Existe algum transtorno cognitivo que prejudica somente uma determinad...

Há necessidade de uma investigação mais detalhada. Precisa-se verificar como essa "disfunção" se expressa, sua frequência, em quais situações, quais os prejuízos, desde quando isso ocorre, qual a idade da pessoa, entre tantas outras questões. Pode sugerir uma questão psicológica a ser trabalhada. Porém, déficits atencionais, de percepção e de funções executivas (como as envolvidas com o raciocínio, análise e solução de problemas, tomada de decisões) podem comprometer este julgamento e, em alguns casos, podem ser apenas um dos sintomas relacionados a algum quadro neurológico ou psiquiátrico. Uma avaliação neuropsicológica é importante neste caso.

Problemas cognitivos estão relacionados a funções cognitivas como atenção, memória, linguagem, funções executivas e etc. Não existe uma patologia exatamente como foi descrita e sim processos degenerativos do cérebro como síndrome demencial onde o indivíduo fica com dificuldade não apenas em analisar o comportamento do outro como seu próprio comportamento. A noção de metacognição está afetada, ou seja, capacidade de julgamento e discernimento. Quanto o problema é cognitivo é necessário realizar uma avaliação neuropsicológica e identificar se parte de um quadro neurológico ou psiquiátrico é assim seguir para o processo de reabilitação neuropsicológica.

Levando em consideração que a cognição envolve funções como percepção, atenção entre outras, temos que observar outros comportamentos. Dependendo do comprometimento que este julgamento faz no convívio social, por exemplo, se esta pessoa tem um julgamento do qual impossibilita a sua convivência social, pode ser caracterizado patológico. É necessário uma avaliação psicológica.

De acordo com a CID-10 e DSM-5, os dez tipos de transtornos de personalidade sempre são acompanhando de alguns critérios. Normalmente algumas comorbidades são bem parecidas, o que muitas vezes dificulta um diagnostico mais preciso.Exemplo: Transtorno Borderline e Bipolar, tem algumas características bem próximas.

Definitivamente, no cérebro não temos como entender uma disfunção isolada de todas as outras funções cognitivas.
A inter-relação entre as áreas está constantemente presente nos diversos processos cerebrais.
Quando há problemas cognitivos deve-se fazer a avaliação neuropsicológica para poder ver possíveis comprometimentos e assim determinar o processo de reabilitação das dificuldades da pessoa. Neste processo é muito importante a participação dos familiares cuidadores. Coloco-me a disposição. Abraços.

A cognição envolve várias funções corticais superiores como atenção, memória, percepção, sensação, entre outras. Quando há algum distúrbio cognitivo de causa neurológica como as demências vascular, alzheimer, etc a personalidade sofre alterações quantitativas e qualitativas porque vários centros cerebrais encontram- de comprometidos. No alzheimer o reconhecimento dos familiares e a conduta agressiva são comuns.

Olá, primeiro precisamos compreender que aspecto cognitivo foi afetado; depois qual área do cérebro foi atingida; depois qual a relação deste dois aspectos da doença com a dificuldade que este paciente tem nas suas relações interpessoais e na sua conduta.

As funções cerebrais não estão isoladas e sim, conectadas entre si, tanto no que se refere á função quanto estrutura.
Se uma pessoa apresenta alterações no julgamento moral, provavelmente ela terá alguma outra alteração cognitiva, no entanto, as pessoas diferem entre si; por isso cabe uma avaliação neuropsicológica para esclarecer o caso.

A sua questão precisaria ser melhor avaliada. Sugiro que tire sua dúvida de forma mais concreta. Ou seja, procurando por exemplo uma avaliação neuropsicológica. Sucesso!

Ver as 3 perguntas sobre Transtornos cognitivos

Perguntas relacionadas

Outras perguntas respondidas por especialistas da Doctoralia:

Tem perguntas sobre Transtornos cognitivos?

Nossos especialistas responderam 3 perguntas sobre Transtornos cognitivos.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.