intravenosa ou radiografia contrastada de todo o trato urinário e de ressonância magnética nuclear. Finalmente, você também pode executar uma urina ou uretrocistoscopia endoscópica.

Quais são os tratamentos utilizados?

Cada tipo de incontinência requer um tratamento específico, por isso é muito importante a correcta avaliação e estudo individualizado do paciente pelo médico, como dissemos antes. É interessante conhecer as preferências do paciente, o tipo de vida que você faz e suas circunstâncias pessoais.

Vários tratamentos têm sido propostos, que brevemente expor:

Tratamento médico

Basicamente inclui:

  • Medidas de modificações de estilo de vida mais básicas, como a restrição da ingestão de líquidos e sua distribuição ao longo do dia.
  • Técnicas de modificação de comportamento, tais como a chamada micção programada, treinamento da bexiga, a adaptação da micção, exercícios do assoalho pélvico e técnicas de relaxamento para reduzir a ansiedade, muitas vezes associadas. Em suma, uma série de técnicas e tratamentos que se aplicam os conceitos de teorias de aprendizagem para distúrbios de comportamento.
  • Medicamentos, geralmente a partir da classe de medicamentos chamados anticolinérgicos (oxibutinina, cloreto de tróspio, tolterodina, etc) .. Estas drogas podem até melhorar e resolver a urgência, mas não produzem nenhum benefício em incontinência urinária de esforço.

Cirúrgico

É o tratamento de escolha para a incontinência urinária de esforço. Existem várias técnicas cirúrgicas. Atualmente, o mais comumente utilizados é através da vagina, colocando diferentes materiais ou fitas ao redor da uretra ou do tubo de urina de tentar trazê-lo para a sua localização anatômica correta.

Tratamento funcional

Basicamente de reabilitação do assoalho pélvico, onde os músculos que abrem e fecham o esfíncter da bexiga. A finalidade dos exercícios do assoalho pélvico é para melhorar o tônus ??muscular global nesta área e, mais especificamente, um músculo importante chamado detrusor da bexiga.

Destes exercícios destaca-se o exercício chamado Kejel que é "cortar o fluxo de urina durante a micção voluntariamente." Este exercício vai ajudar as mulheres a saber quando os músculos se contraem. Elas devem praticar fora da micção, 25 sessões consecutivas três vezes por dia. Como acontece com qualquer exercício, exige coerência na sua implementação e seus efeitos podem ser observados ao longo do tempo. Todos estes exercícios são realizados para melhorar a incontinência urinária.

Novas alternativas

  • Agentes injetáveis: é a criação de compressão ao redor da uretra para aumentar a resistência ao mecanismo de bloqueio. Têm sido utilizados com resultados variáveis, várias substâncias como o colágeno, cheios de solução salina ou microesferas de colágeno microbalões, carbono, gorduras, etc.
  • Neuromodulação sacral da raiz: indicado em pacientes com incontinência de urgência que não responderam ao tratamento conservador, e antes da cirurgia. Consiste em estimulação elétrica da raiz sacral do plexo nervoso a fim de modular os reflexos anormais involuntários do trato urinário inferior. O sistema é totalmente implantável com estimulação e consiste em três componentes: um eletrodo, gerador de pulsos elétricos semelhante a um marca-passo, e um cabo que conecta junto.
  • Paliativos: quando nenhum dos tratamentos acima foram eficazes. Produz uma melhora significativa na qualidade de vida dos pacientes e, apesar de não abordar diretamente as causas do problema,  melhora as suas consequências sociais. Neste tipo de tratamentos paliativos são utilizadas produtos para incontinência, e destacam-se absorventes, popularmente conhecidos como fraldas. Como o próprio nome sugere, são produtos destinados a absorver e reter urina e são usado por pessoas incontinentes. Mantem o paciente seco e prevene a cama de roupa molhada. No mercado existem diferentes formas, tamanhos e capacidades de absorção que facilitam seu uso, dependendo do tipo de incontinência urinária, características físicas do paciente e atividade. Eles são colocados no corpo por um dispositivo adequado de fixação.

Possui uma dúvida concreta sobre Incontinência urinária em mulheres? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Incontinência urinária em mulheres

Algumas mulheres quetem perda de urina quando fazem esforços ( como tosse ou espirros ) ou não conseguem adiar a micção ( perdem urina na roupa se tiver muita fila no banheiro por exemplo. Estas mulheres podem ter incontinência urinária, mesmo que a perda seja em gotinhas ou em maior quantidade. Em alguns casos o tratamento é com medicações de uso contínuo. Em outros casos é preciso fazer uma cirurgia relativamente simples, para colocação de uma tela abaixo da uretra. Esta tela segura o colo da bexiga no lugar , evitando a perda de urina.
Prof. Maurilio Batista Palhares Junior
Prof. Maurilio Batista Palhares Junior Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

