O meu filho tem 27 anos sofre com transtorno bipolar afetivo, ele toma
olanzapina de 10 mg por dia.
Levei ao Psiquiatra e ele passou depakote 125mg, sendo que ele sai todo final de semana, e quando sai acaba bebendo.
Não sei o que faço, se dou depakote?
Será perigoso interromper o estabilizador de humor, pode desencadear uma crises maníaca. Claro que há a interação com o álcool e é potencialmente perigoso é prejudicial mas é muito ruim para o prognóstico do transtorno afetivo bipolar repetidas crises e interrupções da medicação e uma crise agora, pior, uma internação. Converse com o médico e seu filho sobre a questão do álcool mas não interrompa.

Dr. Carlos Henrique Oliva
Dr. Carlos Henrique Oliva
Psiquiatra
São Bernardo do Campo
De maneira geral, o álcool é contra-indicado por conta de 3 potenciais problemas: 1) existe interação entre o álcool e o remédio, causando um efeito final com certa imprevisibilidade. Por exemplo: a olanzapina causa sonolência e o álcool também causa sonolência, então existe risco de sedação em excesso, com todas as consequências relacionadas a isto. 2)existe indução ou inibição cruzada na degradação hepática entre as substâncias. Por exemplo: a olanzapina inibe a degradação do álcool e o paciente acaba ficando mais alcoolizado que de costume, com a mesma quantidade de álcool ingerida. 3) o álcool altera o comportamento. Como o paciente tem uma doença que já altera o comportamento de base, então estamos adicionando outro problema (alteração de comportamento por álcool) sobre um problema preexistente (a doença) cujo problema é o mesmo tipo de alteração. Acredito que a melhor resposta está em ponderar com o médico se é melhor submeter-se a estes riscos para manter o tratamento.

Prezada, compreendo fundamental perguntar isto diretamente ao psiquiatra que está acompanhando o caso no próximo retorno, suspendendo o uso de álcool pelo menos até ter a resposta desta questão.

Dra. Jacqueline Segre
Dra. Jacqueline Segre
Psiquiatra
São Paulo
Estou de acordo com o colega Carlos Henrique. Muito elucidativa a resposta. E vale acrescentar que o Depakote é uma medicação muito comumente utilizada para pacientes com Transtorno Afetivo Bipolar pois é um ótimo estabilizador de humor, sendo muito bem usado concomitantemente com a olanzapina.
Vale ressaltar porém as questões levantadas pelo colega Carlos, sendo sempre o ideal discutir com o psiquiatra que está acompanhando o caso para ponderar custo - benefício da associação visto essas situações de uso de álcool.
Espero ter ajudado

Dra. Milene de Mello
Dra. Milene de Mello
Psiquiatra
Belo Horizonte
Parece ser um quadro sério, e seu filho tem que se conscientizar disso.

Especialistas em Transtorno bipolar

Luis Falivene Roberto Alves

Luis Falivene Roberto Alves

Psiquiatra

Campinas

Tiago Lenz De Brum

Tiago Lenz De Brum

Psiquiatra

Concórdia

Marcelo Gomes Telles

Marcelo Gomes Telles

Psiquiatra

Belo Horizonte

José Maria Lara

José Maria Lara

Psiquiatra

Guarulhos

Mabel Konzen

Mabel Konzen

Psiquiatra

Santo Ângelo

Antonio Carlos de Mattos Barbosa

Antonio Carlos de Mattos Barbosa

Psiquiatra

Rio de Janeiro

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 478 perguntas sobre Transtorno bipolar

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.