Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola

Psicóloga

Competência em: Psicoterapia, Neuropsicologia, Psicopatologia, Transtornos de Ansiedade, Distúrbios da Memória

Número de Identificação Profissional: 06\94101

Consultório

1
2

Opiniões para Julia Sereicikas Loyola

4,8

Baseado em 5 opiniões

Pontualidade

Atenção

Instalações

Você foi atendido/a por Julia Sereicikas Loyola?

Opinar

O melhor: "Atenciosa, objetiva, conselheira."

Motivo da visita: Depressão

Kathelyn A. marcou consulta com Julia Sereicikas Loyola em Rua Vinte e Um de Abril, 210 sala 6

Marcou consulta na Doctoralia

Julia Sereicikas Loyola respondeu a esta opinião

Obrigada pelo agradecimento

O melhor: "Comecei a ter problemas em uma época que ninguém conhecia essa Síndrome. Passei por diversos psiquiatras, psicólogos. Não seguia o tratamento porque não havia confiança, nem diagnóstico preciso. Assim foi por longos 20 anos. Aí, a Julia apareceu na minha vida com sua atenção, suas palavras. Venci!!"

Poderia melhorar: "Ela assumiu a Coordenação de uma grande instituição de tratamento psiquiátrico e psicológico e, por isso, fiquei sem seu maravilhoso atendimento. Agora, com seu próprio consultório, todos têm a possibilidade de ter acesso a um tratamento humano e eficaz. Seja qual for seu problema, procure a Júlia."

Motivo da visita: Síndrome do Pânico

Paciente que marcou consulta com Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola respondeu a esta opinião

Muitas vezes, o paciente não consegue ter empatia ou desiste do tratamento que é desistir dele mesmo. Nós profissionais conseguimos perceber e temos como dever orientar e manejar o atendimento para que haja a melhor conduta ao paciente. Obrigada pelos elogias e fico feliz em poder ter lhe ajudado.

O melhor: "Profissional maravilhosa! Comprometida, dedicada, atenciosa. Passei por outras profissionais, mas a Julia foi de longe a mais acertiva, que realmente se envolve e tem um real carinho com seus pacientes. Jamais poderia deixar de recomendar!"

Carolina A. marcou consulta com Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola respondeu a esta opinião

Obrigada! Ter empatia, amar o que gosta de fazer, técnica e teoria são as ferramentas para que se haja uma boa prática. Obrigada pelo carinho que também depende da vontade e desejo do paciente querer mudar de posição. Uma mão de via dupla!

O melhor: "Dra. Julia é uma excelente profissional, fui sua paciente por um longo período, me ajudou a superar as fases do luto. Muito competente e comprometida com seus pacientes. Recomendo."

Motivo da visita: Depressão

Paciente que marcou consulta com Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola respondeu a esta opinião

Obrigada! Sair do luto não é fácil! O luto tem tempo certo e precisamos respeitá-lo para que se passe e não caia na depressão. Passar pelo luto se faz necessário para que se elabore esta perda e se abra outros caminhos. Um processo doloroso com várias fases e recaídas.

Ver as 5 opiniões sobre Julia Sereicikas Loyola

Experiência

Formação

  • Paliativista Faculdade de Ciências Médicas de São Paulo2012
  • Psicoterapeuta - Espeliazação Universidade de São Paulo e Institut de Recherche en Psychothérapie2012
  • NeuropsicologiaINESP - Instituito de Neurologia de São Paulo - Beneficência Portuguesa2014

Sobre mim

Número de Identificação Profissional: 06\94101

Realizo atendimento psicológico com foco cognitivo comportamental e avaliação neuropsicológica no ABC Paulista e em São Paulo Capital. Além, das avaliações que realizo em meus consultórios particulares atuei por 6 anos no Centro de Tratamento Bezerra de Menezes como Neuropsicóloga e Coordenadora do setor de psiquiatria deste hospital que é referência em Saúde Mental no Brasil.

Meu diferencial como profissional é que além, de estar sempre me aperfeiçoamento, ter atuado em instituições psiquiátricas que forneceram subsídios teórico e prático para avaliação neuropsicológica mais assertiva além, da troca constante com profissionais da área da saúde.  

Além, da minha formação de Neuropsicóloga no Centro Neurológico de São Paulo do Hospital Beneficência de São Paulo, com  o diretor do Centro Neurológico o Dr. Roberto Marino Jr. - neurologista como Prof, Dr. Titular da USP - Universidade de São Paulo que é uma das referência mundiais em neurologia.

Psicoterapeuta com especialização na Universidade de São Paulo - USP e Instituto Institut de Recherche en Psychothérapie. Paliatisvista formada pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e ser Membro da Sociedade Brasileira de Neuropsicologia.

Quanto a Avaliação Neuropsicológica é indicada a pacientes com Transtorno de Déficit de Hiperatividade e Atenção (TDHA), Pacientes com Transtornos Psiquiátricos (Esquizofrenia,Transtorno Afetivo Bipolar - TAB, Transtorno de Personalidade, Depressão, Transtorno Obsessivo Compulsivo - TOC, Ansiedades Gerais) para quantificar se houve degeneração cerebral por conta das crises psiquiátricas e nortear o tratamento. Avaliar os déficits ou auxiliar no diagnósticos das Demências Degenerativas (Alzheimer, Doença de Parkinson e outras) Lesões Cerebrais deixadas por Traumatismo Cerebral, Tumores Cerebrais, Ataques Epiléticos, AVC - Acidente Vascular Cerebral, Aneurisma. Pacientes com Transtornos Alimentares ( Anorexia, Bulimia, Compulsividade), Dependência Química ( Álcool e outras drogas) Químicos para mensurar a cognição e seu possíveis déficits. Transtornos de Aprendizagem, Dislexia, Retardo Mental, Autismo, Asperger, pacientes com Esclerose Múltipla para auxiliar nos diagnósticos e seus déficits cognitivos. 

