Transtorno bipolar - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Transtorno bipolar

Informação sobre Transtorno bipolar

A pessoa com transtorno bipolar é caracterizada por sofrer muitas mudanças de humor e de níveis de atividade. Especificamente, são produzidas oscilações exagerada e periódicas de três estados de espírito: deprimido, eufórico e maníaco (aceleração). Estudos indicam que o transtorno bipolar pode ser congênito pela falta de estabilidade na transmissão dos impulsos nervosos no cérebro. A alteração cerebral alterada traz mais vulnerabilidade quando confrontada com eventos de vida estressantes que desencadeiam episódios maníaco-depressivos.

Possui uma dúvida concreta sobre Transtorno bipolar? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Transtorno bipolar

O transtorno bipolar é uma alteração do humor do indivíduo que vai além de tristeza e alegria. Portanto não necessariamente estamos falando de uma patologia na qual o individuo cicla entre depressão e euforia e somente em casos raros a pessoa acorda de um jeito e vai dormir de outro como é a crença popular. Trata-se de uma doença crônica, sem cura definitiva, mas que pode ser controlada de forma eficaz e o portador pode levar sua vida normalmente. É fundamental que o paciente seja orientado a como perceber e lidar com as fases assim pode ser feita uma intervenção precoce. Há uma série de tratamentos que beneficiam o paciente e permitem que ele leve uma vida normal.
Dr. Douglas Motta Calderoni

Psiquiatra

|

São Paulo

A pessoa passa por fases de depressão que duram, ao menos 2 semanas e fases de mania por, ao menos 1 semana. Na mania, o estado de humor é eufórico (muitíssimo alegre); a energia fica muito aumentada, inquieta; dorme pouco e não sente falta do sono; as idéias passam muito rápido pela cabeça, fica muito falante e muda de um assunto para outro; mais desinibida; tem interesse aumentado por coisas religiosas, se expõe mais a riscos pensando que nada de mal pode lhe acontecer; faz gastos compulsivamente e se empolga excessivamente com planos pessoais. O transtorno se deve a um distúrbio neuroquímico, mas além controle com medicação, psicoterapia, apoio familiar e informação são essenciais.
Dr. Rafael Ventura Lima
Dr. Rafael Ventura Lima Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

São Paulo

Para o tratamento do Transtorno Bipolar, a Psicoeducação é de fundamental importância. Somente conhecendo o transtorno a fundo, o paciente pode entender o que está acontecendo com ele e saber os caminhos para a melhora. Se o paciente não souber do seu problema, ele não buscará a ajuda adequada no momento certo. Ele também não ficará firme no tratamento, ocasionando recidivas e recaídas de episódios de mania e depressão.
Dr. José Mauro Barbosa Reis
Dr. José Mauro Barbosa Reis Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Belo Horizonte

O humor contempla o afeto e a vontade e é uma função mental essencial para o estabelecimento de laço social. No Transtorno Afetivo Bipolar há grave desequilíbrio do humor , cursando com fases de depressão e humor exaltado em intensidade severa a ponto de causar desajuste social, maior abuso de drogas e risco de suicídio. Há uma grande dificuldade de reconhecimento deste transtorno, sendo que a média de intervalo entre o início dos sintomas e do tratamento costuma ser de 10 anos. O tratamento consiste em medicamentos como os estabilizadores de humor e a psicoterapia que busca tratar a particularidade de sofrimento de casa pessoa frente aos sintomas vivenciados.
Dra. Sheila Hauck Barbosa

Psiquiatra

|

Santo André

O paciente apresenta períodos de euforia (mania) alternados com depressão. A euforia deve durar ao menos 1 semana - geralmente tem duração maior – com sintomas como irritabilidade, diminuição de sono, gastos excessivos, aumento da pressão por falar, agitação, autoestima exacerbada, pensamento acelerado. O tratamento consiste em uso de medicações estabilizadoras do humor e antipsicóticos – ainda não possui cura mas pode ter controle e é importante que o paciente, mesmo estável, não abandone o tratamento. Durante a consulta é feito uma investigação do histórico pessoal e familiar, exames para diagnósticos diferenciais. O objetivo do tratamento é que o paciente tenha uma vida normal
Dra. Vivian Machado
Dra. Vivian Machado Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Rio de Janeiro

Ver mais

Tem perguntas sobre Transtorno bipolar?

