Fernando Mol Luce

Fernando Mol Luce

Oftalmologista

Competência em: Retina, Cirurgia Refrativa, Glaucoma

Número de Identificação Profissional: CRMMG 49975

Marcação de consultas

Endereço do consultório

Rua Alvarenga Peixoto 1408 Sala 702 30180-121 Santo Agostinho Belo Horizonte

Que dia e hora estão bem para você?

Consultório

1
2
3

Opiniões para Fernando Mol Luce

5

Baseado em 3 opiniões

Pontualidade

Atenção

Instalações

Você foi atendido/a por Fernando Mol Luce?

Opinar

O melhor: "Eu e meu marido fomos muito bem atendidos tanto pela recepção quanto pelo Médico! Dr. Fernando foi muito educado, profissional, explicou com clareza nossas dúvidas e os procedimentos, estávamos com nosso filho pequeno e mesmo assim ficamos muito a vontade!!! Adorei! Recomendo a todos!"

Motivo da visita: Exames de rotina

Paciente que marcou consulta com Fernando Mol Luce em Rua Alvarenga Peixoto 1408 Sala 702

Fernando Mol Luce respondeu a esta opinião

Sempre um prazer

O melhor: "Excelente. Profissional Seguro, atencioso e bastante minucioso ao examinar. Consultório confortável e bem localizado. Decerto um profissional acima da média."

Motivo da visita: Consulta de rotina.

Marcelo B. marcou consulta com Fernando Mol Luce em Rua Alvarenga Peixoto 1408 Sala 702

Fernando Mol Luce respondeu a esta opinião

Obrigado pelo retorno. Tudo é pensado e focado em vocês pacientes.

O melhor: "Um profissional muito atencioso, educado e pontual. Estou grávida e tomou todos os cuidados possíveis com a minha saúde e a do meu bebe. Realizou vários exames me tranquilizando com relação a minha vista."

Motivo da visita: Coceira nos olhos - alergia

Ana W. marcou consulta com Fernando Mol Luce em Rua Alvarenga Peixoto 1408 Sala 702

Fernando Mol Luce respondeu a esta opinião

Foi um prazer receber alguém em um momento tão especial na vida. Votos de saúde a mamãe e ao bebê.

Experiência

Formação

  • Título de especialista em Oftalmologia Universidade Federal de Juiz de Fora2014
  • International Member American academy of Ophthalmology 2015
  • Fellowship Retina e Vitreo Hospital São José / Hospital Evangélico2015
  • Título de especialista em OftalmologistaConselho Brasileiro de Oftalmologia2017

Sobre mim

Número de Identificação Profissional: CRMMG 49975

O médico oftalmologista que o atende fez uma formação de pelo menos 11 anos: seis de Medicina, três de residência em Oftalmologia e mais dois de fellowship (um tipo de especialização dentro da Oftalmologia), e que continua se aperfeiçoando mesmo depois de tudo isso, por meio de congressos e cursos, num processo contínuo de atualização. Na Oftalmologia temos 16 subespecialidades, que requerem formação adicional.
Com título de especialista tanto pela AMB/MEC (Associação Médica Brasileira) quanto pelo CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia), este oftalmologista tem vasta experiência no diagnóstico e tratamento das doenças da retina e do vítreo além do glaucoma. Associando essas duas gigantes da oftalmologia já abraçamos as principais causas de cegueira que acometem a população mundial.

Na primeira consulta iniciamos um dialogo que direcionara o exame oftalmológico para um diagnóstico preciso e rápido. Sempre que necessário teremos o auxílio e habilidade para uso de técnicas avançadas como a tomografia de coerência óptica (OCT tanto para glaucoma e doenças da retina) quanto da angiofluoresceínografia entre outras. Temos também tratamentos disponíveis como o laser verde para doenças como a retinopatia diabética e aplicações de medicamentos quimioterápicos para doenças maculares.
Estamos de portas abertas para receber e caminharmos juntos para uma saúde ocular plena.