A avaliação tem como objetivo auxiliar no diagnóstico e nortear a conduta terapêutica (tratamento) mais assertiva junto ao profissional que solicitou. Não é um exame conclusivo e apesar de sua complexidade é complementar a outros com o de neuro imagem. 

Profissionais que indicam a avaliação neuropsicológica são os neurologistas, psiquiatras, geriatras e psicólogos. 

A Avaliação Neuropsicológica tem o enfoque de investigar as alterações (déficits) cognitivas (memória, atenção, função executiva, visual, praxia, construtiva, emocional, linguagem)  e estende-se ao campo da reabilitação.

 A avaliação é realizada por anamnese detalhada, exames - testagem quantitativos e qualitativos (em torno de 3 a 5 sessões - horas), devolutiva do relatório (30 minutos) e 2 vias do laudo na média de 10 paginas.

À disposição para quaisquer esclarecimentos pela pagina do Doctoralia em dúvidas de pacientes, por email: julia_sereicikas@uol.com.br e\ou Whatshapp (celular - vivo) 55 11 99513 8467.


Julia Sereicikas Loyola - Neuropsicóloga 

Experiência em

Idiomas

  • Português
  • Espanhol

Serviços

  • Preço
    Preços aproximados para pacientes particulares (sem plano de saúde).
    Dados fornecidos em: agosto 2017

Artigos escritos por Julia Sereicikas Loyola

Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

Para o TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade além, do diagnóstico é necessário para melhor tratamento a realização de avaliação neuropsicológica. Na avaliação confirma-se ou descarta-se a hipótese do transtorno (]TDAH). Caso, haja a confirmação é quantificado os déficits cognitivos relacionados (atenção, memória operacional, função executiva, velocidade de processamento) para que o médico que solicitou possa ter um tratamento mais assertivo. Mesmo com estes déficits cognitivos que aparecem no TDAH a maior parte dos pacientes tem um QI preservado. A avaliação neuropsicológica é um valioso exame que examina todas as funções cerebrais (o cérebro) de forma mais completa.

Demência

Para avaliação de uma demência faz necessário além, dos exames de neuroimagem uma avaliação neuropsicológica para se mensurar as perdas cognitivas atuais, o QI atual, e as funções cognitivas preservadas para auxilar na conduta medicamentosa, na confirmação do diagnóstico, na conduta terapêutica mais assertiva por meio de reabilitação cognitiva: treinos cognitivos e habilidades cognitivas, terapia ocupacional para auxiliar em um retardamento da progressão da doença ou menor perdas cognitivas por meio, de novas habilidades e consequentemente possíveis novos circuítos neuronais.

Respostas de Julia Sereicikas Loyola

42 Respostas

26 Especialistas de acordo

17 Pacientes agradecidos

Julia Sereicikas Loyola está respondendo perguntas que os usuários enviam à Doctoralia.
Descubra mais

As perguntas se enviam das páginas sobre doenças, exames médicos ou medicamentos.

Todos os especialistas da Doctoralia podem responder as perguntas que enviam os usuários.

Não é possível fazer uma pergunta a um médico em concreto.

Síndrome de Down não é uma doença e sim uma síndrome que vem devido a uma alteração genética. Desta maneira, não tem cura e sim tratamento adequados como estimulação fonoaudiológico, fisioterápico e outros que o pediatra solicitar. Estimular para seu desenvolvimento biopsicossocial dentro de sua possibilidades e limitações. Para que possa, desde criança, estar inserido na sociedade mais natural.

Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

São Bernardo do Campo

Está é uma resposta que não dá para se responder de imediato pois, o perito que lhe avalia dará o parecer diante das perícias e caso, lhe dê alta do afastamento mesmo assim, você poderá recorrer caso, seu médico ache que não é o momento do retorno ao trabalho. Mas não deixe de buscar uma psicoterapia cognitiva comportamental para auxiliar em seu tratamento e cuidar da causa da depressão e pânico e não apenas o sintoma por meio, de medicação controlada. A medicação faz parte do tratamento mas não é o tratamento como um todo.

Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

São Bernardo do Campo

Bem, indico que inicie com um geriatra ou neurologista ou psiquiatra porque nesta idade a depressão pode ser secundária de alguma organicidade, ou seja, de desfunção fisiológica ou neurológica. Diante da avaliação do profissional da área da saúde este dará o melhor encaminhamento além, da conduta farmacológica e possíveis solicitações de exames. Também é pertinente relatar ao Doutor qual a funcionalidade da sua mãe, se ela é ativa, se realiza atividades de vida diária e outras para que se possa além, do acompanhamento médico ser indicado a outras condutas tais como: uma possível avaliação neuropsicológica, ou terapia ocupacional ou reabilitação cognitiva ou terapia cognitiva comportamental. E se é possível ter atividades complementares que possam ser como participar de centro de referência a idosos ou prática de um atividade física e outras. O importante saber que a depressão é um sintoma que pode ser primário ou secundário e é grave e precisa de tratamento. Att

Julia Sereicikas Loyola

Julia Sereicikas Loyola

Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

São Bernardo do Campo

Ver as 42 perguntas respondidas por Julia Sereicikas Loyola

Fotos

{0}{1}