Terapia Cognitivo-Comportamental - Informação, especialistas, perguntas frequentes.

Tudo sobre Terapia Cognitivo-Comportamental

Informação sobre Terapia Cognitivo-Comportamental

Nomes alternativos: Psicoterapia Cognitivo Comportamental, TCC.

 

Psicoterapia é baseada na vinculação de transtornos mentais e a conduta para identificar e mudar os padrões de comportamento do paciente. É uma terapia de curto prazo, porque se concentra no concreto conflito do afetado como acontece na depressão, ansiedade, pânico, fobias, vícios, distúrbios alimentares, sono, parceiros, entre outros.

Possui uma dúvida concreta sobre Terapia Cognitivo-Comportamental? Pergunte aos nossos especialistas.

Os especialistas falam sobre a Terapia Cognitivo-Comportamental

Pensamento --> sentimento --> comportamento. Esta tríade funciona todo o tempo em nós, em constante interação e quando conseguimos identificar as distorções que estão em alguns pensamentos e confronta-las, podemos reduzir a intensidade dos sentimentos que incomodam e modificar consequentemente nossas respostas (comportamentos). Temos ainda a possibilidade de conhecer nossas crenças disfuncionais e substitui-las por outras mais funcionais para nós. É um trabalho lindo.
Creuza M Salvaterra
Creuza M Salvaterra Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Ipatinga

A abordagem da Psicoterapia Cognitivo-Comportamental está científicamente baseada na teoria de que cada pessoa apresenta crenças que agem sobre seus pensamentos, emoções e comportamentos. Assim, uma pessoa pode monitorar, gerenciar e reorganizar suas crenças e pensamentos, conseguindo modificar suas emoções e comportamentos de uma forma mais adaptada ao ambiente ou meio em que vive. Atendo crianças, adolescentes, os pais, adultos e casais com a abordagem da Psicoterapia Cognitivo-Comportamental. Com um ambiente adequado para cada paciente, ofereço um atendimento ético com qualidade, confiabilidade e eficiência para que os pacientes tenham os melhores resultados no prazo mais breve possível.
Silvana Frassetto
Silvana Frassetto Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Porto Alegre

O modelo cognitivo desenvolvido por Aaron T. Beck diz que as perturbações emocionais que rodeiam a vida das pessoas, são causadas pelo próprio potencial humano de perceber negativamente o ambiente e os acontecimentos; ou seja, o nosso amanhã é transformado pelos nossos pensamentos e atitudes. A TC ajuda os pacientes a entenderem seus esquemas e crenças que os mantém em um ciclo de sofrimento, ansiedade ou estagnação. Trabalhar suas crenças e pensamentos é uma ótima opção para saúde emocional, o autoconhecimento e conseqüentemente maior probabilidade de auto controle.
Graziele Zwielewski
Graziele Zwielewski Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Florianópolis

A terapia cognitiva comportamental tem como base a resignificação de falsas crenças que produzem pensamentos automáticos os quais, por sua vez, produzem emoções que levam a comportamentos desadaptados e ineficientes. O objetivo central da terapia cognitiva é o ajuste das percepções que o indivíduo tem sobre si mesmo e o mundo onde se insere. São os processos cognitivos atuando em favor da compreensão das emoções que derivam dos pensamentos automáticos, identificação das falsas crenças que funcionam como gatilho para o surgimento desses pensamentos e assim, modular emoções e adquirir repertório comportamental adequado, edicaz e eficiente na busca da administração das situações de vida.
Maria Cristina Delattre

Psicóloga

|

Curitiba

A Terapia Cognitivo-Comportamental oferece um grande diferencial na maioria dos casos, pois pauta-se pela raiz do problema de maneira assertiva. Dessa forma, podemos identificar exatamente quais as motivações para tal sentimento e comportamento. Pensamento, emoção e comportamento estão conectados e é justamente nesses pontos que a Terapia Cognitivo-Comportamental irá focar, trazendo resultados significativos para sua vida. Minha experiência com esta abordagem faz com que eu acredite cada vez mais em sua eficácia e direcione sempre meus atendimentos a fim de atingir esses objetivos. Buscar resultados e entregar valor aos meus pacientes é o meu foco e é o que me inspira.
Luísa Negrão de Moura
Luísa Negrão de Moura Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

|

Curitiba

Ver mais

Tem perguntas sobre Terapia Cognitivo-Comportamental?

Nossos especialistas responderam 63 perguntas sobre Terapia Cognitivo-Comportamental.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.

Estas são as mais populares:

Em função de estudos (controversos) nos EUA que mencionavam a necessidade de, em média, 12 sessões para resolução de problemas psicológicos, esse passou a ser um número adotado por planos de saúde em geral. Atualmente se questiona muito esse número predeterminado para um trabalho de psicoterapia, em especial em abordagens bem estruturadas como as terapias comportamentais. Cada caso exige uma frequência e duração diferentes, levando em conta as demandas clínicas e também as capacidades e perfil do cliente ao trabalhar essas demandas dentro e fora de psicoterapia. Os números são bastante flexíveis e pode ser que uma pessoa possa ter melhora efetiva em três ou quatro sessões. Já outros casos demandam algumas dezenas de atendimentos para se concluir a alta clínica. Há ainda casos bem específicos que exigem acompanhamento contínuo.

  • 90
  • 172
  • 103
Rodrigo Puppi Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicólogo

Curitiba

Marcar consulta

Olá! Independente da abordagem escolhida, é importante ter em mente que não é ela que vai controlar o sintoma, seja ele qual for. O que seria mais adequado é estar disposto a encarar esse ciúme, buscar compreender o que o origina e o motiva. Talvez buscar olhar para si e para seu relacionamento, tentar compreendê-lo de forma mais completa e identificar os pontos que podem estar sendo compensados por esse ciúme excessivo. Isso pode ser feito tanto por um psicólogo que segue a linha da TCC quanto por um que trabalhe com qualquer outra abordagem. O fator determinante aqui é a disposição e a energia do indivíduo para lidar com suas questões. Espero ter esclarecido! Um abraço!

  • 33
  • 52
  • 33
Alana Zanlorenzi

Psicóloga

Campo Largo

Olá. Apatia é algo muito vago para ser taxativo na hora de dizer se existe ou não medicamento. Sugiro que você busque um profissional para avaliar essa apatia e assim saber se é caso medicamentoso ou não

  • 116
  • 41
  • 49
Mariana Barbosa Montes Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Olá! Creio que fazer psicoterapia (independe da linha) vá te ajudar bastante. A situação relatada é muito comum de acontecer e você pode obter melhoras nisso em qualquer linha psicoterapica. Entretanto, como sou da TCC acabo puxando sardinha pro meu lado, já que os resultados tendem a ser mais rápidos

  • 116
  • 41
  • 49
Mariana Barbosa Montes Profissional Premium: Tem um perfil mais completo.

Psicóloga

Rio de Janeiro

Marcar consulta

Ver as 63 perguntas sobre Terapia Cognitivo-Comportamental