Nossos especialistas responderam 396 perguntas sobre Transtorno bipolar.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

O apoio da família ao paciente portador de Transtorno Bipolar é de extrema relevância. Tendo em vista que as alterações de humor constantes dificultam no convívio. No entanto a família deve levar em consideração que essas mudanças constantes de humor são de ordem neuroquímica e que o paciente necessita de cuidados especiais. Sendo necessário o acompanhamento psicoterapêutico e, dependendo do grau do transtorno, da mesma forma o tratamento com psicotrópicos. Uma boa dose de paciência, principalmente no ínicio do tratamento vai motivar o paciente a continuar lutando para vencer a psicopatologia. A psicoterapia que utiliza métodos catárticos vai possibilitar o aprendizado do paciente em lidar com seus próprios impulsos. A família pode auxiliar na escuta, fazendo com que o paciente se sinta acolhido e amparado. Um alerta: esses pacientes tem risco de suicídio, por conta do sentimento de culpa. O transtorno bipolar tem cura, desde que haja interesse e apoio da família.

  • 4
  • 5
  • 20
Ciliane Lucia Petranski Do Prado

Psicóloga

Curitiba

O que pode fazer um paciente ficar impedido de dirigir um carro não é especificamente o transtorno bipolar em si, mas sim o uso de algumas medicações que podem ter um efeito sedativo e diminuir os reflexos do paciente (durante o tratamento), aumentando também a sonolência, por exemplo. Outro fator que pode prejudicar a capacidade de direção e coloca-lo em risco é o período de crise dentro do transtorno, tanto um episódio de mania/hipomania, onde o paciente acaba assumindo uma atitude com mais perigosa e destemida, tem aumento da agressividade, pode aumentar a irritabilidade no trânsito, etc, ou então um episódio depressivo, que pode também prejudicar a sua capacidade funcional da direção. Mas é importante destacar que, caso o paciente esteja sendo adequadamente tratado,esteja sendo corretamente medicado, esteja em acompanhamento com um psicólogo em conjunto com o psiquiatra e não esteja em nenhum episódio de crise, a vida dele vai ser bastante normal, com uma ótima qualidade de vida!

  • Obrigado 17
  • 11 especialistas de acordo
  • 173
  • 771
  • 2504
Dr. Luiz Henrique Junqueira Dieckmann Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

São Paulo

Marcar consulta

De maneira simplificada, as pessoas com transtorno bipolar passam por períodos de depressão alternados com períodos de grande euforia. Alguns dos sintomas comuns nos períodos de depressão são falta de energia e vontade, perda de interesse por atividades que antes apreciava, alterações no sono, lentidão no pensamento, alterações no apetite, dentre outros. Nos períodos de euforia as pessoas com transtorno bipolar costumam ficar excessivamente agitadas, impulsivas, com excesso de energia, desatentas e hiperativas.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 28
  • 34
  • 11
Dra. Ana Lúcia Pereira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

São Paulo

Marcar consulta

Existe a possibilidade de "virada" sim, contudo como você estia fazendo uso de estabilizador de humor as chances de ocorre a mudança para o polo de mania cai em aproximadamente 50%. Portanto, ao menor sinal de mudança de estado de humor deve-se procurar o profissional que lhe presta a assistência e reavaliar o uso da medicação. abraços .

  • 7
  • 10
  • 7
Dr. Jadiel Luis Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Recife

Marcar consulta

Ver as 396 perguntas sobre Transtorno bipolar