Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

Informação sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

O que é TDAH?

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (ADHD), também conhecido como transtorno hipercinético e transtorno de déficit de atenção (ADD) é uma doença de crianças e consiste de uma série de problemas de comportamento caracterizado por um padrão persistente de perda cuidados e / ou hiperatividade. Junto com hiperatividade, também pode incluir uma alta impulsividade, agitação, além da falta de atenção e muitas vezes impedem as crianças de aprender e interagir adequadamente com outras crianças ou adultos.

Quem é afetado pelo TDAH?

Estima-se que 1-5% de crianças em idade escolar sofrem de TDAH, Transtorno hipercinético ou ADD, com 3 a 5 vezes mais comum em meninos que em meninas.

Quais são os sintomas de TDAH?

Segundo a Organização Mundial de Saúde, os critérios para o diagnóstico são agrupadas em três grupos principais de sintomas. Enquanto os dois principais grupos de sintomas são hiperatividade e déficit de atenção, um terceiro grupo de sintomas, a impulsividade, deve ser levado em conta. Os sintomas devem persistir por pelo menos seis meses e não deve ser explicável e normal para a idade ou nível de inteligência da criança.

Às vezes os problemas não estão em casa, mas podem ser muito evidente quando a criança vai à escola. Isso pode acontecer quando os pais não percebem que o comportamento do seu filho sai da norma (talvez porque eles tiveram mais filhos, ou ter outras crianças que se comportam de forma semelhante). Também pode ser porque os problemas são ligeiros ou porque a família lidou com a falta de atenção em casa, então não há nenhuma evidência de que é um problema sério ou porque a criança é muito pequena. Nestes casos, é bastante razoável que os pais pensem que seu filho tem um problema de déficit de atenção.

Hiperatividade

Geralmente é alta, de forma inadequada ou têm dificuldade em integrar as atividades de lazer tranquilo. Mostra um padrão de atividade motora excessiva e persistente que não é substancialmente alterado pelas exigências sociais. Levanta-se na sala de aula ou em outras situações em que permanecer sentado é esperado. Mostram-se muitas vezes preocupados com os movimentos das mãos ou os pés ou se remexem na cadeira.

Déficit de atenção

Muitas vezes incapazes de prestar atenção a detalhes ou cometem erros por descuido em atividades escolares ou outras atividades. Muitas vezes é incapaz de sustentar a atenção em tarefas ou jogar. Muitas vezes parece não ouvir o que você diz. Muitas vezes não consegue acompanhar, através de instruções ou acabar tarefas ou deveres (não devido a comportamento de oposição ou incapacidade de compreender instruções deliberada). Incapacidade de organizar tarefas e atividades. Muitas vezes evita tarefas como lição de casa que exijam esforço mental. Com freqüência perde coisas necessárias para tarefas ou atividades, tais como lápis, livros ou brinquedos. Muito facilmente distraídos. Eles são freqüentemente esquecidos de suas atividades diárias.

Impulsividade

Eles muitas vezes choram ou respondem antes de fazer a pergunta. Muitas vezes são incapazes de manter sua vez nas filas, ou em situações de outro grupo. Freqüentemente interrompem ou se intrometem em outros assuntos (por exemplo, interferir em outras conversas ou jogos dos outros). Geralmente falam demais sem restrição de considerações de ordem social.

Que outras doenças devem ser excluídas?

Primeiro você tem que ter em mente que muitas crianças podem ser muito ativas e facilmente distraídas ou têm dificuldade de concentração. Se esses comportamentos são relativamente menores, não deve ser considerado como uma alteração.

