O TDAH realmente existe ou é apenas uma doença fictícia criada pelas industrias farmacêuticas lucrarem com medicamentos ? Será que fazendo apenas terapia com psicólogos para que o individuo se conheça já não seria o suficiente para criar um foco no que se deseja aprender ?
obs: Sofro desse mal.
O TDAH existe de fato, mas o diagnóstico é complexo e muitas vezes mal estabelecido (levando a excessos no registros de casos, conforme estudos internacionais apontam). Não há consenso na literatura sobre os fatores causais, mas há correlação entre genética (embora não seja o fator causal isolado) e também um do contexto ambiental e social/cultural durante o desenvolvimento comportamental do indivíduo. Pesquisas recentes mostram que um processo psicoterapêutico bem conduzido pode levar à minimização dos comportamentos impulsivos e de desatenção a longo prazo, com ou sem acompanhamento farmacológico. Os efeitos positivos do tratamento farmacológico isolado não se sustentam ao retirar a medicação, fazendo dessa opção um tratamento contínuo (o medicamento não ensina novos comportamentos). Há bons resultados tanto com psicoterapias comportamentais isoladas quanto em conjunto com tratamento farmacológico, ou seja, com o paciente em acompanhamento conjunto por psicólogo e psiquiatra.

 Decio Deforme da Cunha
Decio Deforme da Cunha
Psicanalista, Psiquiatra
Rio de Janeiro
O TDAH existe enquanto diagnóstico categorial. Além deste, outros dois devem ser considerados a saber : o dimensional e o psicodinâmico. Dito isso a resposta é sim. Após avaliação da intensidade e da psicodinâmica pelo profissional, ambos, paciente e terapeuta podem optar somente pela investigação dos conteúdos inconscientes responsáveis pelo quadro clínico (autoconhecimento). Com a progressiva integração desses conteúdos à consciência ocorrerá igualmente progressiva remissão dos sintomas.

 Renata S Hagge
Renata S Hagge
Psicólogo
Itaboraí
bom dia
Existe sim, chama-se Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade, é uma combinação de agitação, impulsividade e desatenção, o número de incidência de TDAH no Brasil é de 3 a 5% da população infantil, podendo se estender a fase adulta, mais frenquente em meninos, e ocorre em 3 graus, leve, moderado e grave.
Alguns estudos apontam referências na genética, anormalidades cerebrais e fatores ambientais como as possíveis causas.
O tratamento deve ser multidisciplinar, com remédios e psicoterapia, visando a melhora global do paciente e sua qualidade de vida!
Boa sorte!

 Rodrigo Koroviski
Rodrigo Koroviski
Psicólogo, Psicopedagogo
Ponta Grossa
Olá. Existe sim e é reconhecido pela OMS e está no DSM V. Existem estudos comprovando que a eficiência da psicoterapia é melhorada com o uso de alguns medicamentos receitados pelo médico. Por isso sugiro que seja acompanhado por profissionais dessas duas áreas para um melhor resultado. Boa sorte.

Olá, o TDAH é um transtorno orgânico, com alterações no cérebro, que precisa ser tradado.

Mediante todas as respostas acima descritas, sugiro que faça uma Neuropsicologica para investigar as funções cognitivas e ter um diagnóstico preciso junto á equipe multidisciplinar!
At.,
Monica Araujo
Neuropsicologa

Dra. Jandira R. Acosta
Dra. Jandira R. Acosta
Psiquiatra
Porto Alegre
Olá,
O TDAH é considerado um transtorno do neurodesenvolvimento, com múltiplos fatores envolvidos em sua gênese. É sim, um transtorno verdadeiro, que aparece com sintomas de desatenção e/ou hiperatividade e/ou impulsividade.
Sabe-se que quando não tratado, os portadores podem ter prejuizos como: mais dificuldades escolares, remuneração menor no trabalho ( exercendo funções abaixo de suas capacidades reais), risco de uso de subtâncias psicoativas, de direção perigosa, de gestação na adolescência e até problemas com peso.

Atualmente sabe-se que a medicação é o tratamento isolado mais eficaz para o transtorno. Porém, sabe-se também, que os melhores resultados são alcançados quando se alia à medicação, terapia da linha cognitivo comportamental para o TDAH.

Para saber mais informações sobre o TDAH, com base em dados cientificos, sugiro assistir o vídeo no youtube " Mitos e Verdades sobre o TDAH | Luis Rohde|".

Dra. Cirene Ayres Valadao
Dra. Cirene Ayres Valadao
Psicanalista, Psicólogo
Goiânia
Olá!
O TDAH de acordo com o DSM - 5 ( Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), estabelece o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade como um transtorno do neurodesenvolvimento, que se apresenta com um conjunto de sinais e de sintomas que se manifesta bem cedo na vida da criança, e que provoca déficit no desenvolvimento. Os prejuízos são desde à infância, a vida adulta.
Mas o mais importante é que existe diagnóstico e tratamento, com ótimas possibilidades de se ter uma vida muito produtiva.
Caso tenha o diagnóstico procure ajuda.
Um abraço e boa sorte!
Atenciosamente,
Dra. Cirene Valadão. Psicóloga / Neuropsicóloga / Psicoterapeuta de Casal e Família

Especialistas em Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

Renata Camargo

Renata Camargo

Psicólogo

Camaquã

Luis Falivene Roberto Alves

Luis Falivene Roberto Alves

Psiquiatra

Campinas

Ana Larissa Marques Perissini

Ana Larissa Marques Perissini

Psicólogo, Sexólogo

São José do Rio Preto

Tiago Lenz De Brum

Tiago Lenz De Brum

Psiquiatra

Concórdia

Luciane Brunholi Xavier

Luciane Brunholi Xavier

Pediatra

Paranavaí

Andressa Mara Netto

Andressa Mara Netto

Psicólogo

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 225 perguntas sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.