Como ajudar uma criança com autismo a interagir através de brincadeiras e jogos com sua família?
38 respostas
Como ajudar uma criança com autismo a interagir através de brincadeiras e jogos com sua família?
Olá! Cada criança tem seus próprios gostos e interesses, é importante identificar os interesses da criança, do que ela gosta de brincar e a partir daí criar jogos de interação. Brincadeiras com músicas que a criança gosta, cócegas, de esconder são algumas opções. Mas também depende da idade da criança, das suas habilidades e suas preferências. Espero ter ajudado! Abraços!

Tire todas as dúvidas durante a consulta online

Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa.

Mostrar especialistas Como funciona?

Olá! Assim como os adultos, as crianças também tem interesses particulares sobre determinados assuntos (o que inclui jogos e brincadeiras), e isso varia de criança pra criança. Nos estados autistas, muitas vezes o sujeito sente o mundo externo como algo ameaçador, e por isso se "fecha" para o contato com o outro, permanecendo num mundo interno dele. Portanto é importante que estejamos atentos as reações das crianças diante das atividades propostas, para que os estímulos não excedam os limites dela (há crianças com hipersensibilidade a texturas, toques ou sons, por exemplo). Jogos e brincadeiras são uma ferramenta muito potente de comunicação com as crianças, através deles podemos estimular o desenvolvimento, a troca de afetos e comunicação entre adultos e crianças. Para saber qual jogo ou brincadeira é mais adequado é necessário levar em consideração o momento de desenvolvimento (qual brincadeira ou jogo condiz com sua faixa etária), testar e se comunicar com ela enquanto exerce a atividade (pergunte o que ela prefere, se esta entendendo; e tente ajuda-la a exercer a atividade, nomeando o que for acontecendo e o que você imagina que ela pode estar sentindo - alegria, frustração, confusão, dentro outros), estando atento a como ela reage ao que os adultos estão propondo - mesmo as crianças que não falam, se comunicam através de gestos, fisionomia e emoções.
Seja qual for a ferramenta utilizada (contação de histórias, jogos com música, massinhas de modelar, bonecos, pintar ou desenhar, são alguns exemplos possíveis) é importante que o adulto esteja aberto a atividade em conjunto e atento as reações da criança, tentando nomear e ajuda-la naquilo que ela ainda não é capaz de fazer sozinha. Um abraço!

Boa Noite!
Cada criança se interessa por um tipo de brincadeira ou um tipo de jogo diferente, pois cada criança tem a sua particularidade.
Tente interagir com a criança de acordo com o que mais chame atenção dela, você vai percebendo quais serão seus gostos e o o que mais ela se interessa.

Boa tarde. Depende de criança para criança. Ela tem repertorio visual?( olha para vc e sustenta o contato visual) È verbal?( fala)
se sim, estimule a criança com uma entonação de voz mais empolgante e com intensidade no olhar, não apenas chamando-o , mas mostrando o quão interessante pode ser ela olhar para você, eu costumo dizer para os pais e educadores, que eles precisarão ser o ator e palhaço da criança e que é necessário se divertir também com as brincadeiras.A disposição.

O processo psicoterapêutico com crianças se dá através de jogos, desenhos e brincadeiras lúdicas. No caso de crianças autistas você pode buscar por jogos ou brincadeiras que possibilitem trabalhar habilidades com pistas visuais. Isso vai fazer com que a criança treine os pontos mais comprometidos. Exemplos: esconde-esconde, boliche, encaixes, montagens, amarelinha, túnel, etc. Obrigada!

As crianças autistas apresentam comportamentos diferentes. Verifique se gostam de cantar, dançar, desenhar, encaixe. A idade de cada pessoa com autismo difere da idade cronológica. Preocupe-se em estar ali ao lado dela, com muito carinho e atenção as atitudes. Fantoches, histórias, atividades diversas com material desestruturado, panos, bolas jogadas ao chão e artes integradas. O amor e a integração familiar importam.

Olá, a criança é um ser humano, então, seja apenas um ser humano interagindo com ela, vc saberá o que fazer, aceite e busque compreende-la e busque tratamento com especialistas. O ser humano é muito mais que o transtorno.
Espero ter ajudado, abraços.

