Perguntas sobre Transtorno Da Conduta

Tem perguntas sobre Transtorno Da Conduta?

Nossos especialistas responderam 40 perguntas sobre Transtorno Da Conduta.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Perguntas sobre Transtorno Da Conduta

40Perguntas

305Respostas

200Especialistas de acordo

244Pacientes agradecidos

Pelo seu relato, acho interessante procurar um profissional de psicologia para uma avaliação, e caso ele ache importante, ele te encaminha para um psiquiatra para fazer um tratamento em parceria. Com relação a procura de um psicólogo, acho que muito mais do que abordagem do profissional (psicanalista, analista do comportamento, cognitivo comportamental) é importante você encontrar um psicólogo com o qual você se sinta a vontade para conversar! Espero ter ajudado. Fico a disposição para tirar qualquer dúvida que você tenha.

  • 16
  • 12
  • 18
Bianca Batista Dalmaso

Psicóloga

São Paulo

Ver as 24 respostas

O transtorno bipolar tem um fator genético, isso quer dizer que precisa existir uma pré disposição para a doença, porém é necessário um fator desencadeante, que pode ter sido as experiências vividas por ele no curso sim. No entanto, para um diagnóstico, é necessário observar o tempo em que estes sintomas estão presentes, a intensidade deles, entre outras coisas. Apenas um profissional pode estabelecer um diagnóstico preciso bem como o prognóstico a seguir. Procure um psicólogo para uma avaliação precisa!

  • 2
  • 7
  • 1
Juliana Corrade Braga Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Contagem

Ver as 16 respostas

Olá. Sentir ciúme quando alguém quebra a nossa confiança é natural, afinal, depositamos expectativas sobre os outros. Entretanto, o que você está dizendo é que este sentimento parece estar tomando proporções maiores, pois vc não se sente em paz. Esse tipo de imaginação traz muito desconforto e desgaste mental e, portanto, é um indicador de que a ajuda psicológica é a melhor alternativa. Se estiver disposta a trabalhar em prol de si mesma, há possibilidade de mudança.

  • 26
  • 9
  • 15
Gislaine Chaves Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicóloga

São Paulo

Marcar consulta

Ver as 16 respostas

O importante nesse momento é esta próximo da pessoa e certificar-se que ela não seja violenta com você e com outros. É bem possível que em alguma hora a pessoa não consiga mais sutentar esse forma de relação destrutiva com o outro e é nesse momento que apresentamos algum direcionamento. Claro que você também deve se preservar nessa situação, mas um tratamento efetivo necessita que a pessoa minimamente deseje ser tratada.

  • 9
  • 10
  • 6
André Luiz Santiago Pires Bessa

Psicanalista, Psicólogo

Fortaleza

Ver as 14 respostas

No caso então, você luta contra uma compulsão. A psicanálise lida muito bem com as questões referentes a sexualidade, sendo de ordem compulsiva ou não , tendo muito a oferecer frente a essa demanda, podendo ser de grande valia para essa sua queixa.

  • 175
  • 227
  • 163
Thiago de Sousa Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicólogo

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Ver as 13 respostas

Apostaria inicialmente em te ouvir mais em um espaço de psicanálise antes de propor um diagnóstico psiquiátrico para o quadro, já que as propostas medicamentosas podem não ser tão eficazes e às vezes trazer efeitos colaterais, dependendo do quadro. Arriscaria pensar em um quadro neurótico dissociativo e por isso penso que o tratamento medicamentoso pode naão ser muito útil.

  • 10
  • 18
  • 51
Dr. Alex Muniz Ferreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Campinas

Ver as 11 respostas

O ideal é buscar orientação com um psicólogo quanto aos comportamentos que ela apresenta, ele pode te orientar melhor quanto ao que fazer em relação a sua filha, assim como auxilia-lá a lidar com diversas situações.

  • 48
  • 53
  • 31
Ítalo Souza Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Aracaju

Marcar consulta

Ver as 11 respostas

Talvez você tenha sofrido muitas decepções em sua vida, o que fez com que você se tornasse uma pessoa com mágoas e dificuldade em perdoar, tornando isso um padrão de comportamento, mas para situações e pessoas diferentes, ou seja, você pode estar julgando todos de forma indiscriminada, se baseando em suas experiências negativas passadas, o que não é saudável. A psicoterapia pode te ajudar a ressignificar essas vivências, a julgar cada experiência de acordo a realidade presente, e se tornar uma pessoa mais feliz.

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
  • 25
  • 8
  • 12
Hely Tavares Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Vitória

Marcar consulta

Ver as 11 respostas

Olá! Segundo o nosso código de ética, o psicólogo pode quebrar o sigilo ao perceber que o paciente corre algum risco ou indica algum risco a alguém. Caso o paciente indique a intenção de machucar outras pessoas, é papel do psicólogo informar isso a um responsável para que ele tome uma decisão.

  • 66
  • 116
  • 68
Cecília Weiller Bastos

Psicóloga

São Paulo

Ver as 10 respostas

As principais patologias psiquiátricas que acometem a Infância e Adolescência tendem a aumentar a frequência de comportamentos agressivos que podem ter sua origem em diversas causas. Com a ausência de abordagem adequada esse comportamento pode agravar e tornar-se ameaçador. Dessa forma, é necessária uma avaliação em todos os contextos em que o pré adolescente está inserido e identificar as causas desse comportamento realizando então um tratamento sistematizado e multidisciplinar que inclui avaliação com psiquiatra infantil para identificação diagnóstica, acompanhamento psicoterápico para abordar dificuldades emocionais e treinar habilidades, orientação parental para melhor manejar as crises e interação com a escola buscando a inserção em atividades que promovam o desenvolvimento pró-social.

  • 11
  • 22
  • 25
Dra. Naique Dellai Campos Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Curitiba

Marcar consulta

Ver as 10 respostas

Perguntas relacionadas

Outras perguntas respondidas por especialistas da Doctoralia: