Terapia cognitiva - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas - terapia cognitiva

Perguntas sobre Terapia cognitiva

Nossos especialistas responderam a 4 perguntas sobre Terapia cognitiva

Olá! Na terapia cognitiva comportamental o psicólogo irá te ajudar a identificar, avaliar e concluir se há um transtorno/trauma/doença, como mencionou. No processo terapêutico, o psicólogo irá…

Bom dia!!
Além de sair da crise e conseguir lidar com ela, há um ponto fundamental que é entender o que está desencadeando essa ansiedade e pânico. O fator pode estar ligado a situações…

Bom dia, a terapia cognitiva comportamental fala sobre distorções de pensamento (dicotômicos, leitura mental, rotulações, maximizações e minimizações...) Pensamentos intrusivos ... mas não neutros.…

Especialistas falam sobre Terapia Cognitiva

Na terapia cognitiva, trabalha-se diretamente com a interpretação que o paciente faz das situações vividas, reconhecendo que essas interpretações podem causar desconforto emocional e sensações ruins. A abordagem foca em identificar e modificar padrões de pensamento disfuncionais que influenciam o bem-estar. Amplamente utilizada em terapias breves, no tratamento de transtornos de ansiedade e na depressão, a terapia cognitiva busca promover uma visão mais equilibrada e realista, facilitando mudanças positivas e duradouras na forma de pensar e sentir.

Dínerson Fiuza

Psicólogo, Sexólogo

São Paulo

Agendar uma visita

Quem nunca teve não é mesmo? Uns mais, outros menos, mas elas estão sempre lá, as preocupações. Podem até te adoecer, em outros casos, desencadear quadros de ansiedade, depressão, insônia, hipercompensar trabalhando demais, fazer uso excessivo de bebidas ou drogas como forma de “fugir um pouco”. Em muitos casos, nossa preocupação está relacionada a fatos reais, porém associados a pensamentos irreais, e que não te permitem encontrar a solução. Ser sempre preocupado, não necessariamente indica que você é um pessimista sobre a vida, mas que de certa forma você se acostumou em ser assim. Estar preocupado te dá uma falsa sensação de estar no “controle das situações”, busque ajuda profissional.

Cleunice Paez Borges

Psicólogo

São Paulo


É um sistema psicoterápico com início, meio e fim planejado de modo personalizado. Trabalha com a reestruturação da cognição (pensamentos) e com a resolução de problemas de forma colaborativa com o cliente visando o alívio do sofrimento. No processo terapêutico o objetivo é o que cliente aprenda a identificar, questionar e reformular sua forma de pensar e agir no mundo visando os prismas atuais em cada área de vida do sujeito. É o modelo psicoterápico que contém evidências científicas de sua eficácia para diversos transtornos.

Ana Paula Gonçalves Donate

Psicólogo, Psicanalista

São Paulo

Agendar uma visita

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) fornece as ferramentas e suporte certos para envolver um processo poderoso de mudança sem desperdiçar uma enorme quantidade de tempo e energia. A razão pela qual é tão popular é simples: ela funciona incrivelmente bem. Muitas pesquisas científicas mostram m quão eficaz ela é para ajudar as pessoas a resolver problemas e experimentar resultados positivos. A TCC visa mudar padrões de pensamento e comportamento que nos mantêm presos e nos impedem de superar os obstáculos que enfrentamos.

Terapia cognitiva e os pensamentos Aquilo que pensamos define o nosso humor, propondo, em consequência, uma ação a ser perpetrada, um procedimento. Ou seja, os nossos pensamentos nos conduzem a estados emocionais e definem comportamentos que nos ajudam ou que dificultam a nossa vida. Como se vê, eles nos auxiliam quando nos impulsionam, quando nos encorajam no enfrentamento dos nossos medos e receios. Podem, também, nos colocar para baixo. Daí, a importância de desafiá-los. O terapeuta cognitivo poderá ajudá-la(o).

Paulo Joau

Psicólogo

Salvador

Quais profissionais realizam Terapia cognitiva?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.