BOM DIA a criança gosta de desenhar ou iminta? Temta ser comunicada com ela fazendo parte da brincadeira quando chama a atenção dela tentar iminta o que você está desenhando .
Potencie a interação fazendo aquilo que a criança goste, realizando com ela.
Realize uma tarefa breve, Clara e mais simples possível.
Respeito o ritmo da criança e seu jeito de quarda os brinquedos de tentar quarda da mesma forma. Sendo assim podera está conseguindo a empatia da criança realizando as atividades e brincadeiras juntos.
E sempre fazendo elogios para que ela tenha estímulo para realizar todas as tarefas recomendada a ela.
Espero ter ajudado.

Olá!
As pessoas são extretamente singulares no modo como interagem, se comunicam, se comportam, etc... Especialmente as crianças. Então é importante observar os hábitos dessa criança, a relação que você tem com ela para só então encontrar formas e eleger recursos que auxiliem no desdobramento dessa habilidade (brincar) dela. O suporte profissional auxiliar a instrumentalizar tanto a criança, quanto as pessoas que convivem com ela. E é incrível quando acontece!

Olá. As crianças com autismo tem dificuldade no jogo simbólico e brincam de uma forma incomum, considerada diferente para quem olha, pois se concentram em detalhes e de modo repetitivo. Por isso, perceba os interesses da sua criança, entre na brincadeira dela ainda que repetitiva e aos poucos va introduzindo outros, mas com muita calma e respeitando o tempo dela. Para crianças mais novas, Brincadeiras que estimulem o contato visual, que façam a criança dividir a atenção, que ajudem a imitar, apontar, são algumas ideias. Para crianças mais velhas, jogos podem ser utilizados e adaptados dependendo se a criança já fala ou não, mas de modo que ajude a ela a esperar, saber a minha vez/sua vez. Ou seja, procure adaptar os jogos, sem esperar que ela cumpra exatamente o que é pedido no jogo, o objetivo é brincar, interagir, ajudá-la a se sentir a vontade, pois é assim que ela vai aprendendo, no seu ritmo. Espero ter ajudado.

Bom dia! Acho que antes de tudo é importante você entender quais tipos de brincadeiras a criança mais gosta e expressa mais reações como risadas. Crianças com TEA costumam interagir melhor com brincadeiras com maior intensidade motora e que envolvem questões sensoriais. Brincar de pular com elas, correr, fazer cócegas podem ser interessantes. Preste atenção na reação dela para que a brincadeira não se torne algo desagradável para a criança.

Nada mais importante do que o amor. O amor e o interesse devem permear As relações humanas. Quando se trata de autista, não é diferente. A criança autista percebe o interesse do cuidador e se abre para a interação. Os jogos interativos devem seguir esta linha: quem ama e tem interesse, primeiro entende o que o outro quer, do que ele gosta e como ele gosta. Daí, busca-se brincadeiras que atendam a este gosto. Quando a criança se sentir acolhida ela se abrirá mais um pouco e neste momento você poderá ir conduzindo as brincadeiras de forma a trabalhar nela outras habilidades e gostos.

Bom dia.
O primeiro passo seria conhecer a sua fase de desenvolvimento bem como os seus interesses e o seu grau de comprometimento na linguagem, socialização e mesmo seus comportamentos repetitivos. Cada criança é única e combinar a diversão com aprendizagem é incrível. Seria interessante trabalhar com atividades usando o seu próprio corpo, como por exemplo dar-lhe papel, lápis, giz de cera para que faça os seus contornos corporais e o do outro. Ex; mãos, pés e corpo (tomada de consciência de si e do outro). Trabalhar com recortes de papéis coloridos de tamanhos e espessuras diferentes na montagem de um desenho (sensorial). Uso de quebra cabeças, músicas, jogo da memória, jogo do lince, hora do rush. Todas essas atividades proporcionará ao mesmo e a sua família hora de diversão e interação, com fortalecimento de vínculos afetivos.

Olá, sugiro que você crie novidades, é dentro dessas novidades personagens que a criança goste, se gosta de jogar no celular observe o jogo é crie algo parecido em casa para que todos da família participe, se a criança gosta de bola você pensa em jogos que pode inserir a bola com todos participando como o jogo de boliche, até no boliche você pode colar imagens de pessoas ou desenhos que a criança goste, espero que ajude bjs.

O processo de brincar com a criança ocorre de forma natural, então sempre respeite o momento dela se torne o mediador da brincadeira e vai conquistando aos poucos a atenção da criança.

