Sindrome do Pânico - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Sindrome do Pânico

Os especialistas falam sobre a Sindrome do Pânico

O pânico é definido como um distúrbio psicossomático, cujo principal sintoma é um medo irracional. Se manifesta, em primeiro lugar, quando surgem casos de medo intenso, geralmente breves que começam e terminam sem razão aparente. Aparecem junto com diversos distúrbios físicos, considerados específicos, como se fossem de indigestão ou infarto. O ataque aparece repentinamente, mesmo em pessoas consideradas como sadias e equilibradas.  Uma crise de pânico dura vários minutos e  os sintomas são como uma preparação do corpo para algo perigoso, e elege mecanismos usados para fugir. A maioria das pessoas que tem uma crise pode ter outras, especialmente se não tiver o tratamento adequado e eficaz.
Leila Câmara
Leila Câmara Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga, Sexóloga

|

Rio de Janeiro

Síndrome do Pânico Trata-se de uma crise de medo repentina e inesperada — desesperadora para quem a sente. Durante a crise, a pessoa pensa que vai morrer. Ela acredita que está tendo um ataque cardíaco, uma vez que o coração dispara, surge sudorese e falta de ar. Além disso, o medo aumenta a descarga de adrenalina, reforçando o pânico. Uma crise de pânico atinge seu grau máximo em 10 minutos e geralmente os primeiros sinais a serem notados são a respiração acelerada, a frequência cardíaca alta, dor no peito, tremores, tontura, calafrios e sensação de morte. Essas alterações são intensas e podem ser notadas por quem estiver próximo. É muito debilitante, contate um bom psicólogo, reaja.
Adriana Corrêa
Adriana Corrêa Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Rio de Janeiro

Tem perguntas sobre Sindrome do Pânico?

Nossos especialistas responderam 15 perguntas sobre Sindrome do Pânico.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

A sensação de estar se forçando a ser feliz não costuma ter muita relação com a Síndrome do Pânico propriamente dita. A síndrome do Pânico tem uma relação direta com ansiedade, essa ansiedade pode também levar a uma depressão, onde a perda da alegria( anedonia) aparece bastante. Não sei quem te diagnosticou, mas uma terapia vai te ajudar muito a entender o que de fato está ocorrendo e a recuperar sua real alegria. Procure um especialista. A Terapia Cognitiva Comportamental ajuda muito. Estou a disposição.

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
  • 27
  • 7
  • 16
Raquel Sant´Anna da Silva do Nascimento Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Niterói

Marcar consulta

Olá, pode causar sim! Síndrome de pânico geralmente causa muitos sintomas físicos como dor no peito, falta de ar, sudorese, palpitações...

  • 123
  • 53
  • 58
Mariana Barbosa Montes Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Boa noite! É preciso ter uma hipótese diagnóstica do seu caso para saber como o tratamento medicamentoso interagiu com seus sintomas (ainda que foram atenuados), investigando o histórico e o contexto em que estes emergiram. De fato, um momento estressante pode ter relação com a ansiedade, fazendo com que alguns destes sintomas retornem ou mesmo desencadeando novos. Para esclarecer isto, indico acompanhamento psicológico e psiquiátrico.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 7
  • 8
  • 2
Carolina Araújo Tavares Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Londrina

Marcar consulta

Olá. A síndrome do pânico é uma doença de tratamento longo e multidisciplinar. Como qualquer doença psiquiátrica, é preciso algumas vezes testar diferentes medicações, pois cada pessoa pode ter respostas diferentes ao mesmo tratamento. Além do acompanhamento psiquiátrico e de fazer uso da medicação conforme a orientação médica, o acompanhamento psicológico é imprescindível para ter uma melhora mais efetiva, pois sem falar sobre a ansiedade, os medos, o que incomoda e ainda sobre o que dispara esses gatilhos, a medicação vai continuar apenas tratando os sintomas, sem mexer nas causas deles. Seria como tratar um ferimento à bala com um curativo externo: pode até estancar o sangue, mas não trata os danos internos e o problema continua grave. É ainda importante que o psicologo que te atende seja alguém com quem voce se sente confortavel para falar, com quem se identifique e haja empatia. Pode ser que não acerte no primeiro, e não há problema em procurar um novo profissional se necessário!

  • 41
  • 43
  • 21
Mayra Kruse de Morais Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicóloga

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 15 perguntas sobre Sindrome do Pânico