Ovodoação - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em ovodoação

Encontre um especialista em Ovodoação na sua cidade:

Perguntas sobre Ovodoação

Nossos especialistas responderam a 2 perguntas sobre Ovodoação

Dra. Ines Katerina D. Cavallo Cruzeiro
Dra. Ines Katerina D. Cavallo Cruzeiro
Ginecologista
Belo Horizonte
Melhor suspender, pois interfere nos niveis de testosterona no organismo e pode teoricamente atrapalhar a induçao! Mas como processo é rápido vc fica apenas uns 15 dias sem! De qquer forma converse…
3 respostas

O ideal seria até 35 anos, mas converse com seu medico. Um abraço.
3 respostas

Especialistas falam sobre Ovodoação

Uma das causas de infertilidade mais impactantes é a ausência de óvulos viáveis, principalmente em razão da insuficiência ovariana e ou da baixa qualidade óvulos, em geral por idade avançada. Como opção de tratamento, nesses casos, há muitos é utilizada a técnica de doação de óvulos (DO). A necessidade da DO pode resultar também de doenças genéticas, ausência dos ovários, e falhas repetidas em ciclos de fertilização in vitro. No Brasil, a doação compartilhada de óvulos é considerada um procedimento ético e as normas seguem algumas condições, como: doação sem caráter comercial; anonimato entre as partes envolvidas (doadoras e receptoras); e doadoras jovens, com idade limite de 35 anos.

Vinicius Medina Lopes

Ginecologista

Brasília


Pacientes em condições de esgotamento de sua reserva de óvulos total (menopausadas) ou iminente (onde a recuperação de óvulos em ciclos de bebê de proveta é minima ou nula) têm a alternativa de recorrer à doação de óvulos com excelentes resultados. A doadora deve ter menos que 35 anos, características compatíveis com a receptora e passar por triagem sorológica e de histórico para doenças genéticas,sendo portanto um tratamento seguro .A doação é anônima e normalmente altruística, no entanto é aceita também a doação compartilhada onde a receptora custeia parte do tratamento da doadora .Casais que optam por este caminho se mostram tão felizes quanto aqueles que usam óvulos próprios .

Fabio Biaggioni Lopes

Ginecologista

São José dos Campos


A doação de óvulos é realizada por mulheres que cedem parte de seus óvulos para outro casal. Estes são fecundados pelos espermatozóides do casal receptor e os embriões gerados são transplantados no útero da receptora. O tratamento deve ser feito de forma voluntária, anônima e sem vínculos financeiros da doadora com a receptora. As doadoras devem ser mulheres abaixo de 35 anos, sem históricos de doenças hereditárias, com uma boa reserva ovariana. Com a nova resolução do Conselho Federal de Medicina, a doação voluntária de óvulos também passa a ser permitida.cIndicada para mulheres na menopausa, em idade avançada, falha em FIVs anteriores com seus óvulos, casais homoafetivos masculinos, etc

Ines Katerina D. Cavallo Cruzeiro

Ginecologista

Belo Horizonte


A FIV com utilização de óvulos doados está indicada quando os ovários perdem a capacidade de serem estimulados através de medicamentos. Os óvulos são obtidos de doadoras jovens e saudáveis, que estão realizando um ciclo de FIV, e que produzem óvulos excedentes. A doação de óvulos é indicada para mulheres que perderam sua capacidade reprodutiva. No Brasil, a doação de óvulos só é permitida de forma anônima e sem fins lucrativos.

Camila Oliveira Da Silveira Caires Lopes

Ginecologista

Belo Horizonte


Algumas vezes, em uma fertilização in vitro, precisamos recorrer a utilização de óvulos doados, seja porque a mulher não produz mais óvulos em quantidade suficiente ou com qualidade adequada para a fertilização ou nos casos de casais homoafetivos masculinos. A ovodoação não tem caráter lucrativo, é anônima e pode ser voluntária ou compartilhada, de modo que a doadora é submetida a estimulação ovariana e, ao final do tratamento, metade dos óvulos captados ou todos eles, a depender do tipo de doação vai para a receptora.

Quais profissionais realizam Ovodoação?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.