Dr. George Martins Ney da Silva Junior

Psiquiatra mais

Anápolis 1 endereço

Número de registro: CRM: 6009-GO RQE Nº: 1626

1 opinião

Serviços e preços

Os preços são para pacientes sem convênio médico

Serviços em destaque


Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore

Outros serviços


Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore



Rua Coronel Batista, 281 - Centro, Anápolis

Clinicore

Experiência

1 opinião de paciente

Classificação geral

Todas as opiniões são importantes, por isso os especialistas não podem pagar para alterar ou excluir uma opinião. Saiba mais.
P
Perfil verificado

Fui paciente do Dr. George. Ele é amável e sensível. Ótimo profissional! Sempre foi extremamente atencioso comigo e minha família. E, com certeza, o grande responsável por eu estar viva!

Dr. George Martins Ney da Silva Junior

Muito obrigado pela sua manifestação de reconhecimento e gratidão pela parte que me toca. É um poderoso estímulo para buscar continuamente o aperfeiçoamento. Mas nada teria sido possível sem seu empenho.

Ocorreu um erro, tente outra vez

Dúvidas respondidas

3 dúvidas de pacientes respondidas na Doctoralia

Em casos de Avc no qual o paciente nao responde a estimulos ou sequer abre os olhos, esta acamado ha mais de quatro anos, a eletroestimulaçao pode funcinar

Bom dia. É importante considerar duas possibilidades: o AVC foi extenso e grave o suficiente para afetar grandes áreas do "cérebro" ou não foi muito extenso nem grave e o paciente está acamado há tanto tempo por Depressão pós-AVC. É importante perguntar ao médico assistente sobre essa diferença. Na primeira hipótese, se houve AVC extenso e grave há tanto tempo (4 anos) e o paciente ainda não apresentou melhora na sua vida de relação e está praticamente em vida vegetativa, ainda que a estimulação elétrica esteja associada em algumas pesquisas à possibilidade de melhora no funcionamento de circuitos cerebrais devido à neuroplasticidade, é pouco provável que o paciente tenha algum benefício. Por outro lado, na segunda hipótese, pode haver algum benefício se o médico assistente houver identificado evidências de que há uma Depressão pós-AVC impedindo a melhora do paciente. Nesse caso, podem ser usados tratamentos para depressão, sendo a estimulação elétrica uma das opções disponíveis.

Dr. George Martins Ney da Silva Junior

Pergunta sobre Rivotril

Eu tomo 0,25 de Rivotril alguns meses, como faço o desmame?

Recomendo fazer a retirada sob acompanhamento médico. Pode ser um procedimento simples, mas nao deve ser banalizado, pois há tantos detalhes envolvidos que na minha opinião fica complicado dar orientações sem uma avaliação que inclua no mínimo uma anamnese e um exame clínico para individualizar e personalizar cada situação, cada caso: qual a queixa relativa a medicação, qual foi a indicação inicial, a dose diária e o modo de uso, por quanto tempo, quais as comodidades presentes, quais osão riscos presentes, quantas e como foram as tentativas anteriores de tratamento ou desmame, o que o exame clínico revela sobre risco eventual de síndrome de abstinência, se há indicação de algum exame complementar, etc. Recomendo que consulte seu médico ou ouça uma segunda opinião, se for o caso. É mais seguro. Vivemos uma época em que há excesso de informação, e a regra não é a falta de acesso à ela mas seu uso indevido ou inadvertido.

Dr. George Martins Ney da Silva Junior

Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.

Perguntas frequentes