Desvenlafaxina tem interação com álcool?
 Dirk Belau
Dirk Belau
Psicanalista, Psicólogo
São Paulo
Tanto o álcool como qualquer medicamento psicotrópico tem efeitos diferentes em pessoas diferentes. A sua pergunta estranha, como se você mesmo ou mesma não tivesse oportunidade para sentir qualquer interação. Ou está pensando em outras interações não perceptíveis pela pessoa? Ai, vale dizer que o álcool, tomado sobremedida, prejudica o fígado, com ou sem interação.

No entanto, se o seu consumo de álcool mesmo junto com um remédio psicotrópico não alivia suficientemente a sua depressão, recomendo procurar outra via. A depressão não cai do ceu. Se as suas vivências, presentes ou passadas, lhe entristecem demasiado, deveria procurar mudá-los se possível. Para isto pode precisar mais força mental para tomar decisões. As vivências do passado agem na memória e pesam na vida presente. Em ambos os casos, procure se dar conta do que acontece com você. Procure conversar com um profissional de psicoterapia ou psicanálise. A depressão não é do corpo mas da alma. Os químicos quebram um galho, só

Apesar dos estudos indicarem que a associação dos dois não aumenta o comprometimento das habilidades motoras e mentais causadas pelo álcool, é aconselhado a evitar o consumo deste enquanto tiver tomando o remédio.

Dra. Mariana Pavani
Dra. Mariana Pavani
Psicanalista, Psicólogo
Campinas
Não há, contudo se você o utiliza para a depressão, ansiedade, entre outras questões, não vale a pena abusar do álcool e ir contra essa intenção. Moderação sempre

 Paulo Renato Oliveira
Paulo Renato Oliveira
Psicanalista, Psicólogo
Rio de Janeiro
O protocolo básico recomenda evitar consumo de álcool e outras substâncias psicoativas durante o tratamento. Há uma interação, com riscos de intensificação dos efeitos de ambos.

Dra. Vera Marinho Maschio
Dra. Vera Marinho Maschio
Psicólogo
Porto Alegre
Concordo com a explanação acima. Os desejos de sobrepor as orientações do tratamento tem sentido e conflitos podem ser revelados e melhor entendidos em atendimento clínico especializado. Até a submissão ao tratamento proposto remete a limites que podem ser motivos para reflexão. Cuide-se!

Sim, mas converse com seu médico , qual é a sua forma de uso do alcool.?
Att.
Eduardo

Não, mas o uso de álcool concomitante com medicamentos deve ser evitado. É importante saber ainda qual a frequência do seu uso do álcool pois isso pode ter relação com o quadro depressivo.

Sua pergunta é importante, pois embora seja objetiva, tem implicações mais complexas. Na bula do remédio, por exemplo, diz que "Um estudo clínico demonstrou que a desvenlafaxina não aumenta o comprometimento das habilidades mentais e motoras causadas pelo etanol." Note que ele fala de "um estudo" o que tem que ser olhado com cuidado. Para além disso, tem outras questões a serem consideradas. Gostei muito de um artigo produzido pelo psiquiatra Luis Guilherme de Oliveira Labinas, para o site "minha vida", com o título "Antidepressivos e bebidas alcoólicas: Pode misturar?", procure no google. Em resumo, por esse artigo, do ponto de vista orgânico, é desaconselhado seu uso durante o tratamento. Mas sempre consulte seu médico, pois ele pode te aconselhar melhor em relação a frequencia e quantidade do consumo que possa ser feito de maneira mais segura.

Falando agora do ponto de vista da minha área, a psicologia, o uso de álcool tem que ser bem analisado. Isso porque o uso pode ter uma função que em psicologia comportamental chamamos de "esquiva experiencial". Esse nome estranho quer dizer simplesmente que fazemos coisas para tentar reduzir nossas experiencias dolorosas, o que não é um problema. Contudo, quando esquivas experienciais se tornam fortes, a tendência é que isso ganhe proporções grandes na vida e o resultado mostrados em pesquisas é a piora do quadro. Alcool pode ter um efeito forte nesse sentido. Por isso, é preciso ficar atento. Um consumo esporádico, em pequena quantidade, do ponto de vista psicológico (do ponto de vista psiquiátrico, novamente, consulte seu médico) não traria grandes problemas. Fique apenas atento à função do beber: se você decide beber em um momento em que está bem, para celebrar algo, etc. é uma coisa, mas se você decide fazer isso como forma de esquiva experiencial de sintomas da doença, é preciso ter cuidado, pois você pode experienciar redução do desconforto a curto prazo, mas está contribuindo para aumentar seu problema a médio e longo prazo. Para te ajudar a lidar melhor com suas emoções e desenvolver comportamentos mais efetivos para lidar com suas questões, lembre-se de procurar ajuda psicológica também! Forte abraço!

Quando se faz uso de psicotrópicos é desaconselhado o uso do álcool, porém se é só uma dose de vinho de vez em quando pode ser possível, o importante é entender qual situação me leva a beber, se é uma festa de aniversario ok, se for uso cotidiano a situação muda. Precisa ser honestos com nos mesmos e ser responsáveis por nossas escolhas, se sozinhos não conseguimos e precisamos recorrer aos medicamentos faze-se necessário pedir ajuda a um psicologo/a para nos auxiliar a reconhecer as causas que nos levam a beber, e se precisar do medicamento precisa se conscientizar sobre elas e cura-las na medida do possível com ajuda de um profissional. .

Dra. Valeria Abatemarco
Dra. Valeria Abatemarco
Psicólogo, Psicanalista
São Paulo
Depende também de quanto álcool. Com este medicamento se o álcool for pouco não há muita interação negativa mas sempre é bom evitar álcool com substâncias psicoativas!

Especialistas em Depressão

Maria de Fátima Novaes Marinho

Maria de Fátima Novaes Marinho

Psicólogo

São Paulo

Andreza C. Lage

Andreza C. Lage

Psicólogo

Pindamonhangaba

Flavia Costa

Flavia Costa

Psicólogo

Campinas

Fenelon Laba Da Costa

Fenelon Laba Da Costa

Psiquiatra

Curitiba

Alina Filipescu

Alina Filipescu

Médico de família

São Caetano do Sul

Larissa Bernardo

Larissa Bernardo

Psicólogo

Goiânia

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 609 perguntas sobre Depressão

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.