Dr. Thiago Palmeira

Neurologista, Médico do Sono mais

Número de registro: CRM PB 9496 RQE NEURO Nº 7020 RQE SONO Nº 7868

231 opiniões

Consultórios (2)

Este especialista não oferece agendamento online neste endereço

Atende: adultos
Convênios médicos aceitos neste endereço

Pacientes particulares (sem convênio)

Unimed


Este especialista não fornece todas as informações que você precisa?

Mostrar outros neurologistas perto de mim

THIAGO MEDEIROS PALMEIRA DE ARAÚJO
Avenida Benjamin Constant, Patos

Este especialista não oferece agendamento online neste endereço

Este especialista não fornece todas as informações que você precisa?

Mostrar outros neurologistas perto de mim

Serviços e preços

Os preços são para pacientes sem convênio médico

Serviços em destaque


Avenida Benjamin Constant, Patos

THIAGO MEDEIROS PALMEIRA DE ARAÚJO

Outros serviços


Rua Peregrino Filho, 380, Patos

SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO

Experiência

Sobre mim

Dr Thiago Palmeira é formado pela Universidade Federal da Paraíba.

>Realizou residência médica em Neurologia Clínica no Hospital do Ser...

Mostrar a descrição completa

Experiência em:

  • Tratamento da Esclerose Múltipla
  • Dores de Cabeça
  • Insônia
Veja mais

Certificado Doctoralia

231 opiniões de pacientes

Classificação geral

Todas as opiniões são importantes, por isso os especialistas não podem pagar para alterar ou excluir uma opinião. Saiba mais.
L
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Profissional atencioso, se preocupa em buscar soluções para o paciente, passa segurança durante todo o atendimento. Gostamos bastante!

I
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Outro

Muito atencioso na consulta, e procura detalhar tudo sobre nosso quadro clínico. Muito boa a consulta.

D
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Bem tranquilo a consulta e explicativa.
Foi excelente


J
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Desde a primeira consulta à minha tia Sebastiana, sempre se mostrou atencioso, inclusive disponibilizando o contato pessoal para tirar dúvidas. Foi cordial e muito humanizado no em todos os momentos com minha tia.


B
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: outro lugar Outro

Ótimo atendimento, médico atencioso, explicações satisfatórias.


G
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: THIAGO MEDEIROS PALMEIRA DE ARAÚJO Consulta neurologia

Atendimento pontual, eficiência no tratamento, prestativo.


S
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Muito atencioso e explicativo, iniciei o tratamento e já estou animado.


A
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Ser mais preciso no horário de atendimento pois temos outros compromissos


H
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Um médico muito atencioso e inteligente ! Que Deus o abençoe grandemente .


P
Perfil verificado
Consulta marcada na doctoralia.com.br
Local: SONONEURO NEUROLOGIA MEDICINA DO SONO Consulta Neurologista

Consulta muito boa!! N precisa mudar nd e muito atencioso com seus pacientes


Ocorreu um erro, tente outra vez

Dúvidas respondidas

11 dúvidas de pacientes respondidas na Doctoralia

Pergunta sobre Fenitoína

Comecei tomar fenitoína 1/2 comprimido cedo e 1 anoite posso beber cerveja?

Em pequenas quantidades, o álcool não causa convulsões. Um ou dois drinks de vez em quando não aumenta a atividade convulsiva. Pequenas quantidades de álcool não modificam a concentração sanguínea de medicamentos usados para convulsões e também não alteram os achados nos estudos de EEG (eletroencefalograma). Quando o álcool está relacionado a convulsões, geralmente é o estado de abstinência do álcool que causa as convulsões, não o consumo em si. Seu risco de convulsões pode ser muito maior depois de tomar três ou mais bebidas alcoólicas. O consumo excessivo de álcool e a abstinência de álcool podem até levar ao status epilepticus, um problema potencialmente fatal e com risco de vida! Medicamentos para convulsões podem diminuir sua tolerância ao álcool, de modo que os efeitos imediatos do consumo de álcool são maiores. Em outras palavras, as pessoas ficam bêbadas mais rápido. A intoxicação rápida é um grande problema porque muitos dos efeitos colaterais desses medicamentos são semelhantes aos efeitos agudos do próprio álcool. Se você é sensível ao álcool ou medicamentos para convulsões, pode achar a combinação ainda pior.
Alguns estudos mostraram que o alcoolismo, ou abuso crônico de álcool, está relacionado ao desenvolvimento de epilepsia em algumas pessoas. Esta pesquisa sugere que convulsões repetidas de abstinência de alcoólica podem tornar o cérebro mais excitável. Assim, as pessoas que sofreram convulsões provocadas pelo consumo excessivo de álcool podem começar a experimentar convulsões de epilepsia não provocadas, independentemente do uso de álcool.

Como devo administrar o álcool se tiver convulsões ou epilepsia?
Evite o consumo excessivo de álcool. O consumo excessivo de álcool é beber muito de uma só vez ou por longos períodos de tempo. O álcool geralmente não provoca convulsões enquanto a pessoa está bebendo.

Convulsões de “abstinência” podem ocorrer 6 a 72 horas depois, após a interrupção da ingestão de álcool.

Não abuse do álcool.
Se você tiver um problema com isso, procure ajuda.
O abuso de álcool é um problema médico e pode levar à epilepsia. O abuso de álcool de longa data pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver epilepsia. Se você ingere álcool, use com moderação. Muitas pessoas com epilepsia possuem um alto risco de ter convulsões após ingerir três ou doses de bebidas alcoólicas.