A criança com autismo é muito sensível. É preciso cuidado com o excesso de estímulos. A primeira coisa é observar o que deixa ela satisfeita. A música, o movimento corporal são atividades que podem ajudar, quebra-cabeças, desenhos livres, pinturas, jogos de montar, imitação, animais, jogos eletrônicos entre outros. Na verdade o importante é como conduzir os jogos e interagir o máximo possível, respeitando o limite de cada criança.

Olá! Como está? Para responder com mais qualidade sua pergunta algumas informações seriam necessárias, como: qual a idade do seu filho? Como vocês se comunicam? Como ele se relaciona com o outro? Quais traços você identifica nele? Qual o vínculo dele com a família? Com qual frequência eles se encontram? E, especialmente, eu precisaria conhecê-lo. Pois cada sujeito autista, como cada sujeito são muito diferentes uns dos outros. Uma direção importante que posso te dar é que você observe com o que e como seu filho gosta de brincar e entre no jogo a partir do desejo dele, o mesmo movimento sua família precisa fazer e aos poucos cada membro da família (separadamente) precisa ir criando e fortalecendo um laço com seu filho. Brincadeiras que podem ser interessantes caso seu filho seja criança: lego, correr junto, massinha, brincadeira do espelho, jogar bola no cesto, pintar! Sempre respeitando o tempo da criança e os sinais que ela dá.

Qualquer dúvida pode entrar em contato, para poder te ajudar melhor.

Um abraço.

Procure brincadeiras em que ela entenda o objetivo e que compreenda as regras. Do contrário não haverá motivação. Chame a atenção para que ela olhe nos olhos dos participantes o tempo todo. Mostre como isso é importante, mesmo que ela não faça.

Olá!
O mais importante é verificar os interesses da criança e através dele criar as brincadeiras. Geralmente, as brincadeiras sensório motoras tem uma boa aceitação, tais como: cosquinhas, esconde esconde, brincar de cabana. Adicionar um pouco de suspense: e agora? Fazer caretas e sons que chamam atenção são coisas que ajudam a criança se conectar. O principal é observar os interesses e através disso ir criando as brincadeiras.

A criança costuma interagir de acordo com seu próprio universo. Ele é um sujeito desejante, esteja disponível para ele, observe e tente perceber quais os interesses o dispersam. A partir daí você conseguirá acessá-lo e descobrirão juntos formas de interação.

Olá! Como vai? Através da observação. E muito importante indentificar os gostos e, habilidades da criança, para que se possa aos pouco, de maneira lúdica, introduzir outras ferramentas que seja importante para seu desenvolvimento!

Bom dia, as situações cotidianas do dia-a-dia já vão possibilitar que a criança com autismo interaja com o grupo familiar. É importante ressaltar que cada pessoa tem suas peculiaridades no que se refere a preferências, assim não tem uma formula pronta, apenas a família tem que estar disposta a observar que brinquedos que despertam curiosidade e nos momentos em que a criança encontra-se tranquila para brincar ofertar. Lembre-se a criança precisa de rotina no seu dia-a-dia, porém não sobrecarregue com muitas atividades e estímulos que irão deixá-las mas agitada, assim causando mais momentos de inquietação.

A criança autista também tem seus gostos, sejam estes bola, quebra-cabeças, legos, tente descobrir qual é a mais interessante e procure englobar a família dentro da sua preferência e a partir daí use a criatividade para brincar, ou a deixe conduzir.

Não existem receitas prontas sobre isso pelo fato de que a capacidade de interagir se desenvolve diferentemente entre crianças de um modo geral e entre crianças diagnosticadas com TEA também. Há estudos mostrando os efeitos positivos de procedimentos baseados na análise aplicada do comportamento sobre a capacidade de interagir. Mas para isso é preciso inicialmente conhecer não só a criança, como a dinâmica familiar. Uma avaliação neuropsicológica é indicada pois oferecerá o caminho para o desenvolvimento de habilidades na criança, tanto do ponto de vista cognitivo, quanto emocional.

Concordo com as colocações dos colegas. É importante você pensar que antes de tudo ela é uma criança e como qualquer criança tem seus gostos e preferencias. Não é o autismo que irá determinar os gostos pessoais dela. Assim pergunte, experiente, apresente opções, interaja e veja o que mais a agrada. Simples assim. Fico à disposição. Abraços

Para desenvolver qualquer tipo de habilidade em uma criança com autismo, é preciso antes de tudo identificar se ela consegue imitar o que vc está fazendo, a partir dessa habilidade de imitação, vc poderá desenvolver outras habilidades em sua criança. Porém é necessário que busque orientação de um profissional que atue com análise do comportamento para te ajudar no processo. Procure um profissional que trabalhe com terapia ABA, Irá te ajudar muito no desenvolvimento da sua criança.