Antes de diagnosticar o TDAH, transtorno hipercinético ADD deve ser descartada que a criança tenha qualquer uma das situações abaixo:

  • Convulsões que podem causar sonolencia e afetam seus cuidados. A epilepsia também pode causar um comportamento incomum e levar à percepção anormal.
  • Problemas de audição, tais como surdez ou audição infecções repetidas que podem tornar a criança incapaz de seguir as indicações e parecem desatentos.
  • Lendo os problemas que tornam difícil para completar tarefas ou seguir as instruções.
  • Transtorno obsessivo-compulsivo que levam a estranhos rituais- manter as pessoas ocupadas, seus pensamentos e distrair sua atenção.
  • Doença de Gilles de la Tourette - movimentos espasmódicos repetitivos involuntários do corpo, juntamente com ruídos repentinos ou palavrões.
  • Autismo e síndrome de Asperger, pois isso dá origem a dificuldades na compreensão e uso de linguagem, juntamente com o funcionamento social prejudicado.
  • Períodos prolongados de sono insuficiente, causando falta de concentração.
  • Episódios depressivos.

Que outras dificuldades podem surgir com TDAH?

TDAH costuma aparecer para acompanhar outros problemas e não é a única causa de conduta anormal e comportamento. Crianças podem apresentar crises de birra, distúrbios do sono e falta de jeito. Outros problemas de comportamento que ocorrem com TDAH são:

  • Comportamento de oposição deliberada. A criança perde a calma, argumenta e se recusa a obedecer a adultos e deliberadamente irrita outros.
  • Mudanças comportamentais que ocorrem pelo menos 25% das crianças. A criança pode ser destrutiva ou demonstrar comportamento errado, como mentir repetidamente, quebrando as regras ou roubar.
  • Dificuldades de aprendizagem específicas, como dislexia, ocorrendo em 25 a 30% das crianças.
  • Depressão clínica grave.
  • Transtornos de ansiedade.

Quais são as causas do TDAH?

Ninguém sabe as causas do TDAH, ADD ou transtorno hipercinético. Geralmente surge de uma combinação de fatores psicológicos, biológicos e ambientais.

Fatores Biológicos

  • Temperamento da criança, pois isso influencia a sua atitude e personalidade.
  • Estudos de gêmeos sugerem uma ligação genética para TDAH. 80 a 90% de gêmeos idênticos, onde a pessoa tem TDAH apresenta também o outro. Pesquisas recentes sugerem que há uma boa chance de herdar de parentes do sexo masculino, como avós e tios.
  • Lesão cerebral por trauma de nascimento ou problemas de pré-natal. As estruturas do cérebro que foram pensados ?podem estar ligadas ao desenvolvimento do TDAH e são vulneráveis ??a lesões hipóxico durante o parto. A lesão é causada por oxigênio insuficiente atingindo partes do cérebro, reduzindo o fluxo sanguíneo.

Fatores ambientais

  • Estresse familiar
  • Dificuldades educativas

Como é diagnosticado o TDAH?

TDAH exige um diagnóstico médico, geralmente um psiquiatra ou um pediatra. Muitas vezes não é apropriado a outros profissionais, como psicólogos, fonoaudiólogos e professores a contribuir com suas observações para a avaliação de crianças com TDAH possível.

Não há nenhum teste de diagnóstico para o TDAH, por isso você deve coletar todos os tipos de informações como as seguintes:

  • História de sintomas: a natureza exata das dificuldades, quando notou pela primeira vez, em que situação ocorreu, fatores que agravam ou aliviar.
  • História médica: fatores de risco que podem predispor uma criança com TDAH incluem dificuldades e riscos durante a gravidez e o parto, por exemplo, se a mãe tinha tido a saúde debilitada, era muito jovem ou bebia álcool e fumava. Isto é importante porque há sérias condições médicas associadas com TDAH, como a síndrome do X frágil, síndrome alcoólica fetal, fenilcetonúria ou alterações de hormônio da tireóide. Devem ser considerados: acidentes, operações e condições médicas crônicas, como asma, epilepsia e problemas cardíacos, fígado e rins. Também pode ser relevante qualquer medicação que toma a criança, bem como reações adversas a medicamentos que tiveram no passado.
  • História psiquiátrica passada: perguntar sobre problemas de saúde mental do seu filho pode ajudar a descartar depressão ou ansiedade após os sintomas.
  • História da Educação: Isso indica que o nível de capacidade e as dificuldades que eles têm, como eles funcionam no seu grupo, como eles se dão bem com os professores, e as dificuldades comportamentais, tais como suspensões ou exclusões. Você precisa de uma avaliação mais detalhada da aprendizagem das crianças por um psicólogo.
  • Avaliação do temperamento e da personalidade da criança pode ser necessário para avaliar o temperamento da criança e personalidade, os outros membros da família e da natureza de suas relações dentro da família. Isto irá incluir a discussão dos métodos utilizados pelos pais para controlar o comportamento das crianças e sucesso. Embora isto pareça invasivo, o consultor irá manter-se neutro e os pais não devem sentir que a doença é "culpa".
  • História da família: saúde física e mental dos pais da criança e outros membros da família podem ser importantes, especialmente em relação à incidência de TDAH ou depressão.
  • Avaliação social: as condições sociais da família, como suporte à casa, pobreza, problemas sociais podem ter um impacto sobre o comportamento da criança.

