Meu esposo é viciado em pornografia, quase não me procura. Para completar agora estou grávida. Agora
10 respostas
Meu esposo é viciado em pornografia, quase não me procura. Para completar agora estou grávida. Agora é que nos afastamos de vez. A terapia de casal ou sexual pode ajudar nisso?
Sim, O processo psicoterapêutico favorece uma melhor comunicação. Recurso apropriado na ajuda em um poder enxergar o outro e compreender o sofrimento que uma relação conflituosa desencadeia.
É necessário levar em conta que existem transtornos comportamentais associados ao sexo que deve ser levado em conta.
Considero nesta situação, havendo aceitação, fazer um acompanhamento para melhor entender o histórico de seu esposo para que se possa diagnosticar o motivo que desencadeia este comportamento.

Tire todas as dúvidas durante a consulta online

Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa.

Mostrar especialistas Como funciona?
Olá, antes de indicar o tratamento ideal para o seu marido, seria interessante que ele fizesse pelo menos uma ou duas sessões de psicoterapia para que o profissional possa avaliar o seu nível de compulsão entre diversos outros fatores que podem estar contribuindo para a dificuldade em largar este hábito. Essa avaliação será importante para que se possa indicar o melhor tratamento, que pode incluir sessões individuais de psicoterapia ( a abordagem cognitivo-comportamental pode ser muito útil, principalmente se for associada a alguma outra abordagem), algumas sessões de terapia de casal e também um método que eu vou chamar aqui de "desintoxicação" (Programa Revert), que consiste em alguns passos a serem seguidos por 90 dias e que tem trazido bons resultados para muitas pessoas ( homens e mulheres) com este vício. Lembrando que mesmo o tratamento por meio deste programa de 90 dias, a psicoterapia é 100% indispensável para a eficiência do tratamento e prevenção de recaídas. Boa sorte!!

A terapia de casal vai ajudar sim. Inclusive na comunicação entre vcs dois. O que cada um sente falta? Já conversaram sobre isso?
O que os levou a estar afastados como estão?
Muitas são as questões. Mas é preciso trabalha-las, para que consigam voltar ao equilíbrio.
Procure terapia. Se seu marido não aceitar. Faça uma individual.

A terapia de casal pode sim auxiliar nessa questão, uma vez que promove a melhor comunicação e fortalecimento do vínculo sanando dúvidas e trabalhando questões problemáticas como a questão sexual que você apontou. Importante lembrar que a terapia de casal funciona como um modo de ampliação da consciência a respeito do que está acontecendo na relação buscando a flexibilidade para que o casal consiga trabalhar mesmo aqueles temas nos quais estão em desacordo.

Parabéns pela iniciativa!

Sim, podes fazer psicoteria de casal , sempre que ocorrer uma crise conjugal, porém em teu caso, tendo sido teu marido o primeiro a apresentar sintoma sérios em saúde mental, penso, com todos meus anos de experiência que, antes da terapia de casal, ele deve fazer uma teria individual pela dimensão de seu sintoma que atingiu toda família. Boa sorte!

Na minha opinião, acho que seria interessante seu marido fazer psicoterapia individual para trabalhar o que pode ser um possível vício em pornografia. O trabalho psicoterápico com ele refletiria na relação de vocês, pois ficaria claro o desejo dele para com você. É muito complicado qualquer tipo de vicio porque sempre há reflexos na vida familiar no sujeito, então não significa necessariamente que ele não deseje mais você. Somente com a psicoterapia será possível avaliar a dimensão real do seu problema.

O ideal seria uma psicoterapia de casal, procurar trabalhar as questões geradoras de conflitos.

Com certeza. Recomendo primeiramente um terapia individual a fim de que ele se sinta mais a vontade para se abrir de modo livre e tranquilo.
As terapias sempre nos fazem bem e não há nenhuma contra indicação.

Tem sido cada vez mais comum esse tipo de problema uma vez que a tecnologia e mídias facilitaram exponencialmente o consumo de pornografia. Cada vez mais esse tipo de caso chega ao meu consultório. A terapia de casal pode auxiliar bastante, e certamente consultas individuais alternando com as de casal. É tratável, mas como todo problema complexo, não é fácil. Avalio pela sua fala que existem dois problemas interdependentes (mas são dois e não somente um): a questão da pornografia (que deve ser algo do indivíduo) e a questão da dificuldade do casal em lidar com essa questão e possivelmente outros pontos que podem fortalecer o casal para lidar com a situação da pornografia. Procure auxílio! Tudo de bom!

Olá. Sim a terapia de casal irá ajudar no sentido de entenderem qual a dinâmica do casamento de vocês. Em momentos intercalados a psicoterapia individual, para que cada um tenha o seu momento, sem bloqueios ou constrangimentos de falar sobre os seus pensamentos, emoções e desejos. Procure uma ajuda profissional com um psicólogo(a) com especialização em Sexologia e que atue com terapia de casal. Abraço.

Especialistas

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 87 perguntas sobre Terapia sexual

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.