Transtorno De Pânico - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Transtorno De Pânico

Informação sobre Transtorno De Pânico

O que é?

O transtorno de pânico ou síndrome do pânico, como o evento é mais conhecido, se caracteriza pela ocorrência frequente de crises similares a ataques cardíacos. Essas crises ocorrem sem que sejam deflagradas por motivos físicos. São períodos de intensa ansiedade que geram na pessoa o medo de morrer. O quadro é considerado uma das formas de transtorno de ansiedade.

Qual é a causa?

Não há consenso em relação às causas que disparam o transtorno de pânico. Três são as hipóteses principais levantadas como motivadoras desse quadro:

- Alteração nos sistemas neurotransmissores do cérebro: sua disfunção ou hiperatividade causaria o aumento na sensação de medo. A ansiedade excessiva dispararia as crises de pânico.

- Os fatores hereditários também são apontados como causadores do transtorno de pânico.

- Um terceiro motivador dessas crises seria a utilização de substâncias químicas como anfetaminas (utilizadas em tratamentos para emagrecer) ou drogas como cocaína, êxtase, crack e maconha.

Quais os sintomas?

As crises de pânico começam com um sentimento de medo e desconforto que vai crescendo. Seu ápice é atingido após cerca de dez minutos quando a pessoa passa a sentir que sua vida está em risco e uma catástrofe prestes a acontecer. Durante esse período, o organismo gera uma série de sintomas físicos. Entre eles estão:

- sudorese

- palpitações e taquicardia

- tremores

- sensação de falta de ar ou sufocamento

- sensação de asfixia

- náusea ou dores no estômago

- sensação de instabilidade, tontura ou desmaio -

 sensação de estar fora do mundo real ou fora de si mesmo

- medo de morrer

- medo de enlouquecer

- formigamento nos membros

- calafrios ou ondas de calor

Os ataques duram em média de 20 a 30 minutos. Alguns podem se prolongar por horas, porém isso não ocorre com grande frequência. Na grande maioria das vezes as crises não passam de uma hora. Normalmente o transtorno de pânico se inicia após os 20 anos. Geralmente a primeira crise ocorre até os 24 anos, mas o período de maior propensão aos ataques vai até 40 anos. As crises ocorrem mais em mulheres que em homens. Estima-se que de 2% a 4% da população já tenha passado pelas crises de pânico. Esses ataques são capazes de gerar na pessoa um grande medo de que voltem acontecer a qualquer momento fazendo-a desenvolver outros transtornos de ansiedade.

Como fazer o diagnóstico?

A Associação Psiquiátrica Norte-Americana desenvolveu um Manual de Diagnósticos e Estatísticas para Doenças Mentais. Segundo o manual, se paciente apresentar quatro ou mais dos sintomas descritos acima, sua crise poderá ser classificada como síndrome ou transtorno de pânico.

Qual o tratamento?

Psicoterapia e medicamentos são indicados para evitar as crises de pânico. Os medicamentos normalmente só começam a apresentar resultados após quatro semanas. Entre os mais utilizados estão os antidepressivos e os ansiolíticos. Seu uso deve ser prolongado. O período de tratamento pode variar de seis meses até dois anos de acordo com os resultados. Em algumas situações, a duração pode ser prolongada.

Possui uma dúvida concreta sobre Transtorno De Pânico? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Transtorno De Pânico

A síndrome do pânico ou transtorno de pânico é um transtorno de ansiedade onde a pessoa apresenta ataques de pânico inesperados e recorrentes. O ataque de pânico é um surto de medo ou desconforto intenso, acompanhado de vários sintomas físicos e cognitivos. Na crise a pessoa pode apresentar: taquicardia (coração acelerado), tremores, falta de ar ou sensação de sufocamento, dor no peito, náuseas, tontura ou vertigem, formigamentos no corpo, sensação de desmaio, de perder o controle ou "enlouquecer", de morrer. A pessoa também pode desenvolver um forte medo de ter novas crises, evitando situações ou lugares que podem favorecer o mesmo. Contudo, há tratamento e melhora importante do quadro!
Dra. Fabiana Ribeiro Gonçalves
Dra. Fabiana Ribeiro Gonçalves Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Neurologista