Qual é o tratamento para esses transtornos?

O tratamento depende do diagnóstico preciso da criança e quais os sintomas são proeminentes. Deve levar em conta as dificuldades específicas e essas podem ajudar a melhorar. Medicação sozinha muitas vezes não é suficiente para atender todas as necessidades com ADHD, ADD ou distúrbio hipercinético, muitas vezes é necessário combiná-lo com tratamentos psicológicos para ajudar a modificar o comportamento da criança, para apoiar os pais e melhorar a desempenho escolar.

Técnicas de gestão para pais e professores:

Enquanto a criança é a que sofre, não é fácil viver com uma criança com este distúrbio. Pais e professores são elementos-chave no tratamento e deve estabelecer estratégias para a modificação de comportamento, com um sistema estruturado de recompensas e castigos, sempre com o apoio e aconselhamento de um especialista, seja um psiquiatra, psicólogo ou terapeuta infantil. É essencial que os pais compreendam que a permissividade excessiva não vai ajudar seu filho e em qualquer caso, irá impedi-lo aprender a ser responsável por suas próprias ações. Portanto, não é benéfico isentar completamente destas crianças as tarefas, responsabilidades e regras que se aplicam a outras crianças.

Algumas das seguintes estratégias podem ser úteis:

  • Crie uma rotina diária para a criança, por exemplo, programas de lição de casa, rotinas, hora de ir para a cama e comer.
  • Dê instruções específicas e concretas para a criança e peça as coisas claras e razoável, por exemplo, em vez de dizer a criança a comportar-se, diga calmamente: sugiro você jogar com um determinado brinquedo nos próximos 10 minutos.
  • Estabelecer regras claras e fáceis de entender, por exemplo, o quanto você pode ver TV, e que certos comportamentos são inaceitáveis.
  • Seja consistente no tratamento e manejo da criança.
  • Retire do seu ambiente os elementos que podem distraí-lo de sua rotina diária. Por exemplo, remover brinquedos ao fazer lição de casa ou desligar a TV.
  • Planeje, com a ajuda de um profissional, programas estruturados para aumentar gradualmente o grau de concentração das crianças e sua capacidade de se concentrar em tarefas.
  • Se houver mais de uma criança em casa, comunique-se com cada um delas de cada vez e evite entrar em contato com várias crianças ao mesmo tempo.
  • Use recompensas (como doces, vouchers ou até mesmo dinheiro) de forma consistente e com freqüência para reforçar o comportamento adequado como ouvir os adultos, fazer lição de casa, terminar a refeição sem se levantar, etc.
  • Ignorar completamente a criança ou usar uma série de sanções (como não jogar com a consola de jogos, enviado para seu quarto, assistindo TV ou não) quando seu comportamento é inaceitável ou que tenha ultrapassado os limites. O objetivo é que as crianças gradualmente aprendem a reconhecer qual dos seus comportamentos não são apenas aceitáveis, mas você também vai ficar em apuros. Sob nenhuma circunstância deve recorrer ao castigo físico.
  • É essencial para manter uma boa comunicação e colaboração com a escola ou creche.

