Tratamento cirúrgico da escoliose - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Outros nomes: Tratamento cirúrgico da escoliose, Operaçao De Harrington, Tratamento cirúrgico para escoliose com hastes e parafuso (material de 3 geração).

Especialistas em tratamento cirúrgico da escoliose

Encontre um especialista em Tratamento cirúrgico da escoliose na sua cidade:
Erick Kazuo Murata

Erick Kazuo Murata

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Agendar uma visita
Marcelo Botelho Soares de Brito

Marcelo Botelho Soares de Brito

Ortopedista - traumatologista

Belém

Agendar uma visita
Luciano Pellegrino

Luciano Pellegrino

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Agendar uma visita
Antonio Jose Alencar de Castro

Antonio Jose Alencar de Castro

Ortopedista - traumatologista

Fortaleza

Agendar uma visita
Ramon Guerra Barbosa

Ramon Guerra Barbosa

Neurocirurgião

Montes Claros

Agendar uma visita
Pietro Zanaga Junior

Pietro Zanaga Junior

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Agendar uma visita

Perguntas sobre Tratamento cirúrgico da escoliose

Nossos especialistas responderam a 13 perguntas sobre Tratamento cirúrgico da escoliose

Dr. Ricardo Folador Bergamaschi
Dr. Ricardo Folador Bergamaschi
Médico do esporte, Ortopedista - traumatologista
Vitória
Fica complicado responder sua pergunta sem antes realizar um exame clínico e avaliar os exames de imagem.
2 respostas

Dr. Alexandre Podgaeti
Dr. Alexandre Podgaeti
Ortopedista - traumatologista
São Paulo
Se a artrodese for até L2 é possivel fazer raqui ou peridural já que o anestesista geralmente utiliza os níveis L3L4 ou L4L5.
De qualquer modo é preciso ver sua radiografia, obviamente.
2 respostas

Dr. Robson Prudêncio Silva Lima
Dr. Robson Prudêncio Silva Lima
Especialista em dor, Neurocirurgião
São José dos Campos
Boa tarde, sugiro que avalie com especialista outras causas de dor, pode ser que essa não seja a causa de dor e será submetido a um procedimento cirúrgico desnecessário e que com o tratamento…
2 respostas

Especialistas falam sobre Tratamento cirúrgico da escoliose

A cirurgia para a escoliose idiopática começa a ser recomendada quando as curvas são maiores do que 40 a 45 graus e continuam a progredir, e para a maioria dos pacientes com curvas maiores que 50 graus. Essa avaliação sempre deve ser feita em conjunto com o exame físico do paciente e deve ser avaliada criteriosamente caso a caso. O objetivo da cirurgia da escoliose é reduzir a curva e evitar a progressão da deformidade. Curvaturas graves (maior que 50 graus) são mais propensas a progredir na vida adulta. Quando uma curva progride para 70-90 graus, ela não só determina uma deformidade muito ruim, mas muitas vezes pode resultar em comprometimento cardiopulmonar.

Andre Luiz Pagotto Vieira

Ortopedista - traumatologista

Imperatriz


Escolioses severas com deformidades significativas, progressivas ou alterações neurológicas podem ter indicação cirúrgica. A cirurgia consiste na remoção de fragmentos ósseos, ligamentos, desarticulações e cortes (osteotomias) da coluna, de modo a permitir a movimentação das vértebras e o seu reposicionamento, seguidas da estabilização com implantes e promoção da artrodese do segmento operado. É uma cirurgia de grande porte e risco, que pode ser realizada com diversas técnicas e acessos. A reabilitação pode ser dolorosa no início, mas evolui para a melhora progressiva dos sintomas. Discuta com o seu especialista as opções riscos e benefícios individualmente.

Daniel Bedran De Castro

Ortopedista - traumatologista

São José do Rio Preto

Agendar uma visita

Permite a correção do desvio da coluna causado pela escoliose, através da utilização de implantes na coluna. É realizada sob monitorização nervosa, diminuindo os riscos da correção excessiva. Permite ao paciente uma vida sem grandes restrições em seu pós-operatório.

Marina Hirschle Galindo

Ortopedista - traumatologista

Recife

Quais profissionais realizam Tratamento cirúrgico da escoliose ?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.