Transtorno Depressivo - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Transtorno Depressivo

Informação sobre Transtorno Depressivo

O que é?

A depressão é um estado constante de tristeza que leva à falta de prazer na hora de realizar as tarefas do dia a dia. A tristeza é um sentimento natural em alguns acontecimentos de nossas vidas. Porém, sua duração é relativamente curta. A depressão, todavia, é a extensão desse sentimento por longos períodos sem que tenham sido registrados fatos motivadores para a geração desse sentimento.

Qual é a causa?

A ciência não aponta uma causa específica para a depressão. Na realidade, vários são os motivos indicados para o transtorno depressivo, especialmente em relação à genética, alimentação e a condição psicológica. Um dos fatores frequentemente associado à depressão é a hereditariedade. Pessoas que possuem familiares próximos com transtornos depressivos teriam predisposição à doença. Estudos científicos relatam ainda elementos biológicos e físicos como fatores que levam ao desenvolvimento do quadro depressivo. Falta de serotonina, acetilocolina, dopamina, adrenalina e noradrenalina estão entre os elementos biológicos que alteram os neurotransmissores cerebrais e facilitam o desenvolvimento da depressão. Essa falta pode ser causada até pela alimentação. Entre as questões físicas, os acidentes são a principal motivação para o desenvolvimento dos transtornos depressivos. Entretanto, são os problemas psicológicos os fatores dominantes no diagnóstico. Períodos onde a pessoa encontra dificuldades maiores nos relacionamentos ou passa por problemas econômicos gerando situações de estresse seriam o gatilho para disparar o estado de depressão. Existem momentos específicos capazes de gerar transtornos depressivos. O luto é um deles. No caso das mulheres, muitas sofrem distúrbios durante o período pré-menstrual e, eventualmente, após o parto. Fatores climáticos também poderiam disparar o estado de depressão. No outono e no inverno o clima geraria um intenso sentimento de tristeza que desaparece no verão e na primavera.

Quais os sintomas?

A falta de ânimo é o primeiro sintoma associado à depressão. O doente não tem vontade de levantar-se da cama e realizar tarefas simples como a higiene pessoal. Mas a lista de sintomas associados à doença é longa e inclui: sensação de tristeza constante, baixa autoestima, sentimento de culpa, ideias de suicídio, fadiga crônica, diminuição da capacidade de concentração e de tomar decisões, alteração no sono (sono demais ou insônia, dependendo da pessoa), alteração do apetite (perda ou aumento, também variável em cada quadro), diminuição no interesse sexual, crises de choro, isolamento social e agitação ou retardo no sistema psicomotor.

Como fazer o diagnóstico?

O médico precisa fazer uma entrevista com o paciente para descobrir a presença dos sintomas descritos acima. Eles indicarão não apenas a presença do quadro depressivo, mas também sua intensidade. Os transtornos depressivos de menor grau são qualificados como distimia. Já os quadros mais intensos são qualificados como depressão maior.

Qual o tratamento?

O uso de medicamentos antidepressivos é praticamente consenso na comunidade médica para o tratamento de transtornos depressivos. Em alguns casos, a psicoterapia também é indicada para auxiliar no tratamento. Nos transtornos depressivos mais graves, o uso de ansiolíticos e antipsicóticos também podem ser indicados.

Possui uma dúvida concreta sobre Transtorno Depressivo? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Transtorno Depressivo

O transtorno depressivo atinge cerca de 121 Milhões de pessoas no mundo. No Brasil cerca de 18 % da população sofre de depressão. Trata-se de uma doença em que, apesar de acometer muitas pessoas, ainda tem uma série de estigmas que para tratar precisamos esclarecer: Depressão é diferente de tristeza. É normal sentir tristeza e isso é muito saudável, mas na depressão a tristeza ela é acompanhada de diversos sintomas como pessimismo, lentificação do pensamento, alterações de sono e apetite, fadiga, diminuição atividades prazerosas, dores emocionais e físicas, etc O tratamento vai além da medicação, é preciso entender o que o paciente sente e orientá-lo como modificar hábitos para melhorar.
Dr. Douglas Motta Calderoni