Medicação

Embora, como mencionado acima, a medicação muitas vezes não é suficiente em muitos casos é necessário no tratamento desses transtornos. Quando tiver que tomar medicação deve esclarecer que é simplesmente uma ajuda adicional para fazê-los funcionar e se encaixam melhor na escola com outras crianças e adultos. Deve ser tratada rapidamente e eliminar o estigma e preconceitos (por exemplo, se eu tomar essas pílulas é porque eu sou louco).

As drogas mais comumente usadas no tratamento do TDAH são estimulantes do sistema nervoso central, como alguns derivados da anfetamina, sendo o mais amplamente usado drogas metilfenidato (Rubifen). Estes medicamentos são eficazes na redução da hiperactividade e impulsividade e ajuda a melhorar o foco e a concentração da criança. Estas drogas não devem ser utilizadas em crianças menores de 6 anos, pois tem alguns efeitos secundários significativos e devem ser administrados sob rigorosa supervisão médica.

Outras drogas que têm sido utilizados com sucesso no tratamento desses distúrbios são antidepressivos como a fluoxetina, imipramina ou outras drogas que inibem a recaptação da serotonina, ou bupropiona.

Tratamentos psicológicos

As técnicas de modificação de comportamento, tais como as mencionadas acima são essenciais no tratamento do TDAH, TDAH ou transtorno hipercinético e déficit de atenção leves. Outras formas de tratamento psicológico podem ser úteis para terapias específicas que incluem diminuição da ansiedade, terapias melhoradas e terapia de grupo em certas habilidades sociais. Além disso, também precisamos do apoio de aprendizado individual e grupal, visando a melhoria do desempenho escolar e integração.

Qual é o prognóstico?

O curso e progressão dos sintomas é muito variável. Os sintomas podem persistir na adolescência e idade adulta, desaparecer durante a puberdade, ou podem ter uma remissão parcial, de modo a desaparecer, mas persistem hiperatividade de déficit de atenção e problemas de controle de impulsos. Cerca de metade das pessoas afetadas têm uma remissão completa dos sintomas na puberdade, e isso é muito raro antes dos 12 anos. No entanto, um número significativo de pacientes terão problemas que persistem na vida adulta. De facto, 15-20% dos casos os sintomas persistem na adolescência e idade adulta. Neste caso, é muitas vezes acompanhada de outros distúrbios, tais como sintomas depressivos, transtornos de ansiedade, álcool ou outras drogas ou comportamento anti-social.

Possui uma dúvida concreta sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

Já existem estudos que mostraram diferenças no cérebro de crianças e adolescentes com déficit de atenção. Essa condição faz com que o cérebro não consiga filtrar os estímulos o que acaba fazendo com que não se consiga focar sua atenção no que é importante. Procrastinação ( viver adiando as coisas) , desorganização e impulsividade são alguns dos sintomas do TDAH. Na vida adulta, frenquentemente os pacientes reclamam de não conseguir render no trabalho e se sentem ansiosos, frustrados. Além dos remédios, técnicas de organização, métodos diferentes de estudo e tratamento psicológico ajudam a conviver com o transtorno e melhorar seu rendimento nos estudos e vida em geral.
Dra. Denise Leal
Dra. Denise Leal Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Médica clínica geral , Neurologista

|

Florianópolis

Só quem tem esse transtorno sabe dos prejuízos que vivencia e como tem que "lutar com um leão por dia", como disse alguém. Pessoas com TDAH geralmente são rotuladas como preguiçosas, bagunceiras, desorganizadas, etc. Com certeza, se o cérebro dessas pessoas colaborasse, elas não teriam esses prejuízos. Portanto, é importante fazer uma investigação acurada, até porque os sintomas desse transtorno são encontrados também em outros quadros e, por isso, muitas pessoas ainda fazem tratamento errôneo. Após avaliação, é importante a reabilitação neuropsicológica para ampliação da memória, melhorar no planejamento e organização, etc. A TCC também ajuda bastante e é recomendada (terapia).
Creuza M Salvaterra
Creuza M Salvaterra Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Ipatinga

No Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade devemos de início identificar os pontos principais que influencia o paciente. A partir disso, trabalhar sua falta de atenção e hiperatividade, de forma separada para não haver confusão. Em uma conclusão, ambos estarão mais equilibrados e mais fáceis de serem controlados; ou seja; tratados. É fundamental que o paciente colabore e se esforce o seu máximo para que junto ao terapeuta, possam ter sucessos com as sessões.
Dra. Karime Pinto Rocha Marconcini
Dra. Karime Pinto Rocha Marconcini Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Vitoria

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é pouco reconhecido entre adultos, porém é um quadro frequente que leva a prejuízos em diversas áreas, incluindo a acadêmica (colégio, faculdade ou pós-graduação), o trabalho ou as relações pessoais. Sintomas comuns incluem falta de organização, dificuldade em manter a atenção em atividades entediantes, procrastinação (sempre adiar as coisas que precisa fazer), iniciar várias atividades, mas não concluí-las, impulsividade e inquietação. O tratamento envolve o uso de psicoestimulantes e terapia cognitivo comportamental.
Dr. Gustavo Coutinho de Faria
Dr. Gustavo Coutinho de Faria Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Belo Horizonte

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Ele é chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Em inglês, também é chamado de ADD, ADHD ou de AD/HD.
Rodrigo Koroviski
Rodrigo Koroviski Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo, Psicopedagogo

|

Ponta Grossa

Ver mais

Tem perguntas sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)?

Nossos especialistas responderam 152 perguntas sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Pode sim ser diagnosticado em adultos, e pode encontrar maior esclarecimento com psicólogo ou psiquiatra. Geralmente os sintomas são a maneira com que você aprendeu a lidar com o mundo e que em muitos casos foram eficazes mas que em outros podem trazer prejuízos a sua vida social, afetiva ou profissional, recomendo que busque ajuda de um especialista.

  • 11
  • 18
  • 14
Wilson Luconi Junior

Psicólogo

Cuiabá

Na internet você pode responder inventarios e obter resultados, porém mesmo dando positivo não significa ser este o seu diagnóstico, partindo do princípio que os sintomas permeiam entre as manifestações patológicas. Sugiro que realize o Psicodiagnostico com psicologo, profissional apto para isso ou médico psiquiatra; a fim de poderes resolver sua dúvida é iniciar tratamento certo. Boa sorte.

  • 124
  • 75
  • 88
Dra. Vera Marinho Maschio Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Porto Alegre

Sim, uma das causas do TDAH é a genética e a chance de transmitir o gene para o filho supera 70%. Normalmente, tanto o pai quanto a mãe possuem o gene. Por se tratar de um transtorno neuroquimico, o acompanhamento com psiquiatra é indispensável. O psicólogo também é fundamental, vai ajudar a lidar com as características do transtorno e também educar e auxiliar a família, que muitas vezes não sabe como agir. No entanto, isso não significa que a presença do gene garanta que o indivíduo aoresente TDAH. Importante salientar que não devemos rotular uma pessoa que possui individualidade e história pessoal única com um transtorno. Se o João possui TDAH, ele não é o TDAH, ele continua a ser o João. Tudo isso faz parte da orientação que é dada aos pais, professores e ,principalmente, o sujeito.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 135
  • 120
  • 74
Gisela Nonnenberg Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Rio de Janeiro

Compreendo que a avaliação do profissional não se propôs a uma avaliação psicológica, mas apenas a uma testagem, nesse sentido, o dado apresentado não deve ser entendido como um resultado ou um laudo. Caso você e seus familiares não percebam prejuízo devido a falta de atenção, não deve se preocupar com isso. Geralmente utilizamos mais de um teste de atenção, quando há resultado muito inferior, de modo a verificar se o testando compreendeu a tarefa a ser realizada na avaliação. Um abraço

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
  • 120
  • 136
  • 94
Matheus de M. M. Schreiner Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Florianópolis

Marcar consulta

Ver as 152 perguntas sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)