|

Goiânia

A síndrome ou transtorno do pânico (ansiedade paroxística episódica) é uma doença que se caracteriza pela ocorrência repentina, inesperada e de certa forma inexplicável de crises de ansiedade aguda marcadas por muito medo e desespero, associadas a sintomas físicos e emocionais aterrorizantes, que atingem sua intensidade máxima em até dez minutos. Durante o ataque de pânico, em geral de curta duração, a pessoa experimenta a nítida sensação de que vai morrer, ou de que perdeu o controle sobre si mesma e vai enlouquecer. Técnicas comportamentais associadas a respiração e relaxamento auxiliam em momentos de crise.
Dra. Betânia Tassis
Dra. Betânia Tassis Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicóloga

|

Rio de Janeiro

O transtorno do pânico é o transtorno de ansiedade que paralisa as pessoas pelo Medo executivo de que algo terrível vai acontecer, nesse caso as pessoa sentem muitos desconfortos fisiológicos que são involuntários, tipo: -Dificuldade de respirar; -Rosto afogueado; -Medo de morrer; -Taquicardia; -Sudorese; -tremores ou formigamentos(mãos e pernas) -incapacidade de relaxar... dentre outros..
Deirlene Ribeiro

Psicóloga

|

Salvador

Ao pensar em pânico, pensamos que as pessoas parecem que têm isso do nada, mas na verdade, o pânico é um produto pensamento.da pessoa Quando você quebra seus pensamentos em componentes separados, você consegue dominá-los.Para isso busque ajuda de um psicólogo.
Dra. Vanderlúcia Macario
Dra. Vanderlúcia Macario Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Florianópolis

A Síndrome do pânico é um transtorno geralmente diagnosticado em pessoas que experimentam ataques de pânico espontâneos, repentinos e inesperados. Os sintomas físicos assemelham-se a um ataque cardíaco (palpitações, dor torácica, sudorese, calafrios ou ondas de calor, tremores, sensações de falta de ar ou sufocamento, náusea ou desconforto abdominal, vertigem ou tontura e formigamentos. A Terapia Cognitiva Comportamental é um tratamento eficaz que visa superar as crises de pânico, agindo sobre os processos responsáveis pelo início, manutenção e recaída nos ataques de pânico, além de ensinar estratégias de regulação da ansiedade.
Luciana Costa Barros
Luciana Costa Barros Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Curitiba

Ver mais

Tem perguntas sobre Transtorno De Pânico?

Nossos especialistas responderam 78 perguntas sobre Transtorno De Pânico.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Os sintomas são sugestivos de um ataque de pânico, porém se faz necessário uma avaliação mais criteriosa para fechar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado. procure um profissional psicólogo.

  • 26
  • 48
  • 15
Dr. Enéas Cassiano dos Santos Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Nova Iguaçu

Síndrome do Pânico é transtorno de ansiedade. O mais recomendado é que você busque acompanhamento médico e psicológico. Tanto ajuda psiquiátrica e psicológica são importantes.

  • 10
  • 15
  • 12
Luciano Mesquita de Sousa Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Salvador

Marcar consulta

Síndrome do pânico não provoca alterações no paladar. Algumas medicações podem deixar a boca mais seca, com gosto amargo ou metálico, mas não adormecer a lingua.

  • 544
  • 530
  • 497
Tomás Rotelli de Olivieira Ferreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Uberaba

Olá, tudo bem? A psicoterapia pode ajudar a sua filha a entender o que causa este medo em sua origem e ressignificar sentimentos, entendimentos e sintomas por meio de técnicas psicoterápicas como exposição, indução e racionalizações - aqui exemplos de caminhos da terapia cognitivo-comportamental, mas toda abordagem é capacitada a lidar com estas questões, tendo que ver qual faria maior sentido para ela, em questão de afinidade. Espero ter auxiliado! Até breve!

  • Obrigado 3
  • 1 especialista está de acordo
  • 43
  • 28
  • 19
Priscilla Gianneschi Navarro

Psicóloga

São Paulo

Ver as 78 perguntas sobre Transtorno De Pânico