quais as diferenças entre delírio e paranóia?

7 respostas
quais as diferenças entre delírio e paranóia?
A paranoia é uma doença mental e o delírio é o seu sintoma componente mais marcante para fim de diagnóstico. Seu portador pode apresentar, ainda, agressividade, impulsividade, insônia desconfiança e geralmente é irreverente e teimoso. Diferencia-se da esquizofrenia paranoide pela presença nesta, além dos delírios visuais, auditivos, táteis e outros, também pela presença de alterações graves da cognição como amnesias, falta de concentração ideação, juízo e pensamento. Ambas são de tratamento difícil e requer cuidados especiais, as vezes com internamento psiquiátrico.
.

Tire todas as dúvidas durante a consulta online

Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa.

Mostrar especialistas Como funciona?
Olá! O delírio é uma crença errada mantido com grande convicção pela pessoa, e ocorre em aluns transtornos, como a esquizofrenia, transtorno bipolar, transtorno psicótico, entre outros.
A paranoia é um distúrbio de personalidade em que o individuo afetado tem desconfiança ou suspeita altamente exagerada ou injustificada, que esta acontecendo ou alguém está fazendo alguma coisa, que não é real. A paranoia pode ser discreta e o individuo ser razoavelmente ajustado, ou pode ser grave incapacitando a pessoa, podendo destruir a vida profissional e familiar. Para um melhor diagnostico, procure um psiquiatra e um psicologo, para realizar um tratamento adequado. Espero ter ajudado a esclarecer!

Olá!
O delírio ou transtorno delirante, é uma alteração do pensamento, em que a pessoa acredita em uma ideia que não é real. Por exemplo acreditar que possuem super-poderes, ou que inimigos o perseguem. É difícil separar o real do imaginário.
O delírio surge de forma isolada ou pode ser sintoma de uma pessoa com esquizofrenia, psicose, abuso de álcool e drogas, lesão cerebral, ou outros transtornos.
Alucinações podem acompanhar delírios, e são percepções de coisas que não existem (ouvir vozes, ver monstros etc).
A paranóia é um tipo de delírio.
Na paranóia a pessoa acredita estar sendo vítima de perseguição. Acredita que há inimigos que estão querendo matar, envenenar, fazer algum mal; sem que isto seja verdade.
Existem outros tipos de delírios: de grandeza, de auto referência, de ciúmes, de controle, etc.
O tratamento constitui em psicoterapia com psicólogo e medicação com psiquiatra.
Espero ter ajudado!

Como já foi dito, o delírio é uma alteração no conteúdo do pensamento, é um termo científico, pode ser usado para várias idéias fixas, recorrentes e que não podem ser combatidas com pensamentos lógicos. A pessoa pode acreditar que é amigo de todos, ou que possua grandes influências, por exemplo. Existem vários tipos de delírios. Quando essa idéia está relacionada a perseguição, podemos usar o termo paranóia.

O delírio é uma fuga do juízo da realidade. É uma crença falsa. O paciente acredita irrefutavelmente em uma idéia impossível. A paranóia é um termo mais genérico, que é uma sensação de desconfiança persistente ( pode ser uma paranóia delirante ou uma paranóia não delirante).

Olá! Tanto os delírios quanto as paranoias são manifestações psicopatológicas, ou seja, ambos são sintomas de uma mente adoentada. O delírio não depende de nossos sentidos, mas sim de um estímulo externo real, que é percebido e interpretado de forma errada, deformada, enganosa. Paranoia é a sensação ou sentimento constante de perseguição, é desenvolvida uma desconfiança ou suspeita de que está sendo perseguido, acreditando que algo ruim está para acontecer ou que o perseguidor deseja lhe causar mal. É importante lembrar que tanto o delírio quanto a paranoia são sintomas de doenças psíquicas que precisam de ajuda profissional. Fique em paz! Abraços!

Prezado(a),
Em algum nível somos todos paranóides. Não é possível determinar com confiança o que é real e isso é uma premissa fundamental do método científico. A paranóia pode assumir características delirantes quando se aceita como real algo que é prontamente desacreditado pela maioria das pessoas que nos cerca. Já quando acreditamos em algo com alguma chance de ser real mas ainda assim é desacreditado pelos demais a paranóia assume características deliróides.
E, por fim, quando não temos muita certeza no que acreditamos mas ainda somos tendenciosos, apesar do descrédito alheio, a paranóia assume características de uma idea supervalorizada. A diferença entre uma paranóia com essa ultima característica e um pensamento obsessivo é muito sutil e talvez nem mesmo exista.
Mais uma vez, em algum nível desses, somos todos paranóides. Nesse sentido, o menos paranóide é aquele que mais apresenta dúvidas.
Grande abraço!

Especialistas

Erika Suelen de Paula Ricci

Erika Suelen de Paula Ricci

Psicólogo

São Caetano do Sul

Renata Almeida

Renata Almeida

Psicólogo

Nova Iguaçu

Jair da Silva Cerqueira

Jair da Silva Cerqueira

Psicólogo

Osasco

Weslley Nazareth

Weslley Nazareth

Psicólogo

Uberlândia

Thalita Garcia

Thalita Garcia

Psicólogo

Curitiba

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 22 perguntas sobre Delírio

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.