Experiência em

Idiomas

  • Português
  • Inglês
  • Francês
  • Alemão

Webs

Serviços

  • Preço
    Preços aproximados para pacientes particulares (sem plano de saúde).
    Dados fornecidos em: junho 2018

Artigos escritos por Fernando Mol Luce

Retinopatia diabética

Infelizmente é uma das maiores causas de cegueira no nosso país.
O paciente às vezes chega ao consultório sem nenhuma queixa e ao examinarmos o fundo de olho, descobrimos pontos de sangramento (microaneurismas) e manchas brancas na retina (os exsudatos duros). Dependendo da extensão do acometimento são indicados tratamentos como fotocoagulação a laser e aplicação de medicamentos intraoculares como os anti-VEGF. Casos extremos como de hemorragias vítreas e descolamentos de retina restam apenas a cirurgia vítreo-retiniana.
Devemos sempre lembrar que além desses tratamentos, o controle rigoroso da glicemia é sempre a melhor prevenção da retinopatia diabética.

Degeneração Macular relacionada à idade

Ocorre geralmente depois dos 60 anos de idade e afeta a área central da retina (mácula), que se degenerou com a idade. A DMRI acarreta baixa visão central (mancha central) dificultando principalmente a leitura. Diversos fatores podem estar associados ou serem creditados como favorecedores ao aparecimento da degeneração macular. Pele clara e olhos azuis ou verdes, exposição excessiva à radiação solar, tabagismo e dieta rica em gorduras são fatores que correspondem à maior incidência de degeneração macular relacionada à idade.
Na fase inicial pode não haver sintomas, daí a importância do exame oftalmológico periódico.
O tratamento varia dependendo da forma que a doença se apresenta.

Respostas de Fernando Mol Luce

11 Respostas

4 Especialistas de acordo

13 Pacientes agradecidos

Fernando Mol Luce está respondendo perguntas que os usuários enviam à Doctoralia.
Descubra mais

As perguntas se enviam das páginas sobre doenças, exames médicos ou medicamentos.

Todos os especialistas da Doctoralia podem responder as perguntas que enviam os usuários.

Não é possível fazer uma pergunta a um médico em concreto.

A fotocoagulacão a laser em primeiro lugar deve ser reavaliada por um especialista em retina após um a dois meses do procedimento para checar se toda área em que foi necessária a aplicação do laser, que funciona quase como uma cicatriz na retina colando-a intensamente e evitando o descolamento, estão cobertas por este.
Se sim logo após essa reavaliação as atividades físicas estão liberadas. Do contrário uma extensão da área fotocoagulada deve ser feita para novamente ser, após um a dois meses reavaliada.
São casos individuais dependendo se foram indicados por roturas, degenerações ou retinopatia diabética entre outras. Só o seu oftalmologista pode dar o período exato mas a ideia geral é esta. Espero ter ajudado.

  • Obrigado 6
  • 1 especialista está de acordo
Fernando Mol Luce

Fernando Mol Luce

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oftalmologista

Belo Horizonte

Olá tudo bem?
A miopia mais comum é a axial que significa o olho maior que o normal.
Então na fase de crescimento esperamos um aumento considerável na miopia.
Mas para confirmar é necessário um exame preciso sob cicloplegia pois de fato foi considerável a diferença entre os exames.
Discuta com seu oftalmologista o tratamento com atropina em baixíssima dose se for confirmado o aumento da miopia. Existem estudos favoráveis em crianças míopes reduzindo a velocidade da progressão.
Estou a disposição.

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
Fernando Mol Luce

Fernando Mol Luce

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oftalmologista

Belo Horizonte

A reativação da infecção pode ocorrer em qualquer época e pode sim ocorrer no olho contralateral.
Você não será "novamente" infectada pelo toxoplasma mas ocorrerá uma reativação do parasita latente e esta pode ocorrer no mesmo olho já cicatrizado ou no olho adelfo (contralateral).
Sendo assim, em caso de visão embaçada, dor e vermelhidão ocular, procure seu oftalmologista.

  • Obrigado 1
  • 1 especialista está de acordo
Fernando Mol Luce

Fernando Mol Luce

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Oftalmologista

Belo Horizonte

Ver as 11 perguntas respondidas por Fernando Mol Luce

Fotos

{0}{1}