Dra. Keite A. Cunha Rios

Dra. Keite A. Cunha Rios

Fisioterapeuta

Competência em: Fisioterapia Pélvica

Número de Identificação Profissional: Cref.16802

Consultório

1

Opiniões para Dra. Keite A. Cunha Rios

5

Baseado em 1 opinião

Pontualidade

Atenção

Instalações

Você foi atendido/a por Dra. Keite A. Cunha Rios?

Opinar

O melhor: "Boa avaliação e atendimento"

Motivo da visita: Incontinência Urinária

Paciente que marcou consulta com Dra. Keite A. Cunha Rios em Av. Dom João VI

Experiência

Formação

  • Especialista nas Disfunções do Assoalho PélvicoEscola Bahia na de Medicina e Saúde Pública2010

Sobre mim

Número de Identificação Profissional: Cref.16802

Experiência em

Idiomas

  • Português

Serviços

  • Preço
    Preços aproximados para pacientes particulares (sem plano de saúde).
    Dados fornecidos em: abril 2015
  • Primeira consulta Fisioterapia A partir de R$ 90
  • Retorno de consultas Fisioterapia
  • Consulta domiciliar Fisioterapia R$ 100
  • Biofeedback
  • Reabilitação em Idoso
  • Tratamento Em Reabilitacao Em Adulto

Respostas de Dra. Keite A. Cunha Rios

5 Respostas

5 Especialistas de acordo

2 Pacientes agradecidos

Dra. Keite A. Cunha Rios está respondendo perguntas que os usuários enviam à Doctoralia.
Descubra mais

As perguntas se enviam das páginas sobre doenças, exames médicos ou medicamentos.

Todos os especialistas da Doctoralia podem responder as perguntas que enviam os usuários.

Não é possível fazer uma pergunta a um médico em concreto.

Cistocele também conhecida como prolapso da bexiga "bexiga caída", resultado do enfraquecimento e estiramento dos músculos e ligamentos.
As causas mais comuns são a gravidez e o parto, apesar dessa região ter boa elasticidade. Mulheres que têm vários filhos tem maior chance de ter esse problema. A menopausa também um fator importante, onde há diminuição dos níveis de estrogênios, causando degeneração dos músculos pélvico. Outro fator é a constipação (prisão de ventre) e a obesidade, provocando esforço excessivos na musculatura pélvica. O tratamento pode ser cirurgico ou conservador, para graus mais leve a fisioterapia pélvica, está sendo de primeira escolha, através de Eletroestimulação, BiofeedbacK e Terapia comportamental. Marque uma avalição com urologista ou ginecologista e fale sobre oaparecimento dos sintomas e procure fisioterapeuta especialista nas disfunsões pélvica.

Dra. Keite A. Cunha Rios

Dra. Keite A. Cunha Rios

Fisioterapeuta

Salvador

Sugiro que procure um médico Coloproctologista, para uma avaliação clínica, o mesmo poderá solicitar exames específicos para avaliar força da musculatura pélvica e sua funções. Como por exemplo a Manometria Anorretal. O mesmo poderá encaminhar para um Fisioterapeuta Especialista nas Disfunções Pélvica, para tratamento de Reabilitação perineal e perianal, onde irá melhorar a força muscular e a própria consciência perineal.

Dra. Keite A. Cunha Rios

Dra. Keite A. Cunha Rios

Fisioterapeuta

Salvador

A incontinência urinária é uma das complicações mais aflitiva no pós operatório da prostatectomia radical. Em alguns pacientes, a incontinência melhora em alguns dias, semana ou meses sem intervenção, mas existem uma pequena proporção de pacientes que isso não ocorre.
O tratamento da incontinência urinária após a cirurgia depende do seu mecanismo e do tempo pos-cirúrgico.
Existe a incontinência urinária causada pela hiperatividade (vontade forte de urinar com intervalos curtos), incontinência urinária por esforço (fraqueza da musculatura perineal), além de muitos apresentarem ambos sintomas que chamamos de incontinência urinária mista (hiperatividade+fraqueza perineal ).
O tratamento reabilitação de musculatura pélvica, deve ser considerado como primeira opção, através dos exercícios de contração (kegel) biofeedback e a eletroestimulação e a terapia comportamental. Pacientes devem ser encaminhado para um Fisioterapeuta Especialista das Disfunções Pélvica.

  • Obrigado 0
  • 1 especialista está de acordo
Dra. Keite A. Cunha Rios

Dra. Keite A. Cunha Rios

Fisioterapeuta

Salvador

Ver as 5 perguntas respondidas por Dra. Keite A. Cunha Rios

{0}{1}