Biopsia da tireóide - Informações, especialistas e perguntas frequentes

A biópsia da tireóide ou biópsia incisional aberta é realizada para diagnóstico de câncer. A biópsia da tireóide é realizada sob anestesia geral na sala de cirurgia. Antes do exame é importante informar ao médico sobre alergias, medicamentos, sangramentos ou gravidez. Para a biópsia da tireóide recomenda-se jejum por 8 a 12 horas antes. O paciente recebe anestesia cerca de uma hora antes do procedimento. Normalmente coloca-se um cateter intravenoso (IV) no braço. Administra-se uma mistura de gases anestésicos e oxigênio durante todo o procedimento por meio de um tubo inserido na boca e nas vias respiratórias, que levam ao pulmão. Há dois procedimentos para a biópsia da tireóide. O procedimento com PAAF (punção aspirativa com agulha fina) faz-se com anestesia local. São feito várias laminas que são encaminhadas para diagnostico. Nos últimos anos a biópsia aspirativa de agulha fina vem sendo considerado a mais importante forma de investigação de tumores. É um método minimamente invasivo e de baixo custo. O procedimento com retirada das glândulas por processo cirúrgico, realiza-se também sob anestesia geral. Faz-se uma incisão na base do pescoço e retira-se a glândula tireoidiana para análise. Enquanto o paciente permanece na mesa de cirurgia, envia-se a amostra ao laboratório para ser examinada. Se for constatado um câncer, a tireóide é inteiramente removida. Depois o local da incisão é suturado. Após a biópsia da tireóide o paciente fica sonolento por várias horas. Pode apresentar uma leve dor de garganta devida ao tubo de oxigênio. Também pode haver algum desconforto no local da biópsia.

Especialistas em biopsia da tireóide

Encontre um especialista em Biopsia da tireóide na sua cidade:

Perguntas sobre Biopsia da tireóide

Nossos especialistas responderam a 138 perguntas sobre Biopsia da tireóide

Prof. Dhianah Santini
Prof. Dhianah Santini
Endocrinologista
Rio de Janeiro
Pode sim. Existem reações à punção como hemorragia ou sangramento. Provavelmente um novo exame de ultrassom de tireóide e de toda região cervical ajudará no esclarecimento. Além disso, é importante…
1 respostas

Olá ! A punção aspirativa é um procedimento simples feito no consultório mesmo , geralmente logo após o procedimento o paciente já é liberado para suas atividades habituais . Pode sim , sem problemas…
2 respostas

Dr. Lúcio Vieira
Dr. Lúcio Vieira
Endocrinologista
Rio de Janeiro
Não precisa de jejum para fazer Punção de Tireóide. É importante informar ao médico se você faz uso de AAS ou anti-coagulantes. :p
4 respostas

Especialistas falam sobre Biopsia da tireóide

A biópsia da tireóide, termo leigo para a punção aspirativa por agulha fina de um nódulo tireoidiano, é o procedimento que visa elucidar a natureza de uma alteração da tireóide descoberta pelo ultrassom. O procedimento consiste da retirada de células da tireóide por uma agulha, guiado por ultrassom, e posterior avaliação pelo patologista, que irá definir se há ou não malignidade (ou suspeita) na lesão. A PAAF é procedimento seguro, rápido e prático, e de baixo risco, normalmente com pouca dor, e que pode ser realizado em regime ambulatorial.

Francisco Bomfim

Cirurgião de cabeça e pescoço

Fortaleza

Agendar uma visita

O procedimento realizado é a "Punção Aspirativa por Agulha Fina" (PAAF), em que se utiliza uma agulha para colher material da lesão a ser estudada guiado por aparelho de ultrassom. Devido à proximidade com estruturas vasculares nobres e pelas dimensões da glândula, não se utiliza a agulha grossa. São confeccionadas lâminas para análise citológica e o paciente não necessita levar o material para um laboratório, já que esta é realizada pelo IMN. É realizada anestesia local para maior conforto do(a) paciente.

Camilo Ramalho Servino

Especialista em diagnóstico por imagem, Radiologista

Macaé

Quais profissionais realizam Biopsia da tireóide?

Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.