Olha só, cada criança por si só já possui seu gosto para brincadeiras e atividades (isso não significa que sempre teremos que fazer o que os pequenos querem), no entanto, crianças autistas, devido ao seu próprio quadro de neurodesenvolvimento prefere muito mais algum(as) brincadeiras bem específicas. Passe a observar o que essa criança gosta de fazer enquanto brincadeira, é desenhar? É pintar? É contar história? É ter amigos imaginários? É jogar bola? Esses são apenas exemplos. Construa atividades que envolvam o gosto dela e a família, não conseguindo, a ajuda profissional sempre será bem-vinda (ou de um T.O, ou de um psicólogo, ou pessoas de outros saberes). Acredito que seja isso! Fiquem bem e se cuidem. Abraços

A interação é possível através de estímulos, paciência, dedicação e carinho para auxilia-los neste processo.
Fatores como sociabilização, ajuda profissional e comunicação via imagens são muito importantes neste desenvolvimento.

A família deve organizar as brincadeiras e os jogos em dois momentos destintos: um momento em que a criança brinca livre e outro momento dirigido, incentivando a criança a explorar novas formas de brincar. A família quando brinca junto com a criança melhora a autoconfiança, a consciência corporal e as relações, estimulando de forma positiva o desenvolvimento da criança.

Olá!
Boa tarde!
Crianças atípicas, caso de TEA ( Transtorno do Espectro Autista) é importante entender como os comportamentos estão sendo mantidos e reforçados dentro do ambiente familiar. Identificando esses reforçadores, construir uma lista de preferência de jogos para ir aproximando o comportamento de brincar. É importante definir inicialmente o comportamento de brincar, caso a criança não se aproxime dos jogos inicialmente e a partir daí treino de intraverbais e habilidades sociais. É necessário uma análise criteriosa para traçar esta intervenção, portanto, um especialista em Análise do Comportamento e outros profissionais ajudaria muito à família.
Ricardo Borges de Araújo.
Especialista em Neuropsicologia Clínica e Especializando em Psicologia do Comportamento Aplicada ao Autismo.
psicologaraujo.com.br

A princípio, respeitar o devido 'distanciamento espacial' que as crianças do Espectro Autista demandam. Manter a constância da estimulação externa ambiental (freiras bolivianas costumavam, inclusive, usar as mesmas roupas!) dada à estereotipia do quadro. E, em especial - identificar o NI - Núcleo de Interesses - que varia de criança a criança.
Não recomendo músicas ambientais, a não ser as que respeitem a demanda da constância'.

Olá, nesse caso é interessante estimular a criança com : quebra cabeça, dominó, pinturas que tenham texturas, músicas, desenhos animados educativos. Brincadeiras de faz de conta ( para que a criança possa desenvolver habilidades de simbolização ), trabalhar o raciocínio lógico é importante também, pode fazer isso com histórias infantis, que estimule a criança a pensar. Crianças com TEA precisam de estímulos em todos os sentidos, gradativamente vc pode implementar tarefas que exija interação da criança, para que ela possa desenvolver a atenção e foco. Trabalhar as potencialidades e dificuldades é essencial para o seu desenvolvimento como um todo. Att, Psicóloga Xasmênia Neco CRP 07.32583

Boa noite . A criança que apresenta TEA, revela seus interesses bem específicos por determinadas brincadeiras ,portanto é muito importante que o adulto seja sensível e aprenda a "escutar "o que a mesma deseja , qual o canal facilitador pra essa interação .A partir daí , fica mais tranquilo estabelecer essa ajuda tão necessária para o seu desenvolvimento.