Psiquiatra

|

São Paulo

A depressão atinge milhões em todo o mundo. Destrói a qualidade de vida e do envelhecimento e é caracterizada por tristeza diária, falta de animo para realizar o que gostava, apatia, isolamento social, aumenta a dor e o risco de problemas na memoria. A avaliação clinica adequada auxilia no diagnóstico precoce e seu devido tratamento.
Dra. Silvana Angelica Coelho Nogueira
Dra. Silvana Angelica Coelho Nogueira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Geriatra

|

Brasília

A depressão tem sido um dos transtornos que mais afetará as pessoas nos próximos 20 anos. Se caracteriza por humor triste, ausência de prazer, falta de entusiasmo em atividades que normalmente eram apreciadas pelo mesmo, pensamentos negativos, como pessimismo e desespero e redução da energia. Segundo estudos, substancias neurológicas, que nos levam sentir prazer e alegria na vida, são reduzidas. O que a psicoterapia busca é identificar as relações e o ambiente que o cliente está inserido, bem como a sua história de vida, que possam ter levado a essa condição psicológica. E a partir daí analisar possibilidades e alternativas que levem a uma melhor qualidade de vida e à alegria de viver.
Valéria Cardoso Truchlaeff
Valéria Cardoso Truchlaeff Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Fortaleza

Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão (leve, moderado ou grave), o paciente apresenta um rebaixamento do humor, redução da energia e diminuição da atividade. Existe alteração da capacidade de experimentar o prazer, perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração associadas em geral à fadiga, mesmo após um esforço mínimo. O humor depressivo varia pouco diariamente ou segundo as circunstâncias.
Dra. Betânia Tassis
Dra. Betânia Tassis Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicanalista, Psicóloga

|

Rio de Janeiro

É um transtorno de humor, que apresenta como características mais comuns a evidência dos sentimentos de tristeza, irritabilidade, apatia, ausência de prazer, bem como, alterações cognitivas, psicomotoras, do sono , e ideações suicidas, podendo levar o indivíduo ao suicídio nos casos mais severos. Ocorre alterações neuroquímicas no cérebro do paciente.O tratamento psicoterápico envolve técnicas para auxiliar o paciente a melhorar sua qualidade de vida , por meio de investigação para elucidar conflitos precoces, de identificação dos agentes perturbadores, para ajudar o paciente a dessensibilizar e reprocessar as cognições negativas bloqueadas no cérebro.
Lúcia Dornelas Cavalcante
Lúcia Dornelas Cavalcante Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Recife

Ver mais

Tem perguntas sobre Transtorno Depressivo?

Nossos especialistas responderam 93 perguntas sobre Transtorno Depressivo.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Ambos profissionais realizam tratamento para depressão e ansiedade de forma complementar um ao outro. Se forem sensatos, o psicólogo irá encaminhar para o psiquiatra nos casos graves, assim como o psiquiatra encaminhará para o psicólogo quando há indicação de psicoterapia. Quando se trata de casos leves a moderados, a psicoterapia é a linha de tratamento mais indicada. Já em casos graves (por exemplo quando há ideação suicida ou sintomas psicóticos), é necessária avaliação psiquiátrica, uso de medicação e solicitação de exames complementares.

  • 743
  • 778
  • 1411
Tomás Rotelli de Olivieira Ferreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Uberaba

Recomendo que procure um médico de confiança para fazer uma avaliação geral e afastar problemas clínicos, ou se houver necessidade iniciar um acompanhamento medicamentoso com Psiquiatra. Mas iniciar um trabalho de Psicoterápia é essencial, pois através do autoconhecimento ela poderá elevar a sua autoestima e entender quais conflitos internos a levam a esse tipo de comportamento. Assim ela poderá adquirir um maior equilibrio psicoemocional para um melhor convívio relacional familiar, social e profissional. Abraços.

  • 310
  • 194
  • 305
Natalia Marques Antunes Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Barueri

Nem Transtornos Depressivos ou Transtornos Ansiosos causam danos neurológicos. Há pacientes que tem dúvidas como a sua. Para que você fique despreocupada, pode pedir ao seu médico que lhe solicite uma Avaliação Neurológica. Pelo seu relato, uma Ressonância Magnética Cranioencefálica já poderá ser o suficiente.

  • 70
  • 30
  • 34
Dr. Eduardo Adnet Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Nutrólogo, Psiquiatra

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Olá! Boa noite! A depender do estágio que a depressão se apresente para uma determinada pessoa, é possível sim que ocorra o embotamento afetivo em alguns casos, pois, a depressão configura-se como uma diminuição ou paralisação da energia psíquica que movimenta o sujeito no mundo, auxiliando-o a executar diferentes tarefas, a ter prazer e disposição para experimentar a vida. Assim, é possível que a pessoa que se encontre num quadro depressivo grave ou crítico, não consigo de fato sentir emoção ou empatia por nada ou ninguém, nem por ela mesma. Por isso a importância de procurar ajuda profissional. Procure um profissional de sua confiança. Peça ajuda! Preze sua saúde mental! Sempre é possível recomeçar. Abraço

  • 6
  • 11
  • 5
Jamile Barreto Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Salvador

Ver as 93 perguntas sobre Transtorno Depressivo