Perguntas sobre Depressão

Depressão e relacionamento

A depressão provoca efeitos prejudiciais em diferentes áreas da vida da pessoa. Seus sintomas (incluindo tristeza, falta de interesse nas coisas, fadiga e irritabilidade) logicamente afetam o relacionamento. Em muitos casos, essa relação é crucial para o curso de depressão. Um bom relacionamento com o seu parceiro é essencial para uma pessoa deprimida, porque quando o nosso humor está ruim, precisamos de mais apoio, amor e compreensão do que nunca, embora nem sempre percebam isso.

Pessoas com depressão tendem a se retirar em si mesmos. Além disso, se sentem impotentes para realizar o seu trabalho ou tarefas diárias e não querem interagir com as pessoas. O casal pode começar a pensar que é chato ou não está indo bem no relacionamento. Muitas vezes, a pessoa deprimida se frustra porque acha que o  seu parceiro está de mau humor, esquece a sua aparência, tem problemas com  abuso de drogas ou álcool ou come demais. Isso torna difícil passar pelo dia. A estrada é difícil para ambos.

Assim, mesmo se você está prestes a ir embora, porque a pessoa que você ama não é mais capaz de se concentrar para ouvir o que você está dizendo, ou sorrir, ou desfrutar os bons momentos da vida, tente aceitar tudo como sendo apenas uma parte da doença. Tente lembrar-se, também, que é pouco provável que a depressão do seu parceiro não tem nada a ver com você.

Sexo

A alteração de sexo ocorre em muitas doenças e depressão entre elas. 75% dos deprimidos reconhecem problemas sexuais. Pacientes com depressão apresentam uma diminuição no humor de modo que não quer falar sobre o tema sexual. Um sintoma da depressão é anedonia (incapacidade ou dificuldade em apreciar as coisas e do prazer) e isso inclui, em geral, perda de interesse sexual. De fato, alguns ficam deprimidos mas sua vida sexual continua normal, mesmo algumas pessoas acham que o sexo pode alivia-los e conforta-los.

No homem, a desaceleração geral da atividade do cérebro provoca uma sensação de cansaço e desesperança, que pode ser acompanhada pela diminuição da libido (desejo sexual) e dificuldades com a ereção. Nas mulheres, esta diminuição na atividade cerebral tende a ser acompanhada pela falta de interesse em sexo e dificuldade ou incapacidade de atingir o orgasmo. Estes problemas vão desaparecer quando a depressão melhorar. Na verdade, quando um paciente torna-se interessado em sexo como nós identificamos como um sinal de recuperação.

Influência dos antidepressivos sobre a sexualidade

Estudos mostram que as drogas mais comumente usadas como ??antidepressivos (tricíclicos e inibidores da recaptação de serotonina) causam alterações na função sexual, como diminuição da libido e dificuldade em atingir o orgasmo (atrasado ou não ocorrer) . Para resolver esses problemas, podemos fazer o seguinte:

  • Esperar por soluções para si.
  • Reduzir a dose de antidepressivo.
  • Suprimir temporariamente a medicação (um fim de semana, por exemplo).
  • Adicionar medicamentos para melhorar a situação (como Viagra).
  • Mudança de antidepressivo.

Provavelmente a melhor coisa é, desde o início do tratamento, escolher um antidepressivo que é eficaz e não prejudicial a atividade sexual (como mirtazapina).

O que podem aqueles com depressão fazer para ajudar a si mesmos e melhorar o seu relacionamento?

  • Tente dar uma caminhada todos os dias, de preferência com seu parceiro. Andar a pé não só tomar o ar, o que elevará o seu espírito, mas, como qualquer forma de exercício, libera endorfinas no cérebro. As endorfinas são substâncias químicas "felicidade" que produzem bem-estar. Um passeio é um bom momento para se comunicar.
  • Alguns dias parecem melhores do que outros. Em seu dia bom, tente fazer um esforço para mostrar seus amor e interesse para o seu parceiro.
  • Você pode ter dificuldade de concentração, mas tente assistir a um programa de entretenimento na TV, junto com seu parceiro, pelo menos meia hora por dia. Qualquer coisa que quebra a melancolia e possa proporcionar alívio para a depressão.
  • Ouça a música que você gosta.
  • Acredite que a depressão não vai acontecer de novo e aproveite a vida.

