Linfadenectomia radical inguinal bilateral - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em linfadenectomia radical inguinal bilateral

Encontre um especialista em Linfadenectomia Radical Inguinal Bilateral na sua cidade:
Heládio Feitosa Neto

Heládio Feitosa Neto

Oncologista, Cirurgião geral

Fortaleza

Agendar uma visita
Marco Aurelio Anginski

Marco Aurelio Anginski

Oncologista, Cirurgião geral

Curitiba

Agendar uma visita
William Augusto Casteleins Cecilio

William Augusto Casteleins Cecilio

Oncologista, Cirurgião geral

Curitiba

Agendar uma visita
Paulo Henrique de Sousa Fernandes

Paulo Henrique de Sousa Fernandes

Oncologista, Mastologista

Uberlândia

Agendar uma visita
Leonardo Sardou

Leonardo Sardou

Cirurgião geral

Rio de Janeiro

Agendar uma visita
Filipe Vieira Kwiatkowski

Filipe Vieira Kwiatkowski

Oncologista, Cirurgião geral

Campo Largo

Agendar uma visita

Perguntas sobre Linfadenectomia radical inguinal bilateral

Nossos especialistas responderam a 3 perguntas sobre Linfadenectomia radical inguinal bilateral

 Murilo de Almeida Luz
Murilo de Almeida Luz
Oncologista, Urologista
São Paulo
Esta região é realmente um pouco mais acometida por infecções pois é uma área mais colonizada por bactérias.
Não é tão raro que uma ferida cirúrgica nesta região possa tornar-se infectada.
3 respostas

 Rafael Onuki Sato
Rafael Onuki Sato
Oncologista
Londrina
O seroma é a complicação mais comum deste procedimento e seu tratamento consiste na drenagem do conteúdo liquido da região. Curativos compressivos podem ser aplicados após a drenagem para evitar…
2 respostas

Precisa individualizar o caso dele. Saber porque fez essa cirurgia? Qual a doença de base? se existe chance de ter alguma recidiva da doença nessa região? se tra-se apenas de uma complicação…
2 respostas

Quais profissionais realizam Linfadenectomia radical inguinal bilateral?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.