Pesquisas indicam que adultos com epilepsia podem tomar uma ou duas doses por dia sem piorar suas convulsões ou causar alterações nos níveis sanguíneos de seus medicamentos para convulsões.

O uso moderado a pesado de álcool nunca é recomendado para pessoas com epilepsia. Álcool e algumas drogas convulsivas têm efeitos colaterais semelhantes. Usar os dois ao mesmo tempo pode levar a problemas incômodos e potencialmente perigosos. Dirigir seria especialmente perigoso, pois álcool e medicamentos para convulsões podem afetar sua consciência, reflexos, coordenação e capacidade de dirigir com segurança.

Dr. Thiago Palmeira

Pergunta sobre Labirintite

Tenho muita tontura ja faz três meses e não estou melhorando,tomo medicação para labirintite pela manhã e a noite e nada de eu melhorar o que faço?

A tontura tem muitas causas possíveis, incluindo distúrbios do ouvido interno, enjôo e efeitos de medicamentos. Às vezes, é causado por uma condição de saúde subjacente, como problemas de má circulação, infecção ou lesão por trauma.
A maneira como a tontura faz você se sentir e seus gatilhos fornecem pistas para possíveis causas. Quanto tempo dura a tontura e quaisquer outros sintomas que você tenha também ajudam a identificar a causa.

- Problemas no ouvido interno que causam tontura (vertigem)
Seu senso de equilíbrio depende da entrada combinada das várias partes do seu sistema sensorial. Estes incluem o seu:

-> Olhos, que ajudam a determinar onde seu corpo está no espaço e como ele está se movendo

-> Nervos sensoriais, que enviam mensagens ao seu cérebro sobre movimentos e posições do corpo

-> Ouvido interno, que abriga sensores que ajudam a detectar a gravidade e o movimento de vai-e-vem

A vertigem é a falsa sensação de que o ambiente está girando ou se movendo. Com distúrbios do ouvido interno, seu cérebro recebe sinais do ouvido interno que não são consistentes com o que seus olhos e nervos sensoriais estão recebendo. A vertigem é o resultado quando seu cérebro trabalha para resolver a confusão.


-Vertigem posicional paroxística benigna (VPPB).
Essa condição causa uma sensação intensa e breve, mas falsa, de que você está girando ou se movendo. Esses episódios são desencadeados por uma rápida mudança no movimento da cabeça, como quando você se vira na cama, se senta ou recebe um golpe na cabeça. A VPPB é a causa mais comum de vertigem.

-Infecção.
Uma infecção viral do nervo vestibular, chamada neurite vestibular, pode causar vertigem intensa e constante. Se você também tiver perda auditiva súbita, pode ter labirintite.

-Doença de Ménière.
Esta doença envolve o acúmulo excessivo de líquido no ouvido interno. É caracterizada por episódios súbitos de vertigem que duram várias horas. Você também pode experimentar perda auditiva flutuante, zumbido no ouvido e a sensação de ouvido entupido.

-Enxaqueca
As pessoas que sofrem de enxaqueca podem ter episódios de vertigem ou outros tipos de tontura, mesmo quando não estão com dor de cabeça intensa. Esses episódios de vertigem podem durar minutos a horas e podem estar associados à dor de cabeça, bem como à sensibilidade à luz e ao ruído.

-Problemas de circulação que causam tontura
Você pode se sentir tonto, desmaiar ou perder o equilíbrio se seu coração não estiver bombeando sangue suficiente para o cérebro. As causas incluem:

-Queda da pressão arterial. Uma queda dramática na pressão arterial sistólica – o número mais alto na leitura da pressão arterial – pode resultar em breve tontura ou sensação de desmaio. Pode ocorrer depois de se sentar ou ficar de pé muito rapidamente. Esta condição também é chamada de hipotensão ortostática.

-Má circulação sanguínea. Condições como cardiomiopatia, ataque cardíaco, arritmia cardíaca e ataque isquêmico transitório podem causar tontura. E uma diminuição no volume sanguíneo pode causar fluxo sanguíneo inadequado para o cérebro ou ouvido interno.

Outras causas de tontura

-Condições neurológicas.
Alguns distúrbios neurológicos como a doença de Parkinson e a esclerose múltipla – podem levar à perda progressiva do equilíbrio.

-Medicamentos.
A tontura pode ser um efeito colateral de certos medicamentos como anticonvulsivantes, antidepressivos, sedativos e tranquilizantes. Em particular, os medicamentos para baixar a pressão arterial podem causar desmaios se reduzirem muito a pressão arterial.



-Transtornos de ansiedade.

Certos transtornos de ansiedade podem causar tontura ou sensação de tontura, muitas vezes referida como tontura. Estes incluem ataques de pânico e medo de sair de casa ou estar em grandes espaços abertos (agorafobia).

-Baixos níveis de ferro (anemia).

Outros sinais e sintomas que podem ocorrer junto com tontura se você tiver anemia incluem fadiga, fraqueza e pele pálida.

-Baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia).

Essa condição geralmente ocorre em pessoas com diabetes que usam insulina. Tonturas (vertigens) podem ser acompanhadas de sudorese e ansiedade.

-Envenenamento por monóxido de carbono.

Os sintomas de envenenamento por monóxido de carbono são frequentemente descritos como "tipo gripe" e incluem dor de cabeça, tontura, fraqueza, dor de estômago, vômito, dor no peito e confusão.

-Superaquecimento e desidratação.

Se você é ativo em clima quente ou se não bebe líquidos suficientes, pode sentir tonturas por superaquecimento (hipertermia) ou por desidratação. Isto é especialmente verdadeiro se você tomar certos medicamentos para o coração.

Dr. Thiago Palmeira

Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.

Perguntas frequentes