O que podem parceiros das pessoas deprimidas fazer para ajudar a si mesmos e melhorar o seu relacionamento?

  • Pare de dizer o seu parceiro que você não entende o que está acontecendo. Tente se colocar no lugar dele para entender e passar você quer ajudar e que você está lá.
  • Deixe que ela saiba que você quer  tentar identificar as coisas que levantam o seu espírito para incentivá-los.
  • Seja paciente, ouça e eleve sua auto-estima. Fale sobre isso.
  • Saiba mais sobre a depressão. Sabendo o que você sabe sobre esta doença, o seu parceiro possa entender e fazer as coisas melhor orientação.
  • Não se desespere. Alguns dias vão pensar que seu parceiro lhe dá exatamente como você quer ou não. Mas deve continuar a insistir. Seu amor e apoio constantes têm uma grande influência.
  • Encorage o seu parceiro a obter ajuda profissional e tratamento e siga as instruções dadas.
  • Lembre-se: é como se o seu parceiro estava se recuperando de uma grave doença física ou operação. Dar todo seu amor e carinho, e encorajá-lo a descansar e se recuperar. Não espere que a melhoria seja rápido.
  • Passe algum tempo do seu dia fazendo o que você gosta. Tenha em mãos uma pessoa deprimida é desgastante, por isso é importante também cuidar de si mesmo. Passe algum tempo sozinho, vá ao cabeleireiro ou assista filmes ou saia com amigos. As pessoas deprimidas tendem a querer ficar em casa sem fazer nada, mas se você fizer o mesmo, eventualmente, não ajudará. Se necessário, procurar ajuda de amigos ou associações profissionais.
  • Lembre-se que esta fase da sua vida passará, e o seu parceiro, basicamente, continua a mesma pessoa.

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 871 perguntas sobre Depressão
  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.
  • Por uma questão de saúde, quantidades e doses de medicamentos não serão publicadas.

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.


Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.

Perguntas sobre Depressão

Olá!
Nove medicações para tratar depressão é bastante coisa! Provavelmente não existe a necessidade de tantos remédios assim, porém, quem precisa definir isso é o especialista. Nesse assunto,…
7 respostas

Sinto muito que o tratamento ainda não atenda seus anseios, mas não desista e busque tirar dúvidas e obter feedback dos profissionais, alinhando expectativas.

A recuperação de quadros…
16 respostas

Delicado, sempre a busca da ajuda principal deve vir de quem sofre o problema. Porém no seu caso, fique próximo, indique profissionais, ouça a pessoa que está sofrendo.
10 respostas

Você pode usar a vida toda, existem estudos que mostram que há até uma melhora da memória se usado por mais tempo em pessoas que realmente necessitem, por reduzir sintomas ansiosos/depressivos,…
2 respostas

Não há contra indicação no uso do álcool e desvenlafaxina, porém deve-se ter cautela com o possível aumento do efeito sedativo, da impulsividade e com alterações psicológicas do próprio efeito…
1 respostas

Pode ser que você tenha um aumento da sua ansiedade e tenha prejuízos no tratamento, pois medicações como antidepressivos precisam que sejam tomadas diariamente para fazer algum efeito. Portanto,…
1 respostas

você parece estar com um quadro depressivo por conta do luto pela morte de seu pai, que pode até não ser o único motivador do quadro. Procure ajuda de um psicólogo e psiquiatra para sair dessa.…
18 respostas

Sugiro fortemente uma avaliação com psiquiatra ou retorno ao médico que já te acompanha para relatar esses sintomas, para assim poder esclarecer o quadro e poder traçar um plano terapêutico
1 respostas