Transtorno Distímico - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Transtorno Distímico

Informação sobre Transtorno Distímico

Distimia é um transtorno do humor assim como a depressão porém ocorre de uma forma crônica, com a persistência de tristeza por longo tempo (pelo menos dois anos), durando a maior parte do dia, na maioria dos dias.
Além da tristeza pode estar presente também alteração do apetite, do padrão de sono, sensação de diminuição de energia, baixa auto estima, com pensamentos de menos valia, culpa, de não ter valor ou pessimismo intenso.
Trata de uma patologia crônica. Também é conhecida como a doença do mau humor, pois as pessoas que sofrem desta doença são cronicamente mau humoradas.
Muitas vezes está associada a outras doenças como depressão, ataques de pânico e ansiedade, quadros dolorosos, o que leva aos pacientes procurarem vários especialistas sem sucesso.
O tratamento é com medicamento e psicoterapia. Atividade física e cuidados com o sono e alimentação fazem parte do tratamento também.

Possui uma dúvida concreta sobre Transtorno Distímico? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Transtorno Distímico

A Distimia é um tipo de depressão que faz parte do grupo dos transtornos mentais que interferem com o humor das pessoas e por isso os psiquiatras chamam esses quadros de "Transtornos do Humor". Ela é diferente porque seus sintomas são mais leves, mas têm uma longa duração. Isso torna difícil que o paciente se perceba deprimido, fazendo com que ele conviva com essa depressão, tentando se sobrepor. Muitas vezes é tida como uma personalidade difícil, pessimismo ou um mal humorado. As pessoas não conseguem sentir prazer nas suas atividades, sente-se pesado, lento, fazendo apenas o que é obrigado. Tem tratamento e a qualidade de vida melhora muito, inclusive dos familiares.
Dr. Douglas Motta Calderoni

Psiquiatra

|

São Paulo

O portador de distimia costuma ter prejuízos em diversas esferas sociais. São pacientes cronicamente deprimidos, que costumam não sentir prazer nas atividades habituais, podem ser irritados, tem uma visão negativa sobre si próprios e sobre os outros, baixa autoestima, sentimento de desesperança, diminuição da energia para as atividades, insônia. Entretanto, com ajuda de um psiquiatra e de um psicólogo, os pacientes distímicos podem apresentar melhora substancial dos sintomas e ter mais qualidade de vida.
Dr. Geraldo Moreira
Dr. Geraldo Moreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

|

Recife

Tem perguntas sobre Transtorno Distímico?

Nossos especialistas responderam 13 perguntas sobre Transtorno Distímico.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional da saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Olá! O primeiro passo você já deu: reconheceu o problema e percebeu que precisa de ajuda, muito importante você conseguir se abrir aqui. O próximo passo é encontrar um/a psicólogo/a que você se identifique, para que consiga elaborar essas questões em um ambiente protegido. Parabéns pela iniciativa e boa sorte!

  • 19
  • 46
  • 10
Bruna Paschoalini

Psicóloga

São Paulo

O portador de distimia costuma ter prejuízos em diversas esferas sociais. São pacientes que costumam não sentir prazer nas atividades habituais, podem ser irritados, tem uma visão negativa sobre si próprio e sobre os outros, baixa autoestima, sentimento de desesperança, diminuição da energia para as atividades, insônia. Entretanto, com ajuda de um psiquiatra e de um psicólogo, os pacientes distímicos podem apresentar melhora substancial dos sintomas e ter mais qualidade de vida. Não é uma disfunção executiva permanente. Atenciosamente, Dr. Geraldo Moreira.

  • 85
  • 67
  • 48
Dr. Geraldo Moreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Recife

Desde que você não tenha nenhum transtorno de ansiedade além da distimia a bupropiona é sim uma boa escolha. Ela é um dos poucos antidepressivos que raramente prejudica a libido (pode inclusive melhorar), raramente dá sono (tem a tendência de deixar mais desperto), provoca uma tendência em emagrecer e é particularmente eficiente em sintomas de perda de energia, perda de interesse, desânimo e lentificação. Claro que cada organismo reage de uma forma e, no fim das contas, a melhor medicação é aquela que se você tiver a melhor adaptação. Porém, como as colegas acima falaram, a psicoterapia é uma forma eficiente de tratar a distimia, podendo ser realizada sozinha ou em conjunto com uso de medicações.

  • 560
  • 547
  • 564
Tomás Rotelli de Olivieira Ferreira Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psiquiatra

Uberaba

A principal característica da distimia é o estado depressivo leve e com duração longa. Para diagnosticar a distimia é preciso diferenciá-la da instabilidade de humor (euforia-depressão) e depressão propriamente dita. Vejamos alguns sintomas da distimia: falta de apetite e energia, baixa autoestima, dificuldade de concentração, desesperança etc. Procure um (a) psicólogo (a) para ajudá-lo (a) a identificar a distimia. Precisando, estarei a disposição. Um abraço!

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
  • 16
  • 6
  • 5
Sueli Cabral Midlej Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Salvador

Marcar consulta

Ver as 13 perguntas sobre Transtorno Distímico