|

Maringá

Incontinência é a perda involuntária de urina da bexiga em situações impróprias, atingindo 25% após a menopausa. Estima-se que cerca de 40% das mulheres terão algum episódio de incontinência urinária no decorrer da vida, pode ser persistente ou definitiva com instalação e piora progressiva. Muitas mulheres tornam-se incontinentes após o parto, histerectomia (cirurgia para retirada do útero) a perda de urina ocorre ao tossir, espirrar, rir, pular, correr ou realizar algum esforço. O diagnóstico é clínico, baseado em uma história e o Estudo Urodinâmico, É um exame que vai determinar se existem outras alterações e classificar o tipo de Incontinência Urinária norteando ao melhor tratamento.
Dr. Fabio Leal
Dr. Fabio Leal Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

|

Vitória

A incontinência urinária é uma condição que afeta dramaticamente a qualidade de vida, comprometendo o bem-estar físico, emocional, psicológico e social. ... Normalmente existe uma perfeita coordenação entre a bexiga e o esfíncter (músculo que funciona como uma válvula que fecha a uretra, impedindo a saída da urina) mas o pós parto, menopausa , infecções, fraqueza muscular e dos ligamentos podem ser uma das causas. Um diagnóstico correto e o tratamento com Laser, fisioterapia, medicamentos ou Slings pode resolver.
Dra. Natalia Gama
Dra. Natalia Gama Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

|

Rio de Janeiro

Dicas como prevenir as incontinências urinárias? Procure orientações de um fisioterapeuta especializado em assoalho pélvico antes de iniciar esportes ou atividades física de impacto, Comer alimentos ricos em fibras para evitar a constipação, Mulheres com tosse crônica evitar os fatores que levem essa tosse com frequência,evitando assim chance de descida do útero e da bexiga, Antes de engravidar realizar treinamento dos músculos perineais com um fisioterapeuta especializado, preparando essa região para um parto integro mantendo esses músculos saudáveis gerando uma qualidade de vida para essa mulher na sua vida intima. Fica a dica!
Sulamita Tomé Silva
Sulamita Tomé Silva Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Fisioterapeuta

|

Recife

Incontinência urinária é a perda involuntária de urina, mesmo que em pequenas quantidades. Apesar de muito comum entre mulheres, a perda de urina não faz parte do processo de "envelhecimento" e deve ser tratada. A fisioterapia pélvica é considerada a primeira tentativa de tratamento para incontinência urinária. O objetivo do tratamento é reconhecer e fortalecer a musculatura do assoalho pélvico que é responsável por ajudar na contenção de urina. Na clínica Fisiopelvica, utilizamos vários recursos para o tratamento, entre eles o Biofeedback, eletroestimulação e educadores.
Dr. Juliano Silveira
Dr. Juliano Silveira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Fisioterapeuta

|

Rio de Janeiro

Ver mais

Tem perguntas sobre Incontinência urinária em mulheres?

Nossos especialistas responderam 8 perguntas sobre Incontinência urinária em mulheres.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Como já respondido, atualmente existem novas técnicas cirúrgicas, porém existe também o tratamento conservador com a fisioterapia. O primeiro passo é saber a causa da sua incontinência e então começar o tratamento que tem apresentado resultados bastantes positivos.

  • 29
  • 26
  • 74
Juliani Bittencourt

Fisioterapeuta

Cabo Frio

Provavelmente, sim. Converse com seu médico para avaliar essa possibilidade, mas acredito que seja vantajoso para todos, uma vez que aproveita o horário de bloco cirúrgico, a anestesia, tempo de repouso, etc.

  • 286
  • 135
  • 707
Dra. Ingrid Cruz Hillesheim Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

Porto Alegre

Marcar consulta

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta e esclareça suas dúvidas. Para saber o que está acontecendo com você, a sua avaliação clínica através da história clínica, suas queixas e exame físico é fundamental. Não é possível o diagnóstico apenas pela sua descrição. Você terá uma melhora da incontinência urinária após 3 a 6 meses de fisioterapia. Os exercícios de Kegel podem melhorar o prolapso genital, dores na relação, frouxidão vaginal, dores pélvicas e funcionamento do intestino. Se não houver uma melhora com o tratamento fisioterápico, a cirurgia pode ser considerada. Converse com o seu médico.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 7970
  • 2999
  • 7893
Dr. Heitor Leandro Paiva Rodrigues Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Ginecologista

Ribeirão Preto

Marcar consulta

Normalmente este tipo de cirurgia e usada para corrigir problemas anatomicos da vagina como retocele e cistocele A cirurgia mais usada hj para incontinencia urinaria de esforco e o sling vaginal autologo ou heterologo Quanto saida deste liquido melhor procurar seu medico , porem se for pouca secrecao deve ser da sutura da parede vaginal Para sua tranquilidade fale com seu medico

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 62
  • 9
  • 54
Dr. Jose Roberto Colombo

Urologista

Botucatu

Ver as 8 perguntas sobre Incontinência urinária em mulheres