Paulo Crespolini

Paulo Crespolini

Psicólogo

Competência em: Depressão, Transtornos de Ansiedade, Terapia de Casal, Transtornos em Crianças e Adolescentes

Número de Identificação Profissional: CRP 06/132391

Consultório

1

Opiniões para Paulo Crespolini

5

Baseado em 1 opinião

Pontualidade

Atenção

Instalações

Você foi atendido/a por Paulo Crespolini?

Opinar

O melhor: "Quero agradecer ao Drº Paulo pela atenção e dedicação nesses quase 1 ano de terapia.
Ele é muito atencioso, faz intervenções na medida certa e me ajuda a não ser guiado pela ansiedade. Entre todos terapeutas que passei esse foi o que demonstrou maior conhecimento e sabedoria para me ajudar."

Paciente que marcou consulta com Paulo Crespolini em Rua Manuel da Nóbrega, 354 (Ao lado da Estação Brigadeiro, na região da Av. Paulista)

Paulo Crespolini respondeu a esta opinião

Fico grato pela consideração ao meu trabalho. Também lhe agradeço por me permitir fazer parte desse processo psíquico de conquistas permanentes. Forte abraço!

Experiência

Formação

  • FilósofoPontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)2004
  • TeólogoInstituto de Filosofia e Teologia de Goiás (IFITEG)2009
  • PSICÓLOGOUniversidade Paulista (UNIP)2010

Sobre mim

Número de Identificação Profissional: CRP 06/132391

Experiência em

Idiomas

  • Português

Serviços

  • Primeira consulta Psicologia
  • Anamnese Psicológica
  • Avaliação Psicológica
  • Dificuldade em comunicação
  • Escala de Locus de Controle da Dor
  • Escalas Beck
  • Orientação Escolar
  • Orientação profissional
  • Orientação Vocacional
  • Pirâmides Coloridas de Pfiste
  • Procedimento de Desenho-Estória
  • Psicoterapia
  • Psicoterapia Adulto
  • Psicoterapia Criança
  • Terapia de Casal
  • Testes Projetivos
  • Tratamento terapêutico da fibromialgia

Artigos escritos por Paulo Crespolini

Tratamento terapêutico da fibromialgia

Mesmo nascida na alma, a Fibromialgia é dolorosamente testemunhada no corpo. Não são raros os teóricos que a chamam de ‘doença da alma’. Isso porque a experiência da dor não é apenas física, mas também psíquica. Trata-se de uma síndrome reumatológica crônica, com dores agudas e difusas por toda a musculatura, mas sem causa orgânica exclusiva. Além do cansaço intenso, há os sintomas do sono interrompido por diversas vezes durante a noite, acompanhado da fadiga ao despertar pela manhã. É um dormir que não repara nem repousa. Isso sem contar os lapsos na memória, a irritabilidade constante, a ansiedade e, em alguns casos, a depressão. Por isso, a importância do acompanhamento psicológico.

Testes Projetivos

A projeção é concebida como um processo inconsciente e, ao mesmo tempo, involuntário, no qual um conteúdo do mundo interno (subjetivo) é transferido para uma pessoa ou algum objeto externo, como forma de aliviar a ansiedade e fazer com as partes negadas da personalidade pareçam pertencer ao receptáculo da projeção, soando como semelhantes e até mesmo familiares. Na clínica costumo recorrer aos testes projetivos, principalmente, durante o Psicodiagnóstico Interventivo, logo no início do tratamento. Também há casos em que os aplico por encaminhamento de outro psicólogo. O mais importante é que, por meio dos testes projetivos, é possível compreender a estrutura de uma personalidade.

Veja os 8 artigos escritos por Paulo Crespolini

Respostas de Paulo Crespolini

10 Respostas

6 Especialistas de acordo

16 Pacientes agradecidos

Paulo Crespolini está respondendo perguntas que os usuários enviam à Doctoralia.
Descubra mais

As perguntas se enviam das páginas sobre doenças, exames médicos ou medicamentos.

Todos os especialistas da Doctoralia podem responder as perguntas que enviam os usuários.

Não é possível fazer uma pergunta a um médico em concreto.

Olá. Além dos sintomas que você descreve, de modo tão honesto e bonito, é preciso compreender também a maneira como essa timidez foi construída ao longo da sua vida, principalmente, no sentido de descobrir a finalidade de tudo isso. Afinal, as constantes censuras, a exposição pública, a vivência vexatória, a sensação de envergonhamento podem ser tão intensas a ponto de gerar um transtorno distímico. Suponho que não lhe é nada fácil interagir com as pessoas. Mas, veja só! Você já está interagindo com os profissionais desta página. Eis um bom começo! Com o devido respeito, oriento que procure um psicólogo ou uma psicóloga. Em ambos os casos é possível que se faça um diagnóstico diferencial, inclusive para compreender se os sintomas relatados são condizentes com o Transtorno Distímico ou, do contrário, com um quadro clínico de Depressão Maior. Espero que a resposta tenha lhe esclarecido. Forte abraço!

Paulo Crespolini

Paulo Crespolini

Psicólogo

São Paulo

A disfluência, também conhecida como gagueira, costuma ocorrer em algumas crianças dos dois aos seis anos de idade. Isso porque o processamento da linguagem é intenso e atrelado aos constantes estímulos recebidos na infância. Com a devida cautela, em nível de hipótese, existem vivências de forte impacto emocional, nas quais uma situação inesperada se estendeu para além do limite do suportável pela criança. A elas dá-se o nome de trauma psíquico. Faz bem observar, portanto que:

1. Havendo questões emocionais relacionadas, como, por exemplo, mudanças bruscas ou eventos traumáticos, é de fundamental importância a procura de um acompanhamento psicológico;
3. Havendo problema linguístico ou hereditário, deve-se buscar o trabalho de um fonoaudiólogo, inclusive para atuar junto da família e favorecer a melhora do ambiente comunicativo e da interlocução na infância. É esse profissional que avaliará se o sintoma relatado é uma disfluência comum ou uma disfluência gaga.
Forte abraço!

  • Obrigado 2
  • 1 especialista está de acordo
Paulo Crespolini

Paulo Crespolini

Psicólogo

São Paulo

Antes de prescrever o tratamento, é de fundamental importância a avaliação psicológica, inclusive para o diagnóstico diferencial do Transtorno do Déficit de Atenção (TDA) com outros adoecimentos psíquicos, como, por exemplo, o Transtorno da Ansiedade Generalizada (TAG). Há de se ter em conta também que, em determinados casos, faz-se necessário o manejo técnico para evitar a patologização de aspectos naturais do desenvolvimento humano, sobretudo, na infância e na adolescência. Em algum nível da vida todos nós passamos por momentos de desatenção, impulsividade e hiperatividade que "podem" ou "não" se configurar em um transtorno psíquico.

  • Obrigado 2
  • 1 especialista está de acordo
Paulo Crespolini

Paulo Crespolini

Psicólogo

São Paulo

Ver as 10 perguntas respondidas por Paulo Crespolini

{0}{1}