Tenho 38 anos perdi minha virgindade com 28 anos porem nunca senti pra...

Nada impede que você faça uma avaliação tanto física, quanto psicológica. Desde já eu adianto que conflitos com a sexualidade relativos a moralidade podem fazer com o prazer seja mais difícil de ser vivenciado, já que a ansiedade produzida nesses embates prejudica a resposta de prazer do organismo diante de tais estímulos. Recomendo, portanto, que procure um médico e um psicólogo para poder entender melhor o que está lhe acontecendo, assim como conseguir a ajuda necessária.

Bom dia! sugiro que você procure ambos. Um ginecologista vai poder avaliar seu organismo e prescrever o tratamento caso necessário. Um Psicólogo também é importante na medida em que você vai poder falar sobre as questões envolvidas com a sexualidade e com as frustrações associadas a ela. Você iniciou sua vida sexual com 28 anos e devia ter uma grande expectativa com relação ao sexo. Esta expectativa não deu lugar a uma experiencia prazeirosa por 10 anos. A psicoterapia vai te ajudar a entender estes fatores e trabalhar de forma a encontrar o prazer que você tem direito e busca.

  • Obrigado17
  • 1 especialista está de acordo
  • Paulo Renato Oliveira

Bom dia! Seria indicado verificar se há algo orgânico que impeça vc de chegar ao orgasmo. E ai sim, buscar uma ajuda psicológica para auxilia-la a lidar com suas emoções e dificuldades em sentir prazer.

Olá. Pelo breve relato que você trás, parece haver uma grande inibição frente ao ato sexual. Nesse sentido, parece se tratar muito mais de algo relacionado ao seu psiquismo do que propriamente algo de cunho orgânico.
A Psicanálise tem muito a oferecer frente a esses casos, recomendaria buscar um/a onde você reside.
Não deixe de procurar um/a profissional para que juntos possam dar um melhor direcionamento para essa sua questão.

O orgasmo é uma resposta cerebral a estímulos sexuais. Preocupações, estresse, ansiedade e medo são capazes de bloquear este reflexo. A dificuldade de atingir o orgasmo raramente é causada por questões físicas. Alguns problemas neurológicos podem interferir no reflexo orgásmico, mas em geral estes problemas são acompanhados de outros sintomas significativos. Medicamentos que atuam no sistema nervoso central, tal como certos antidepressivos também inibem o orgasmo. A terapia sexual pode ajudá-la a compreender seus pensamentos e emoções em relação à atividade sexual, e a buscar estratégias para superar esta dificuldade.

Concordo com os colegas em fazer um exame clínico para saber o que se passa com seus hormônios, a parte química do organismo. Agora, mais importante é libertar-se da ideia que gozar e ter orgasmo é pecado, feio ou errado. Será que você foi criada nessa crença e agora não se permitem entregar-se ao prazer? Se for este o seu caso consciente ou inconscientemente, procure libertar-se destas ideias aprisionastes, curta sua vida ao máximo e seja feliz,
Um abraço.

Inicialmente seria bastante válido você conseguir descartar possíveis causas orgânicas como as relacionadas às possíveis disfunções hormonais endógenas ou udo de medicações cujos efeitos colaterais possam estar relacionados à Anorgasmia que seriam melhor investigadas e tratadas, caso porventura existam, por um ginecologista ou endocrinologista. Sendo descartadas causas orgânicas de Anorgasmia ( ausência de eventos orgásticos) seria de fundamental importância a investigação de abordagem de possíveis causas psicológicas.

Ver as 77 perguntas sobre Terapia sexual

Perguntas relacionadas

Outras perguntas respondidas por especialistas da Doctoralia:

Tem perguntas sobre Terapia sexual?

Nossos especialistas responderam 77 perguntas sobre Terapia sexual.

Pergunte a milhares de especialistas de forma anônima e gratuita

  • A sua pergunta se publicará de forma anônima.
  • Faça uma pergunta concreta, mantenha o foco em uma pergunta médica.
  • Seja breve e conciso.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, vá ao médico ou ao pronto-socorro.
  • Não estará permitido obter segundas opiniões ou consultas sobre um caso em concreto.