Olá,

O brincar, o brinquedo o lúdico são ferramentas úteis em qualquer contexto com crianças, e não só com elas.
A criança com TEA tem suas particularidades devido ao seu déficit de habilidades sociais entre outros e dependendo do nível ajustar as brincadeiras sempre os motivando à participar.
Minha sugestão usar bolas coloridas para serem introduzidas em um balde, e estabelecer quem jogará primeiro, criar regras claras, coisas simples que tenha em casa.
Camisas colocadas no chão formando linhas para que ele pule e leve a bola para o fim das linhas, são sugestões simples, mais podem ser eficazes o ajudando a interagir, sempre o parabenizar, motivando-o estimulando-o vocês vão cooperar não é uma disputa.
Também pode utilizar jogos online, embora as telas pareçam frias, as tecnologias são ferramentas importantes se bem usadas, pois o que adianta equipamentos de última geração se os afetos não estiverem presentes, o adulto mediador provoca a criança para estimular a interação, estabelecer regras e horários as possibilidades são infinitas.
Uma equipe multiprofissional é sempre importante.

Bom dia. Acredito que é importante olhar para a criança e não para a doença. A Síndrome do espectro Autista é um conjunto de sintomas que pode ter um nível de limitação muito diferente de uma criança para outra. Olhe para criança como qualquer outra, apenas coM um ritmo diferente do seu, e caminhe junto com ela no ritmo dela. Sem pressa e sem querer que ela dê saltos para acompanhar você ou outras crianças da mesma idade. Observe com amor e vá conhecendo aos poucos o que lhe agrada e o que lhe traz desconforto. Ela tem que ser a sua bússola. Siga o caminho que ela indicar. Sempre proponha coisas simples e observe sua reação. Jogos, sons, cores, toque, locais do ambiente, alimentos, tudo pode e de e ser proposto e observar atentamente suas reações. Aquilo que for recebido com prazer ou com atenção pode ser implementado aos poucos, repetindo a experiência e ampliando os desafios. O que a criança não gostar ou apresentar reações de desconforto, dor ou incômodo deve ser evitado. Tudo como com uma outra criança sem estas limitações. Existe pessoas com autismo co
habilidades para cálculos, música, memorização e que quando foram devidamente estimuladas (respeitando seus limites) chegaram a vida adulta com desenvolvimento que lhes permite viver com independência e prazer em viver. Por isso, antes de enxergar o autismo, enxergue a criança e siga a seu lado, no ritmo dela. Poderá propor qualquer atividade e terá muitos motivos para amar e ver seu crescimento sadio. Se as limitações forem muito intensas, procure ajuda de profissionais qualificados que poderão ajudar na sua caminhada.

Olá, como vai?
Uma pessoa com autismo é singular como qualquer outra pessoa. Um diagnóstico não traduz a singularidade. Sua pergunta traz poucas informações, tendo em vista o autismo revelar muitas características, que não necessariamente se farão presentes em todas as pessoas com o diagnóstico de autismo. Assim, quais características de autismo sua criança apresenta? Qual a idade? Como se comunica? Como se relaciona com a família? Tem irmãos? Contudo, vale assinalar que é crucial que você observe o que a criança gosta, como ela brinca e o que se apresenta como insuportável para ela. Aproximar-se mais é identificar o que ela gosta, para a partir de então propor jogos e brincadeiras, visando maior interação. Precisa respeitar os gostos, o que dá prazer e, principalmente, o tempo da criança, o que ela consegue. É importantíssima essa aproximação.
À disposição
Zeína

Olá. Mostre à criança como ela deve fazer. Pessoas com TEA possuem orientação visual muito forte e necessitam ver para entender. Indico o livro “Dez coisas que toda criança com autismo gostaria que você soubesse”, Ellen Notbohm.
Experimente! Boa sorte!

Crianças autistas apresentam comportamentos diferentes. E importante verificar se a criança gosta de cantar, dançar, desenhar, encaixe, etc. Preocupe-se em estar ali ao lado dela, com muito carinho e atenção. Também fantoches, histórias, atividades diversas com material diferentes ajudam na interação com a criança. O amor e a integração familiar importam.
É importante entender como os comportamentos estão sendo mantidos e reforçados dentro do ambiente familiar.


Especialistas

Stéphanie Nunes

Stéphanie Nunes

Psicólogo

Aracaju

Vanesssa Kopp

Vanesssa Kopp

Psicopedagogo

Porto Alegre

Meliza Villela

Meliza Villela

Psicopedagogo

São Paulo

Karine Vicente

Karine Vicente

Psiquiatra

Fernandópolis

Ana Paula Camargo

Ana Paula Camargo

Terapeuta ocupacional

Tatuí

Renata Camargo

Renata Camargo

Psicólogo

Camaquã

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 178 perguntas sobre Autismo

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.